Choro do bebê: aprenda a identificar o que seu filho está tentando te dizer

Para cada tipo de choro, existe uma causa. Conheça as principais perguntas que você deve fazer para entender o choro do seu filho e saiba como lidar com todos eles e acalmar o bebê

É preciso respeitar o bebê, saber que ele é um ser humano completo que tem as emoções de um adulto (Foto: Getty Images)

O choro é a principal maneira de os bebês se comunicarem.  É a forma que eles têm de chamar atenção e expressar suas necessidades. Vai demorar um pouco até que o seu filho aprenda a falar – então, cabe a você descobrir o que o bebê está tentando lhe dizer.

-Publicidade-

No começo, pode ser difícil interpretar os diferentes tipos de choro do bebê, mas com o tempo você vai tirar isso de letra e conseguirá reconhecer e atender o que o seu filho precisa. Para cada tipo de choro, existe uma causa. Conheça as principais perguntas que você deve fazer para entender o choro do seu filho:

Por que o bebê chora?

Os recém-nascidos também podem chorar muito, sem que isso signifique que estão fazendo birra ou tenham algum problema de saúde. A única forma de comunicação do recém-nascido é através do choro, então ele chora quando há uma situação de desconforto, como fome, frio. E esse choro é sem lágrima. As glândulas lacrimais ainda estão pouco desenvolvidas; elas vão amadurecer e começar a funcionar no final do primeiro mês.

-Publicidade-

Com o tempo, os bebês aprendem formas mais elaboradas de transmitir desconforto, mas talvez isso não represente menos choro. Em meio a toda preocupação e todo o cansaço que a chegada do filho traz, outro cuidado que não pode faltar é dar a ele muito carinho e amor. Essa linguagem qualquer criança entende desde que estava na barriga e nenhum médico precisa passar a receita de como se faz.

Como entender o que o bebê quer?

Sono, fome, cólica e fralda suja são apenas alguns dos motivos que podem fazer com que os bebês comessem a chorar desesperadamente e até as mães mais experientes podem se confundir na hora de tentar decifrar a mensagem que eles querem nos passar. Olhe para o bebê, tente entender o que ele diz. Bebê fala? Sim, com expressão corporal, com caras e bocas, com choros e barulhos. É preciso respeitar o bebê, saber que ele é um ser humano completo que tem as emoções de um adulto: raiva, medo, tristeza, mágoa, tédio… Sem achar que tudo é manha, fome ou cólica!

Não existe uma fórmula mágica para descobrir o que aflige o bebê. “Descobrir a causa do choro, muitas vezes, é um trabalho de tentativa e erro. Muito bonito na teoria é achar que, pelo barulho, você consegue identificar o verdadeiro motivo, mas na prática vem o choro da fralda molhada junto com as lágrimas do sono e da fome. Bem-vindos à vida real”, explica a pediatra Patrícia Rezende, do grupo Prontobaby.

Quando o bebê chora?

Se isso geralmente acontece depois de mamar, pode ser que ele sofra com gases ou refluxo. Se ele costuma chorar num mesmo horário todos os dias, pode ser cólica. Mas, se o choro é irregular e até aleatório, isso pode fazer parte do temperamento do seu filho – alguns bebês choram mesmo mais do que outros.

Separamos dicas para te ajudar a identificar e lidar com cada tipo de choro de seu filho (Foto: iStock)

Durante o choro, o que ele faz com o corpo?

Observe seus movimentos: se ele costuma puxar os pés até o peito, provavelmente são gases. Se ele fica rígido e arqueia as costas, pode ser sinal de duas coisas: refluxo ou até mesmo temperamento dele, fazendo com que ele tenha vontade de fechar-se para o mundo.

O que geralmente o acalma?

Se arrotar ou quando ele faz exercícios de pernas alivia o choro, pode ser que você tenha ajudado a passar uma bolha de gás. Se ele melhora quando está sentado ereto, pode ser refluxo! Já bebês com cólica podem ter o choro aliviado por distrações como o som da água corrente ou algo que desperte sua curiosidade até, pelo menos, que a cólica passe ou melhore.

