Criança

Crianças defendem colega cheerleader com síndrome de down de bullying

O caso aconteceu na Lincoln Middle School em Washington, nos Estados Unidos

Logo-Parents (1)
Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

sindrome de down

*Tradução por Ana Beatriz Gonçalves, filha de Carla e Virgílio

No último ano, 2017, Desiree (Dee) Andrews estava se divertindo com suas colegas cheerleaders em um jogo de basquete na escola. Foi quando Dee, portadora de síndrome de Down, se tornou alvo de comentários maldosos de alguns garotos que estavam no local.

Três jogadores do time de basquete da escola, Miles Rodriguez, Scooter Terrien e Chase Vazquez, notaram o bullying e imediatamente defenderam a colega.

Em depoimento sobre o acontecimento, um dos meninos que jogava em quadra comentou: “Quando eu ouvi o que eles estavam falando sobre ela fiquei fora de mim! Alguns de nós fomos até lá e falamos que eles precisavam parar porque aquilo era muito errado.”

Logo os comentários cruéis chegaram ao fim. “O bullying não é o caminho certo a seguir. Sempre defenda seus amigos e proteja um ao outro”, disse o colega Scooter.

Desde o ano passado, Dee recebeu a honra de ser a cheer titular em todos os jogos. Os estudantes também costumam usar camisetas para celebrá-la e promover a mensagem de inclusão na escola. A jovem ganhou até uma comemoração especial: “De quem é a casa? A casa é de D!” e quando questionada sobre a homenagem, Dee comentou: “É doce, gentil e incrível.”

A menina portadora de síndrome de Down também disse que se inspirou em Beck da série Glee, para se tornar cheerleader.

Leia também:

Primeira professora com Síndrome de Down do Brasil: conheça quem é ela, mesmo!

Síndrome de Down e autismo na mesma casa: isso não é problema, não! 

A importância da fonoaudiologia na Síndrome de Down