Criança

Mãe faz alerta após filho nascer com má formação por erro comum na gestação

Stephanie contraiu citomegalovírus

Nathalia Lopes

Nathalia Lopes ,Filha de Márcia e Toninho

Ela não sabia que isso poderia acontecer (Foto: Reprodução/The Sun)

Toda mãe começa a se preocupar com o bem estar do filho quando ele ainda está dentro dela. As mulheres buscam por orientações de como se cuidar, se alimentar e manter o melhor ambiente para o bebê que está se desenvolvendo. E não foi diferente com Stephanie Whitelock, ela seguiu a risca todos os conselhos que recebeu do médico. Ela só não foi avisada dos riscos que o citomegalovírus (CMV).

Não sabendo que a doença existia, ela também não sabia como preveni-la, acontece que ela contraiu o vírus na vigésima semana de gestação e isso fez com que o filho nascesse com uma série de má formações e sequelas cerebrais.

O CMV é parente do vírus da herpes e é mais ou menos contraído da mesma maneira, através de beijos ou simplesmente comendo e bebendo utensílios de pessoas contaminadas. Stephanie contou a sua história ao jornal The Sun, na tentativa de chamar a atenção das gestantes para essa doença.

Sempre alerta

“Descobrir que meu feto não estava seguro no meu ventre era totalmente devastador. Cinco meses depois da minha gravidez e sem que eu tivesse sintomas óbvios de doença, ele contraiu um vírus comum que o deixou com sérios aprendizados e deficiências físicas. Gabe chegou em 15 de novembro de 2015 – um segundo bebê para mim e meu marido, James, e um irmãozinho de nosso primogênito, Ned”, começa.

“Depois de um parto sem problemas, ele parecia ser um recém-nascido saudável. Ficamos felizes e orgulhosos em trazer nosso lindo menino para casa para começar sua vida como parte de nossa família. Mas nos meses que se seguiram, percebemos que ele não estava atingindo os marcos do bebê. Ele não rolou nem se sentou, como outras crianças da sua idade. Percebemos a boca dele ligeiramente inclinada e a cabeça dele era um pouco pequena em comparação com o corpo dele”.

“Nós levamos Gabe ao nosso médico de família e insistimos em testes. Em seu primeiro aniversário, um pediatra confirmou que ele havia nascido com citomegalovírus congênito (CMV). Isso tinha danificado o lado direito do cérebro, deixando-o com paralisia cerebral, uma dificuldade de aprendizagem e problemas de visão. A infecção havia cruzado a placenta de mim para o meu feto no útero – ainda não me lembro de sintomas e nunca estava ciente de estar doente. Nos disseram que Gabe contraiu o vírus por volta das 20 semanas da minha gravidez, basicamente, seu cérebro parou de se desenvolver a partir daquele momento”, explica.

Christopher esta se desenvolvendo muito bem (Foto: Reprodução/The Sun)

Convivendo com o Gabe 

“Mas mesmo que nosso menino nos trouxesse muita alegria, a passagem do tempo revelou mais e mais como o vírus estava limitando sua vida. Paralisia cerebral fazia com que ele lutasse para se mover, ele não conseguia engatinhar ou andar ou usar seu lado esquerdo adequadamente, incluindo a mão esquerda. Ele não conseguia alcançar comida ou brinquedos e sua fala era muito limitada”.

“Ser incapaz de se expressar para nos dizer o que ele queria às vezes o deixava frustrado e irritado. O tratamento que ele foi oferecido pelo NHS foi brilhante, mas simplesmente não foi suficiente. Fisioterapia e terapia ocupacional eram apenas um tratamento ocasional”.

“Juntamente com a família e os amigos, e ajudados pelas mídias sociais, começamos a angariar fundos e chegar ao valor de 7 mil libras para fisioterapia intensiva no NAPA Center, Boston, América. Acreditamos que o tratamento poderia fazer uma enorme diferença para o nosso filho”.

Hoje 

“Hoje, tendo acabado de celebrar seu terceiro aniversário com uma festa de aniversário de família, Gabe traz grande alegria para nossa família. Sua coragem na adversidade nos inspira todos os dias. Mas ele não pode ficar sem ajuda ou andar, e só pode dizer apenas um punhado de palavras como mamãe e papai”.

“O CMV é uma das principais causas de incapacidade na infância. Mas antes que isso afetasse nossa família, James e eu nunca ouvimos falar disso. Como uma futura mãe grávida, eu me dizia constantemente para não correr riscos como comer patê ou ovo cru. Mas esse vírus é algo que dois ou três bebês nascem a cada dia”.

“No entanto, ninguém nunca me avisou sobre isso, ou me disse as regras de higiene simples que eu deveria seguir para proteger meu feto, o que poderia salvá-lo de uma vida de problemas de saúde”.

Christopher esta se desenvolvendo muito bem (Foto: Reprodução/The Sun)

Leia também: 

Vídeo: menino com malformação na medula dá primeiros passos sozinho 

Ácido fólico diminui a chance de malformação do feto 

Bebê é operada dentro da barriga da mãe e cirurgia é sucesso