;
Bebês

Estudo defende que amamentação pode determinar se o seu filho será destro ou canhoto

A pesquisa foi feita pela Universidade de Washington

Isabella Zacharias

Isabella Zacharias ,Filha de Aldenisa e Carlos

Será que é verdade? (Foto: iStock)

Um novo estudo da Universidade de Washington dá dicas sobre um dos mistérios mais curiosos da maternidade: o que determina se nossos filhos serão destros ou canhotos? É natureza, criação ou alguma combinação de ambos?

Phillippe Hujoel, autor do estudo, diz que a teoria mais popular sobre o assunto é que a “lateralização do cérebro”, ou seja, a divisão do cérebro esquerdo e do cérebro direito, influencia na lateralidade: no desenvolvimento inicial do cérebro, um lado assume o controle de destreza, transformando-nos em destros ou canhotos.

O estudo de Hujoel comparou mais de 60.000 crianças para procurar uma conexão entre a lateralidade e o método de alimentação (amamentação ou mamadeira). Ele descobriu que os bebês amamentados por 6 a 9 meses eram mais propensos a serem destros. Isso significa que bebês que tomam mamadeira são mais propensos a serem canhotos do que aqueles que foram amamentados.

Os pesquisadores não podem alegar que a amamentação define que a criança será destra. O estudo também confirma que a criação desempenha um papel significativo. “Muitos estudos forneceram evidências igualmente fortes de que a nutrição ou o ambiente interagem com fatores genéticos”, diz Hujoel à Parents.com. “A gestação curta, por exemplo, aumenta a probabilidade de canhotos. Possivelmente, o aleitamento materno aumenta a lateralização em andamento para o lado direito ou canhoto”.

Quanto ao porquê da amamentação ser tão influente nessa área, o Dr. Hujoel diz que há várias explicações possíveis, incluindo o valor nutricional único do leite materno e as respostas hormonais à experiência do vínculo de mãe e filho.

O estudo também ressalta os benefícios potenciais da amamentação por um período mínimo de 6 a 9 meses. Os resultados mostram que, quando os bebês são amamentados por 3 períodos de tempo (menos de 1 mês, 1 a 6 meses ou mais de 6 meses), a prevalência de canhotos diminui.

No entanto, há um limite: além de 9 meses, o estudo não mostra nenhuma diminuição significativa de canhotos. O estudo tem um foco maior na fascinante conexão entre mães que amamentam e os cérebros de seus bebês.

“Um grande corpo de pesquisa avaliou as associações entre amamentação e o desenvolvimento e função geral do cérebro infantil”, diz o Dr. Hujoel. “O estudo adiciona um pequeno pedaço de evidência para este banco de dados maior, focando especificamente em como a amamentação está associada com a lateralização do cérebro, que é apenas um aspecto do desenvolvimento geral do cérebro infantil”.

Leia também:

Estudo explica porque o chute do bebê é tão importante

Estudo compara nível de estresse de dois tipos de mães e o resultado não é surpresa

Irmãos mais novos ensinam empatia para os mais velhos, defende estudo