Colunistas

Anestesia no parto normal: o que você precisa saber

Mas para evitar problemas, o médico precisa saber o que está fazendo

Pregnant woman in delivery room

O mais importante na hora da anestesia é o anestesista (Foto: Getty Images)

Decidir o tipo de parto é muito difícil, mas a melhor maneira é aquela onde o bebê e mãe ficarão mais seguros. A escolha é da mãe. Mas se o parto for normal, será que é mesmo necessário sentir toda aquela dor?

Primeiramente, é importante que você saiba que parto normal é diferente do parto natural ou humanizado. O normal é o parto via vaginal, que pode ser qualquer uma dessas modalidades, inclusive dentro do hospital.

Além disso, no hospital é possível que a mulher tome a analgesia de parto normal, ou seja, a anestesia. Durante o trabalho de parto, quando as contrações ficam mais intensas e a dilatação aumenta, algumas mulheres optam pelo uso da anestesia para avaliar a dor. Mas isso deve ser uma escolha da mulher! O melhor é que a reação do medicamento é quase que imediato. Imagina o alívio!

É importante ressaltar que o elemento principal para uma anestesia de sucesso é um anestesista bom. O que significa que poucos anestesistas estão preparados o suficiente para fazer esse procedimento. Aliás, uma anestesia mal feita pode piorar o trabalho de parto, parar com as contrações ou deixar a mulher sem o movimento das pernas. Então fique atenta!

Mas na maior parte do Brasil não temos esse recurso disponíveis para todas as mães. Por exemplo, o SUS não tem a opção de dar anestesia para as mulheres que optaram por um parto normal. Uma pena. Da mesma forma, é bom você ter ciência que essa opção é válida, sim.

Para entender melhor sobre o assunto, veja o vídeo:

A intenção da série de vídeos “Gravidez Sem Neura” é mostrar todas as opções que existem na hora do parto para que você tenha informação o suficiente e possa escolher o que você quer fazer.

Leia também:

Atenção, grávidas: as novas regras para parto normal e cesárea começam a valer a partir de hoje!

Por que nenhuma mãe deveria se sentir culpada por fazer uma cesárea

Cesárea a pedido da paciente só poderá ser feita a partir da 39ª semana