7 dicas para ensinar seu filho a ser uma criança mais gentil

Você tenta, diz, faz, mas nem sempre é possível fazer com que a disciplina e a gentileza andem de mãos dadas na hora de educar seu filho. Aqui vão algumas opções para fazer isso

Resumo da Notícia

  • Educar os filhos não é uma tarefa simples
  • Aqui vão algumas dicas para garantir que seus ensinamentos fixem na cabeça deles
  • Veja 7 dicas para ajudar seu filho

Você tenta, diz, faz, mas nem sempre é possível fazer com que a disciplina e a gentileza andem de mãos dadas na hora de educar seu filho. Para ser eficaz, a gente já adianta que o planejamento é indispensável! Alguns especialistas deram dicas de como você pode fazer isso sem ficar com os cabelos em pé, olha só:

-Publicidade-
Eles falaram sobre a relação entre pais e filhos (Foto: Getty Images)

Defina expectativas claras

Não se trata tanto de determinar regras básicas, mas de criar vínculos que estabeleçam a bondade como uma parte inegociável na rotina da família. “Fale sobre o que você defende”, diz Michele Borba, Ed.D., autora de Unselfie: Por que as crianças empáticas têm sucesso em nosso mundo.

Reforce esses valores

Procure oportunidades para discutir esses valores – apontando cenários que surgem em filmes, livros e na vida real – para que seus filhos desenvolvam um conceito do que é considerado bom. Se um personagem de desenho machuca outro, fale sobre as implicações e porque isso não é aceitável (as crianças podem não gostar muito da interrupção, mas certamente vão te ouvir). Certifique-se de praticar o que você prega: se você diz que gritar não é legal, tente não fazer isso na prática, assim as crianças irão aprender e se inspirar muito em você!

-Publicidade-

Combata as infrações

Com uma base sólida, você está preparado para corrigir erros. Quer seu filho maltrate você, um irmão, um colega ou o animal de estimação da família, trate o comportamento de forma rápida e definitiva. “Use uma declaração forte, firme e sem gritos, que explique o que deu errado”, explica o Dr. Borba. “Diga: ‘Isso foi cruel. Você acabou de puxar o cabelo do seu amigo. Como você acha que ela se sente? Como você se sentiria se isso acontecesse com você? ‘”.

Mostre a empatia

Mesmo quando as crianças amadurecem e os atos rudes se tornam mais verbais e menos físicos, explicar que eles machucaram alguém ainda é a melhoropção. “A maioria das crianças não se propõe a causar danos”, diz J. Kiley Hamlin, Ph.D., professor de psicologia da Universidade de British Columbia, que estuda o comportamento infantil. “Se eles são capazes de entender o que estão fazendo com a outra pessoa, o prejuízo se torna maior do que o benefício para eles”.

Ajude-os a fazer as pazes

Fazer as pazes (Foto: Getty Images)

Não basta reconhecer o erro, mas sim saber como corrigi-lo. “As crianças precisam aprender que quando fazem algo errado, precisam lidar com as consequências e fazer algo para recompensar”, diz o Dr. Lickona. “Primeiro, eles devem se desculpar e depois perguntar: ‘O que posso fazer para melhorar?’”. Você pode ajudar dando ideias e sugestões – talvez eles acabem escrevendo um cartão de desculpas ou usem o dinheiro da mesada para substituir uma peça quebrada do brinquedo, mas muitas vezes eles próprios saberão o que fazer. Em alguns casos, pode ser suficiente sugerir uma nova tentativa: “Você pode tentar fazer isso novamente, mas agora de uma forma mais gentil e respeitosa?”.

Entendendo as consequências

Dependendo da gravidade do incidente, uma punição adicional pode ser necessária para causar uma impressão duradoura. Evite o impulso de aproveitar o que quer que seja mais fácil, como tempo na tela ou sobremesa, em favor de uma resposta personalizada. Se o irmão mais velho empurrou o irmão mais novo de uma bicicleta, por exemplo, então ele pode ter as próprias rodas retiradas; proibir videogames simplesmente não faz sentido como castigo para o que ele aprontou. É a clássica abordagem “faça a punição se ajustar ao crime”, e funciona. “A consequência deve ser relevante tanto no tipo quanto na força”, adverte o Dr. Hamlin. “Se for injusto, aleatório ou desnecessariamente punitivo, pode sair pela culatra”.

Mostre sempre que eles são gentis

Não importa o que aconteça, continue reiterando como seus filhos são bondosos, mesmo nos momentos mais sombrios; a mensagem vai fixar em algum momento. “Diga a eles: ‘você é uma pessoa gentil, e isso não foi gentil’”, aconselha Dr. Borba. “No final das contas, as crianças vão agir da maneira que se veem”.

-Publicidade-