Notícias

Pai viciado em trabalho escreve texto emocionante após morte do filho: “Eu me arrependo”

O menino morreu enquanto ele trabalhava

Nathalia Lopes

Nathalia Lopes ,Filha de Márcia e Toninho

Quando alguém se torna pai ou mãe, é normal que tenha preocupações com o futuro do seu filho e por conta disso, dedique uma boa parte do tempo no emprego para ter a certeza de uma estabilidade financeira. Mas isso pode fazer com que os pais percam o crescimento das crianças.

Infelizmente, um pai britânico precisou perder o filho para ter essa consciência e por isso fez um texto para conscientizar as outras famílias a priorizar as crianças do que o trabalho. JR Storment usou o LinkedIn e acabou emocionando o mundo inteiro.

Ela fala que teve filhos gêmeos ao mesmo tempo que fundou uma empresa e que sempre se orgulhou de ser uma pessoa dedicada a vida profissional, mas que a morte do menino mudou a forma como ele enxerga o mundo. “Oito anos atrás, no mesmo mês que meus bebês gêmeos nasceram eu fundei a Cloudability. Três meses atrás a Cloudability foi vendida e três semanas atrás eu perdi um dos meus meninos”.

Esse pai quer mudar a forma como os outros pais aproveitam seus filhos (Foto: Reprodução/Instagram The Sun)

“Quando eu recebi a ligação sobre a morte do meu filho, eu estava no escritório em uma reunião com 12 pessoas. Minutos antes eu havia admitido para um grupo de pessoas que eu nunca tinha tirado mais do que uma semana seguida de férias ao longo desses oito anos em que criei a empresa”.

“Minha esposa e eu temos um acordo que quando um de nós liga, o outro precisa atender, porque certamente será importante. Então, quando o telefone tocou, eu parei o que estava fazendo, sai da sala de reunião e atendi o telefone”.

“Eu ainda estava saindo da sala de reunião quando eu atendi a ligação dizendo: ‘Oi, tudo bem?’.
E ela respondeu imediatamente: ‘J.R, Wiley está morto’.
‘O quê?’, eu perguntei incrédulo.
‘Me desculpe, eu preciso ligar para a ambulância’, minha esposa respondeu”.

“Esta foi toda a nossa conversa. Logo depois eu saí do escritório, comecei a correr, no meio do caminho do estacionamento eu percebi que estava sem as chaves do carro. Eu fiquei desesperado e só gritava: ‘alguém me leva pra casa! Alguém me leva pra casa’. Felizmente, um colega me levou.

Esse foi o texto feito por ele (Foto: Reprodução/Instagram The Sun)

A causa 

“Horas antes, o Wiley acabou dormindo mais do que o normal. Minha esposa achou que ele só estava enrolando na cama, ele adorava dormir. Eventualmente, ela foi checá-lo na cama e o encontrou já sem vida. Ele morreu de uma complicação rara de sua epilepsia chamada Morte Súbita da Epilepsia. Os médicos depois estimaram que ele já havia morrido há cerca de 8 a 10 horas desde o horário em que a minha esposa o achou”.

“Quando eu cheguei em casa, após doze minutos, havia diversos veículos da polícia e ambulância lá. Quando uma criança morre de repente, os policiais tratam o local como uma potencial cena de crime. Demoraram duas horas doloridas após eu conseguir ver meu filho. Quando eu vi meu filho, parecia que ele estava dormindo tranquilamente”.

“Eu não aguentei. E quando finalmente pude tocá-lo, eu só conseguia fazer carinho em sua mão e dizer: ‘O que aconteceu meu amigão? O que aconteceu?’. Ficamos meia hora com ele até que vieram levá-lo embora. Eu segurei sua mão até ele entrar no carro da funerária”.

“Apenas abrace o seu filho”

Depois de contar tudo o que viveu naquele dia JR escreveu sobre como é importante passar o máximo de tempo ao lado dos filhos. “Muitas pessoas me perguntam o que poderiam fazer para nos ajudar. Apenas abrace seus filhos, não trabalhe até tarde. Muitas das coisas que você perde tempo fazendo vai acabar se arrependendo de não puder mais ficar com seu filho. Se tem alguma lição que podemos aprender disso é para se lembrar (e para eu me lembrar) para não perder as coisas que realmente importam”, encerra.

Fique de olho no conteúdo do Youtube da Pais&Filhos:

Leia também: 

Cafu abre o coração pela primeira vez após morte do filho mais velho

Marcos Piangers e Ana Cardoso nos ensinam sobre a coisa mais valiosa: o tempo em família

“Só existe uma pessoa que pode ser o pai do seu filho”, diz Marcos Piangers sobre a paternidade