Criança

Seu filho anda na ponta do pé? Descubra o que pode ser

Andar idiopático afeta de 5 a 12% das crianças

Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

(Foto: iStock)

Andar idiopático afeta de 5 a 12% das crianças (Foto: iStock)

Quando as crianças estão aprendendo a andar, muitas passam algum tempo andando na ponta dos pés. Isso acontece porque o bebê ainda não está acostumado com o movimento, mas conforme a caminhada é aperfeiçoada, ele começa a andar com os pés inteiros no chão.

A maioria das crianças costumam conseguir andar com o pé inteiro no chão a partir dos 3 anos, mas algumas encontram dificuldade nesse processo. Se esse é o caso do seu filho, verifique o que pode estar acontecendo com um profissional.

Causas

Essa forma de andar pode ser classificada em quatro grupos. Algumas condições neurológicas, como a paralisia cerebral ou a distrofia muscular, fazem com que o músculo da panturrilha fique mais apertado ou mude a maneira como ele funciona. Isso torna difícil ou impossível para a criança colocar os calcanhares no chão.

Existem também condições ortopédicas, como o equinovaro congênito, também conhecido como pé torto, ou a apofisite do calcâneo, inflamação da placa de crescimento no calcanhar, que causam essa mudança nos pés ou pernas. Com isso, encostar o calcanhar no chão torna-se impossível ou até mesmo doloroso.

No entanto, algumas crianças que conseguem colocar o pé inteiro no chão preferem andar na ponta dos pés. Esse grupo também possui outras características comportamentais, como atrasos no desenvolvimento. Pode estar associado com transtornos autistas.

Depois, há crianças 100% saudáveis que persistem em andar na ponta dos pés. Isso é conhecido como andar idiopático, afeta 5 a 12% das crianças sem nenhuma condição e é diagnosticado com a exclusão de todas os outros tipos citados acima. A caminhada idiopática é a presunção de que a criança simplesmente criou o hábito de andar na ponta dos pés.

Pode haver também uma causa genética. Em alguns estudos, as crianças com andar idiopático também mostraram atrasos na fala, na linguagem e desafios com habilidades motoras e processamento sensorial, como dificuldade de equilíbrio e busca de movimento.

A observação mais comum em idiopáticos é a dos músculos da panturrilha. Isso pode dificultar ainda mais e causar dor quando as crianças estão tentando praticar esportes. Como você pode imaginar, elas podem ser prejudicadas por andar de maneira diferente.

Tratamento

Não existe só uma maneira de tratar. Cada caso é um caso! Muitas vezes o tempo é o maior fixador, pois as crianças ficam mais pesadas e, consequentemente, tendem a colocar todo o pé no chão. No entanto, como muitas delas, idiopáticas, também têm músculos da panturrilha apertados, alguns profissionais de saúde recomendam o tratamento focado em tornar esses músculos mais longos. A tensão nos músculos da panturrilha em adultos é conhecida por causar tropeços, quedas e dores nos pés e nas pernas.

Para a maioria dos casos o tratamento pode ser dividido em dois tipos: conservador, que inclui alongamentos, calçados pesados, ortopedia de corpo inteiro, órteses de tornozelo, vibração de corpo inteiro, vinil, carpete ou piso de cascalho, moldes de gesso para alongar os músculos da panturrilha e injeções de botox nos músculos da panturrilha e o cirúrgico, que concentra-se principalmente no alongamento do tendão de Aquiles.

Ter múltiplas opções de tratamento com sucesso variado dificulta a escolha dos pais em qual é a melhor opção, além de também ser um desafio para os médicos encontrarem o melhor método.

Mas calma, não ache que seu filho possa ter todas essas coisas antes de consultar um médico ortopedista. Ele saberá fazer o diagnóstico preciso e, se necessário, indicar o próximo passo para o tratamento.

Leia também:

Não estamos sabendo lidar! Karina Bacchi mostra primeiros passos de Enrico

Primeiros passos: um guia para ajudar seu filho a aprender a andar

Primeiros passos: pais filmam bebê aprendendo a andar

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não