Herói: avô resgata 7 netos em campo de refugiados na Síria

Avô viaja horas até onde as crianças estavam para leva-las para a casa na Suécia; os pais dos menores, que se uniram ao grupo jihadista em 2014, morreram em combate

Avô encontrando os netos (foto: reprodução/Facebook)

Raramente ouvimos histórias da Síria que não envolvem bombardeios e feridos, entretanto, nesta quarta-feira (15), Patricio Gálvez, um chileno residente na Suécia, chegou em Gotemburgo com os sete netos, órfãos de jihadistas, um mês depois de viajar para a Síria para resgatá-los do campo de refugiados de Al-Hol.

-Publicidade-

Os netinhos têm entre 1 e 8 anos, foram levadas ao campo de Al-Hol após a queda de Al Baguz, a último unidade militar islâmica criada no norte da Síria e do Iraque pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI), ao qual seus pais tinham se unido depois de deixar a Suécia.

As autoridades controlam a região autorizaram na semana passada, após uma negociação com a Suécia, a transferência das crianças ao Iraque para se reunir com o avô, desde que realizassem exames médicos e algumas burocracias.

-Publicidade-

 

Campo de refugiados na Síria (foto: reprodução/Facebook)

 

Orgulhoso, o avô, revelou que os netos estavam “muito felizes” e gritaram ao voltar a Gotemburgo, onde residiam seus pais, uma sueca de origem chilena e Michael Skråmo, um jihadista norueguês-sueco conhecido pelos vídeos nos quais convidava outros compatriotas a se unir ao EI e cometer atentados na Suécia.

Gálvez, de 50 anos, vive na Suécia há três décadas e lamentava as dificuldades de movimento e comunicação na região, a falta de ajuda e o estado físico de vários de seus netos.

Skråmo e sua mulher, ambos convertidos ao Islã, viajaram de férias em 2014 à Turquia com seus quatro filhos – tiveram três mais depois – e de lá se deslocaram à Síria para se unir ao califado. Eles teriam morrido em combate no início deste ano.

Leia também: 

Estudo: número de avós que criam os netos cresce cada vez mais e isso é muito bom 

Avós de hoje se envolvem mais na vida dos netos e estudo mostra porque você não deve contrariar 

Seu filho deve passar muito tempo com os avós, sim! 

-Publicidade-