Saúde

Impetigo: a infecção de pele em crianças altamente contagiosa que você precisa conhecer

Apesar de desconhecida, a infecção é muito comum entre bebês crianças. Saiba como identificar e tratar a doença

Jennifer Detlinger

Jennifer Detlinger ,Filha de Lucila e Paulo

O impetigo é uma infecção bacteriana superficial da pele muito comum e altamente contagiosa (Foto: SBD/Reprodução)

O que aparenta ser apenas uma ferida na pele do seu filho pode se revelar uma infecção bacteriana. Muitas vezes, o impetigo não é identificado de primeira e grande parte da população desconhece o nome dessa infecção, apesar dela atingir cerca de 2 milhões de pessoas por ano no Brasil. Por isso, é preciso ficar atento aos sintomas e machucados na pele do seu filho, já que o impetigo acontece com mais frequência em bebês e crianças. 

O que é o impetigo?

Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o impetigo é uma infecção bacteriana superficial da pele muito comum e altamente contagiosa. Ela é vista mais frequentemente no rosto ou extremidades da pele de crianças. Acontece depois um pequeno trauma da pele, machucado ou até mesmo após a picada de insetos. O impetigo ocorre quando a criança se contamina com as bactérias estafilococos ou estreptococos, que causam a infecção. As crianças também podem se autocontaminar com a própria secreção nasal, em casos de rinite, além de ocorrer sobre outras doenças prévias da pele, como a dermatite atópica, que sofrem a contaminação secundária pela bactéria.

Quais são os sintomas?

As bactérias causam bolhas, feridas e crostas avermelhadas em qualquer parte do corpo, chamadas milicérias, por ter coloração parecida com à do mel. As lesões são doloridas e podem causar febre e mal estar nas crianças. O impetigo pode deixar cicatrizes na pele e, em casos mais graves, as toxinas das bactérias podem causar doenças nos rins e septicemia (infecção sistêmica) em crianças com baixa resistência. Os alérgicos podem desenvolver complicações com mais facilidade.Às vezes, pode formar bolhas que se rompem. Não existem sintomas locais, mas a lesão vai se espalhando para áreas próximas.

Como tratar?

A limpeza das feridas com água e sabão e remoção das crostas são sempre indicadas. Para infecções mais localizadas, o impetigo é tratado com antibióticos específicos, seja por via oral ou em pomadas. Os pais devem procurar um médico logo nos primeiros sintomas e sempre seguirem à risca a posologia prescrita.

Como prevenir?

Sempre mantenha a pele do seu filho sem traumas e hidratada e, quando ele se machucar, limpe o local com água e sabão. Também é importante não coçar as lesões para evitar contaminações secundárias. 

Na maioria dos casos, o risco de contágio do impetigo só desaparece 48 horas depois que o tratamento com antibióticos começa ou quando as feridas deixaram de eliminar secreção e estão cicatrizando. Por isso, é importante manter seu filho em casa e tomar cuidado para que ele não tenha contato direto com outras crianças, além de separar os objetos para o uso exclusivo dele.

Também é importante tomar outros cuidados com seu filho:

– Não descuide dos cuidados básicos de higiene com ele, como lavar as mãos, principalmente antes das refeições e depois de usar o banheiro

– Evite que seu filho toque nas feridas para não espalhar a infecção por outras partes do corpo

– Não compartilhe objetos de uso pessoal dele, como toalhas, lençóis, pentes e escova de cabelo.

– Limpe as lesões com água e sabão, seque bem e cubra com gaze ou outro tipo de curativo

– E o mais importante: procure sempre um dermatologista ou pediatra logo que aparecer qualquer problema na pele do seu filho.

Consultoria: Denise Steiner, mãe de Tatiana, Marcelo e Gustavo, dermatologista pediátrica e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Leia também:

Dia Mundial da Psoríase: uma doença de pele que pode causar depressão e ansiedade

Como evitar assaduras: tudo que você precisa saber para proteger seu filho

Hiperidrose: conheça a doença do suor excessivo que pode provocar vergonha e ansiedade