Órgãos mudam de lugar na gravidez: veja o que acontece com o seu corpo para acomodar o bebê

Ao longo da gravidez, a mulher passa por diversas mudanças no corpo, inclusive aquelas que não conseguimos ver e acontecem de maneira quase imperceptível, mas que fazem toda a diferença

Resumo da Notícia

  • O útero, a parede abdominal, a pele e o intestino são os órgãos que mais sofrem alterações no corpo da mulher
  • As modificações da parede abdominal podem originar na diástase e também em estrias
  • Os órgãos mudam de posição e tamanho para se adaptarem ao desenvolvimento do bebê

Você sabia que os órgãos podem mudar de tamanho ou posição durante a gravidez? Em uma animação, desenvolvida pelo Museu da Ciência e da Indústria de Chicago, nos Estados Unidos, o vídeo Make Room for Baby from You (que significa “arranje espaço para o bebê dentro de você”, em uma tradução literal), mostra por quais transformações o corpo da mulher pode passar por dentro.

-Publicidade-

Para desmistificar o motivo dos órgãos mudarem de tamanho ou lugar durante a gravidez, além de como funciona o desenvolvimento do bebê no útero da mãe, e as transformações durante a gestação de gêmeos, conversamos com o ginecologista e obstetra, Dr. Igor Padovesi, colunista e embaixador da Pais&Filhos, pai de Beatriz e Guilherme e com a ginecologista e obstetra pela Febrasgo, Dra. Fernanda Pepicelli, mãe de Rafael.

-Publicidade-

Quais órgãos podem mudar de tamanho ou posição?

Segundo o especialista, os órgãos que sofrem mais modificações durante a gravidez são: o útero, a parede abdominal, a pele e o intestino. Mas, de certa forma, os outros órgãos abdominais também podem passar por algum efeito, apesar de serem mínimos e quase imperceptíveis.

Por que os órgãos mudam de posição e tamanho na gravidez?

Por não ter uma separação grande entre os órgãos na barriga, Fernanda explica que o útero, intestino, bexiga e o estômago, ficam no mesmo ambiente abdominal. “Com o crescimento uterino, há sim uma movimentação dos órgãos por realmente o útero crescer e empurrá-los”. De acordo com Igor Padovesi, “o útero cresce e projeta a barriga para frente”, comprimindo um pouco o intestino. “Então, o que acontece para acomodar o bebê, é o crescimento do útero em si”, completa o ginecologista.

Os órgãos mudam de posição e tamanho por causa do desenvolvimento do bebê (Foto: iStock)

Como ocorre o desenvolvimento do bebê na barriga

Toda a movimentação e também o aumento dos órgãos é normal, e geralmente ocorre quando o bebê já está maior, do segundo para o terceiro trimestre da gravidez. “O ganho de peso e crescimento se concentra, principalmente, do meio para o final da gestação”, explica o obstetra.

No caso de gêmeos, as mudanças ocorrem de uma maneira mais rápida. “O útero fica maior e o crescimento da barriga começa a aumentar mais rapidamente, numa fase mais precoce da gestação. Mas, basicamente o que sofre uma maior alteração é o útero, a parede abdominal e um pequeno efeito sob os intestinos. Os outros órgãos abdominais não mudam quase de tamanho.

Os órgãos voltam ao normal após a gravidez?

Sim! De acordo com Cinthia Calsinski, mãe de Matheus, Bianca e Carolina, enfermeira obstetra, consultora de amamentação e colunista da Pais&Filhos, tanto na gravidez de um bebê, como na de gêmeos, “é necessário espaço e também a acomodação dos órgãos”. Contudo, algumas semanas após o parto, eles voltam a posição anterior naturalmente.

Modificação da parede abdominal x diástase

Com as transformações que acontecem dentro do corpo da grávida, a modificação da parede abdominal pode resultar na diástase abdominal, que é o afastamento dos músculos nesta região. Igor Padovesi explica que o que mais muda depois do útero é a parede abdominal, podendo resultar em uma diástase, que é o afastamento dos músculos nesta região. Por ter vários planos e camadas, “a musculatura da parede abdominal tem que ceder e ela naturalmente forma um grau de diástase”. Conforme a pele estica por conta do crescimento da barriga, pode-se formar ainda estrias na pele.

Sintomas da diástase abdominal

Além da barriga estufada, o principal sintoma é uma saliência na linha alba acima ou abaixo do umbigo. Geralmente, pode ser notado ao contrair ou flexionar o tronco. Além disso, dores na região lombar também pode ser um alerta para o problema.

Como fazer teste de diástase em casa

Você sabia que é possível fazer um autoteste para te ajudar a identificar a diástase? Segundo Gizele Monteiro, especialista em diástase, os passos são simples e podem ser feitos em casa.

A diástase abdominal pode aparecer após qualquer gestação (Foto: iStock)
  1. Deite de costas no chão – joelhos dobrados e pés no chão.
  2. Levante a cabeça como se fosse realizar um exercício abdominal, certificando-se de que seu tronco (seu olhar) se direciona para o quadril.
  3. Posicione uma mão no centro da sua barriga. Esta linha central entre os músculos é que deve ser avaliada.
  4. Pode colocar uma mão atrás da cabeça se sentir que é mais confortável. A outra irá examinar sua barriga, com a ponta dos dedos, em toda a linha central dela. Faça devagar e sem ficar cutucando. Você deve fazer o movimento de pressão e suave.
  5. Examine próximo ao seu umbigo, mas também para cima e para baixo dele, passando os dedos por toda a linha alba, procurando um local onde você sente que seus dedos irão afundar. A região em que sua mão afunda é a diástase.
  6. Deslize e apalpe com a ponta dos dedos, para cima e para baixo, toda a sua linha central entre os músculos, fazendo sentir os lados esquerdo e direito de seu músculo reto abdominal e analisando se existe uma distância entre eles acima de 1 ou 1,5 dedos ou se existe uma região que apresente uma depressão, onde parece que seus dedos afundam um pouco mais. Se encontrar essa separação ou uma região que esteja afundando seus dedos, avalie com os dedos todas as medidas desse rompimento (para te ajudar a identificar as medidas, a especialista possui um ebook gratuito (para ter acesso, clique AQUI).

Como prevenir a diástase abdominal

Bianca Vilela, mestre em fisiologia, palestrante e fundadora da Bianca Vilela Saúde e Performance, e filha de Regina e Ildemar, comenta que as principais orientações pra prevenir a diástase são: ajustar a postura de como sentar, levantar, deitar, amamentar, segurar o bebê e colocá-lo no berço. Vale lembrar que o intuito é de sempre proteger a coluna.

“Estimular a atividade física segura durante a gestação e no pós-parto supervisionadas por um profissional especializado são fundamentais, De acordo com Kate Bowman, especialista e biomecânica e autora do livro “Diastasi rectil”, se houver diástase, neste período de reabilitação, deve-se evitar exercícios abdominais convencionais, principalmente os de rotação de tronco e quadril, alongamento lateral ou da cintura, pois os mesmos podem contribuir para o aumento da diástase”, comenta. Evitar o ganho excessivo de peso também é uma forma de prevenção. “É importante que a gestante entenda a diferença entre prevenção e tratamento; sendo o segundo muito mais complexo”.

Fonte: Dr Igor Padovesi, Ginecologista e Obstetra da USP e do Hosp. Albert Einstein, colunista e embaixador da Pais&Filhos, e pai de Beatriz e Guilherme. www.igorpadovesi.com.br