Bebê com chiado no peito, tosse e coriza: o que fazer para tratar bronquiolite e como identificar

Apesar das crianças se recuperarem bem na maioria dos casos de bronquiolite, é importante ficar de olho nos sinais e procurar por um especialista. Veja como agir e ajudar o seu filho em situações como essa

Resumo da Notícia

  • 80% dos casos de bronquiolite costumam acontecer em crianças com até um ano de idade
  • Apesar da doença ser grave, a maioria das crianças se recupera bem
  • Em algumas situações, pode ser necessário internação para cuidados específicos, principalmente se a criança apresentar falta de ar

Com a chegada do tempo frio, pode acontecer também uma maior incidência das doenças respiratórias, como a bronquiolite. Segundo a otorrinolaringologista, Dra. Maura Neves, filha de Manoel e Maria Lúcia, em 80% dos casos da doença costumam acontecer em crianças com até um ano de idade, sendo o pico de incidência entre três e seis meses.

-Publicidade-

Vale lembrar ainda que o termo bronquiolite, apesar de ser parecido com bronquite, são doenças diferentes! Na segunda, é uma inflamação das vias aéreas superiores, que ocorre com mais frequência nas crianças mais velhas. Confira abaixo as dúvidas mais comuns sobre o tema e em quais sintomas você precisa ficar de olho.

O que é bronquiolite?

De acordo com o pediatra Dr. Paulo Telles, pai de Leonardo e Carolina, a bronquiolite é uma inflamação que acontece nos bronquíolos, tubos que levam o oxigênio até o pulmão. Geralmente, a doença é causada pelo vírus sincicial respiratório (VSR), mas também pode acontecer pelo vírus parainfluenza, adenovírus, micoplasma, rinovírus, influenza e enterovirus.

“Há também fatores de risco para o desenvolvimento da bronquiolite como: ausência de aleitamento materno, tabagismo dos cuidadores, prematuridade, permanência em creche e situação vacinal”, completa a Dra. Maura Neves.

A bronquiolite é uma inflamação que acontece nos bronquíolos (Foto: Shutterstock)

Sintomas de bronquiolite

É grave?

Nos casos mais leves de bronquiolite, os sintomas costumam desaparecer em aproximadamente uma semana. Mas, quando existe uma piora, pode ser que a falta de ar e cansaço para respirar (taquipneia) aconteçam. Em situações como essa, é muito importante que a família procure um pronto-socorro para o atendimento.

“Quanto mais jovem, maior a chance de gravidade por conta do sistema imunológico e situação vacinal. Os casos variam de leve a severos necessitando as vezes de internação. Os pais devem observar o padrão respiratório da criança. Sintomas como cansaço, adinamia, cianose de extremidades, chiado e tosse servem de parâmetro para avaliação médica.”, explica a otorrinolaringologista. O pediatra completa ainda que a doença costuma ser mais grave nos primeiros seis meses de vida, mas os mesmos sintomas também podem aparecer até os dois ou três anos de idade.

Quanto tempo dura a bronquiolite?

Os casos de bronquiolite podem desaparecem em aproximadamente uma semana, durando em média até duas semanas. Caso existam complicações pelos sintomas, pode existir a possibilidade de internação para oxigenoterapia.

Geralmente, a bronquiolite costuma ser mais grave em bebês menores do que seis meses (Foto: Shutterstock)

Tratamento para bronquiolite

Segundo o Dr. Paulo Telles, não existe um tratamento específico para mudar a evolução do quadro de bronquiolite. “É uma doença auto limitada, o próprio corpo irá resolver”, explica. Mas, é possível realizar tratamentos sintomáticos, como a lavagem nasal e analgésicos para aliviar a febre caso aconteça. “É importante que a família fique de olho em pioras de saturação e necessidade de internação para oxigenoterapia”. A boa notícia é que a maioria dos casos de bronquiolite não necessitam de internação e as crianças costumam se recuperar bem.

O médico explica ainda que apesar da angústia e insegurança dos pais sobre o uso de medicações, é muito importante seguir as recomendações da Academia Americana de Pediatria:

  • Não existem evidência de uso de corticóides para o tratamento de bronquiolite
  • O uso de broncodilatadores também não possui evidências. “Alguns casos, conforme a idade, podemos tentar fazer testes terapêuticos para ver se a criança apresenta alguma melhora”, comenta o pediatra.
  • O uso de antibióticos não é recomendado, apenas se existir complicações como otites, ou pneumonias secundárias ao vírus. A indicação deve ser prescrita apenas por um especialista

Como prevenir bronquiolite

A única maneira de prevenir que a bronquiolite apareça é manter o bebê longe do vírus. Sempre que possível, principalmente nos primeiros meses de vida, evite o contato próximo com crianças ou adultos que estejam no início de quadros de infecções respiratórias, momento em que a doença é mais contagiosa. No geral, é necessário ter mais cuidados respiratórios durante o inverno, evitar aglomerações, contato com outros doentes e cuidados higiênicos.

É possível ter bronquiolite mais de uma vez?

Sim, é possível. Segundo o Dr. José Carlos Fernandes, pediatra do Hospital da Criança e pai de Vinicius e Juliana, a condição pode acontecer porque a doença é viral e respiratória. Crianças que têm um quadro pulmonar grave podem apresentar a doença 3 ou 4 vezes por vírus diferentes.