Criança

Papa volta a falar sobre polêmica e compara abuso sexual infantil a sacrifício de humanos

Francisco discursou para 190 lideranças da Igreja Católica de diversos países para discutir como lidar com padres que abusam de crianças

Izabel Gimenez

Izabel Gimenez ,filha de Laura e Décio

Ele discursou para mais de 190 lideranças da Igreja Católica (Foto: Getty Images)

No último domingo (24), ocorreu o encerramento da reunião sobre abuso sexual de crianças por clérigos da igreja católica. O Papa Francisco chegou a comparar o abuso infantil com as práticas de sacrifícios humanos que aconteciam no passado. No encontro histórico estavam 190 lideranças da Igreja Católica de diferentes países.

O Pontífice aproveitou para dizer sobre uma intenção de criar um documento para ajudar bispos a lidar com situações parecidas: “Reforçar a prevenção e a luta contra os abusos no Vaticano”. Não é segredo que a Igreja vem sofrendo muita pressão em relação a esse assunto nos últimos anos. Em 2018, todos os bispos chilenos renunciaram ao cargo depois de um escândalo de abusos.

“Gostaria de reafirmar com clareza: se na Igreja for descoberto um só caso de abuso – que em si mesmo já representa uma monstruosidade -, este caso será enfrentado com a máxima seriedade“, reafirmou Francisco. Os abusadores foram chamados de instrumento de satanás pelo Papa.
Os casos acobertados por lideranças da Igreja também foram pauta da reunião. O Arcebispo de Malta comentou: “Por décadas, temos nos concentrado em crimes – insistentes -, mas agora chegamos à conclusão que o acobertamento é do mesmo modo ultrajante”. O Cardeal alemão Reinhard Marx admitiu ter destruído os documentos sobre abusadores: “Os arquivos que documentaram esses atos terríveis e indicam os nomes dos responsáveis foram destruídos”.

Leia Também:

Papa Francisco faz discurso emocionante sobre amamentar os filhos dentro da Igreja

Padre é afastado da igreja após quase afogar criança de 2 anos em batismo e vídeo choca

Papa Francisco faz comentário polêmico sobre padres pedófilos e estamos aplaudindo de pé