Criança

Está em dúvida se matricula seu filho em uma escola bilíngue?

Conversamos com especialistas para entender as vantagens e desvantagens

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

educacaobilingue

Que atire a primeira pedra, o pai ou a mãe que nunca se perguntou: “devo ou não iniciar o meu filho pequeno em outra língua? Será que isso vai ajudá-lo a ter um futuro melhor, ou fará com que ele se confunda e não aprenda nem o português, nem a outra língua?”. Segundo especialistas, a dúvida é comum, mas a resposta para esta pergunta é uma só: aprender duas línguas ao mesmo tempo não traz prejuízo algum. “Diversos estudos ligados à cognição afirmam que aprender duas línguas ao mesmo tempo, no caso das crianças, não só não confunde, como pode ser até benéfico para desenvolver mais conexões neurais ligadas ao aprendizado de idiomas”, explica a educadora Andrea Ramal, consultora em Educação e Doutora em Educação pela PUC-Rio.

Vantagens

Dentre os benefícios, apontados pelos especialistas, da educação bilíngue para as crianças estão o raciocínio mais rápido, a maior flexibilidade para enfrentar desafios de aprendizagem, e a maior abertura para compreender outras culturas. “Ela tende a entender melhor situações que são diferentes da rotina dela, em vez de recusá-las”, argumenta a educadora Roberta Bento, fundadora do SOS Educação.

Por outro lado, completa Andrea, “os pais precisam ficar atentos para que valores de outras culturas sejam bem compreendidos e não interferiam na criação que a família pretende oferecer.”

Quando começar?

De modo geral, o ensino de outra língua pode começar desde o nascimento, como ocorre nos casos de famílias com pais de nacionalidades diferentes. Porém, nada impede que pais brasileiros, que moram no país, oferte uma educação bilíngue aos filhos.

“Hoje em dia, a barreira da língua é muito menor do que alguns anos atrás. Não importa se a família tem ou não a possibilidade de viajar para fora do país, a formação de vocabulário, por exemplo, é baseada na quantidade de estímulos que a criança recebe. É interessante ter livros na outra língua, que ela tenha acesso a vídeos na outra língua… Enfim, dar oportunidades de contato com a língua, além da escola”, ressalta Roberta, que lembra ainda que a educação bilíngue também não se restringe à matrícula em uma escola bilíngue, ou internacional, mas que um bom curso de idiomas, desde que a criança seja matriculada cedo (por volta dos 3 anos) também traz excelentes resultados.

Paciência

Para que o aprendizado de uma nova língua seja, de fato, bem sucedida, além do início nos primeiros anos de vida, é preciso outro ingrediente: paciência. Muitas vezes, os pais precisam controlar a ansiedade para não cobrar demais e acabar frustrando a criança.

“Os devem demonstrar expectativa positiva. Elogiar as pequenas conquistas. Observar se o filho está usando o que aprendeu na rotina da casa, sem que alguém tenha pedido, é uma boa pista para mostrar que tudo está indo bem”, diz Roberta. Portanto, fica a dica!

Por Gladys Magalhães 

Leia também:

3 erros de disciplina que todas as mães cometem

7 erros de disciplina que todos os pais e mães cometem

Qual é a idade certa para começar com a disciplina?

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não