Os cinco tipos diferente de choros

A idade dos bebês é a primeira coisa que precisa ser avaliada. “O bebê nasce absolutamente dependente e por um determinado tempo após o parto, enquanto se desenvolve, precisa de mais apoio. Os primeiros 90 dias são como se a criança ainda estivesse sendo gestada. Ela se assusta com barulho e luminosidade, além de não estar acostumada a sentir calor, frio e fome. Todas essas sensações são muito novas e o choro pode ser por uma dessas causas”, explica a pediatra. Confira os cinco principais tipos de choro do bebê e dicas de como lidar com cada um:

Choro de aconchego

O cueiro pode se tornar o seu melhor amigo. Isso porque, ao nascer, seu filho tem um reflexo primitivo e se assusta com o que está ao redor. Mantê-lo enrolado simula a sensação de afago que ele tinha na barriga da mãe e o ajuda a dormir melhor.

Choro em movimento

Lembre-se: quando ainda estava na barriga, o bebê era mantido em movimento, já que você não ficou nove meses estática. Portanto, dar uma leve ninada em seu filho pode acalmá-lo quando estiver deitado e começar a chorar.

Choro tem hora

Devemos observar o horário do choro. Se for sempre à noite, pode ser que a criança não esteja dormindo o necessário. Isso explica o cansaço no fim do dia, com o adulto com sono acumulado. O bebê pode sofrer com efeito vulcânico: como se um vulcão estivesse ali acumulando cansaço o dia todo para entrar erupção à noite. Antes de chegar a essa conclusão, é importante observar se o xixi e o cocô estão normais e se o seu o bebê está ganhando peso adequadamente, para eliminar outras causas orgânicas.

Quando eles perdem o choro

Algumas crianças podem, durante crises de choro, inspirar e prender involuntariamente a respiração, podendo até desmaiar. Apesar de rápido, o episódio é apavorante para os pais. Nesse momento, é preciso que você mantenha a calma e fique ao lado do seu filho, mantendo-o deitado, se possível. Atitudes como molhar o rosto ou pulsos do bebê, dar água ou sacudi-lo devem ser evitadas. Quando isso acontecer, é importante que a mãe comunique ao pediatra para que ele verifique se foi realmente uma crise de perda de fôlego ou se tem algo por trás. Você pode tentar distrair a atenção do seu filho para evitar novas crises.

Choro de fome

É comum ter dificuldade para alimentar seu filho nos primeiros dias, já que vocês dois ainda estão aprendendo a lidar com a amamentação. O bebê entende a fome quase como uma dor, mas, antes de abrir o berreiro, ele manda alguns sinais e é possível identificá-los. Abrir e fechar as mãos, chupar o dedo, esticar-se e aumentar os movimentos do corpo são alguns alertas que a mãe pode perceber. Se o bebê já estiver chorando, com movimentos corporais acelerados e coloração avermelhada, é aconselhável acalmá-lo antes de alimentá-lo.

Conheça as principais perguntas que você deve fazer para entender o choro do seu filho (Foto: iStock)

O guia do choro do bebê

Separamos dicas para te ajudar a identificar e lidar com cada tipo de choro de seu filho:

Fome

Se seu bebê estava dormindo por duas ou três horas e acordou chorando, pode querer mamar. Amamente-o, oferecendo os dois peitos alternadamente. Comece por aquele em que ele mamou por último.

Desconforto

Verifique se a fralda está suja e a troque. Veja se a roupa de cama está limpa e se ele não está com frio ou calor.

Insegurança

Um movimento brusco, luz forte ou um barulho podem fazer o recém-nascido chorar. Muitos choram durante a troca e no banho. Acaricie o bebê e segure-o com firmeza, mas com suavidade ao trocá-lo e banhá-lo.

Cansaço

Quanto mais exausto o bebê, mais difícil acalmá-lo e o choro pode alcançar proporções ensurdecedoras. Identifique o sono antes da exaustão: ele boceja e puxa as orelhas, por exemplo, antes de começar a chorar. Crie um ritual calmante que preceda a hora do sono, cantando e embalando-o ao colocá-lo no berço.

-Publicidade-