Bebês

Enfermeira adota gêmeos com síndrome rara depois após os pais fazerem uma coisa horrível

Linda Trepanier lutou contra todos para cuidar dos gêmeos Matthew e Marshall, que têm síndrome de Pfeiffer

Nathalia Lopes

Nathalia Lopes ,Filha de Márcia e Toninho

Matthew e Marshall tinham quatro semanas quando foram diagnosticados (Foto: reprodução/New York Post)

Linda Trepanier tinha 58 anos quando ficou conhecida nos Estados Unidos inteiro como “mãe milagrosa”. Isso porque mesmo prestes a se aposentar e já tendo criado três filhos biológicos, ela decidiu adotar os irmãos Matthew e Marshall.

Os gêmeos nasceram como uma doença genética muito rara, a síndrome de Pfeiffer. Isso faz com que eles tenham cabeças superdimensionadas. A história deles começaram quando os bebês completaram quatro semanas. Os pais biológicos dos meninos tentaram os abandonar e por isso o conselho de proteção a criança de Minnesota tirasse a guarda deles.

Mas depois de muito tempo de convívio, ela foi novamente procurada pelos assistentes sociais que perguntaram se ela tinha o interesse de os adotar permanentemente. “Quando vi os gêmeos pela primeira vez, pensei que eles eram as coisinhas mais adoráveis ​​que já vi. Eles tinham cabeças grandes e corpos minúsculos. Os corpos eram do tamanho de recém-nascidos, a maior parte do peso era por causa das cabeças”, conta ao New York Post.

Linda ainda comentou que cuidar de crianças como essas não seria uma tarefa fácil para uma mãe comum, mas como ela é enfermeira. Tinha mais preparo para isso. “Por causa da minha formação eu consigo cuidar deles sem maiores problemas”.

Preconceito 

Além de ter que lidar com as sondas, os tubos de respiração, os exames e as consultas médicas, Linda precisou lidar com o preconceito das pessoas ao seu redor. ”

Minha família e amigos acham que sou louca porque tenho 58 anos e deveria estar ansiosa por me aposentar, mas não me importo com isso. “As pessoas lutam para entender. Eles dizem: ‘Oh, essas crianças vão te amarrar’. Mas eu aprendi a viver com isso”. Ela não só cuida deles, como sente que cresceu depois que os conheceu. “Apenas me sinto privilegiada por ter conseguido fazer uma diferença real e positiva na vida de Matthew e Marshall”. 

Linda sofreu muito preconceito por decidir adotar os meninos (Foto: reprodução/New York Post)

Segundo o New York Post, síndrome de Pfeiffer faz com que partes do crânio se fundem muito cedo, o que significa que o osso não pode se expandir à medida que o cérebro cresce. “Matthew e Marshall foram diagnosticados com Pfeiffer tipo dois, caracterizado por deformidades graves nas mãos e pés, articulações fibrosas, testas altas, orelhas deslocadas e olhos salientes”, explicam. Que bom que eles acharam uma pessoa que os ame e cuida bem deles.

Leia também: 

Mãe faz alerta após filho nascer com má formação por erro comum na gestação

Marcos Caruso aparece com o neto que tem malformação e faz apelo

Ácido fólico diminui a chance de malformação do feto