Instituto Lado a Lado pela Vida lança nova campanha de conscientização contra o HPV com apoio da Pais&Filhos

O vírus é o causador de diversos tipos de câncer, entre eles o de colo do útero, responsável pela morte de mais de 9 mil brasileiras anualmente

Resumo da Notícia

  • O HPV é o vírus causador de diversos tipos de câncer
  • O Instituto Lado a Lado pela Vida promove uma campanha de conscientização com apoio Pais&Filhos
  • O câncer do colo de útero é responsável pela morte de 9 mil brasileiras anualmente

O HPV (sigla em inglês para Papilomavírus Humano) é o vírus causador de diversos tipos de câncer, entre eles o de colo do útero, que anualmente é o responsável pela morte de mais de 9 mil brasileiras. A campanha do Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL) leva a conscientização sobre a importância da vacina contra o HPV que não só já existe, como está disponível gratuitamente na rede pública, para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos.

-Publicidade-
A única forma de prevenção adequada é a vacina
A única forma de prevenção adequada é a vacina (Foto: ThinkStock)

“A população sempre esteve ávida pela descoberta de uma vacina contra o câncer e não se atenta que já existe uma para vários tipos de tumor e, além de tudo, é oferecida gratuitamente pelo nosso Programa Nacional de Imunização (PNI). A vacina HPV é capaz de proteger contra várias doenças causadas pelo vírus, como verrugas genitais, câncer de vulva e vagina, de pênis, ânus, orofaringe e boca”, destaca Marlene Oliveira, presidente do LAL. Fundado em 2008, o instituto é uma organização social brasileira que tem como missão mobilizar e engajar a sociedade para ampliar o acesso aos serviços de prevenção e tratamento de câncer, e mudar o cenário da saúde no Brasil.

De acordo com o Global Cancer Observatory, da Organização Mundial da Saúde (OMS), anualmente são diagnosticados mais de 17 mil casos de câncer de colo do útero no Brasil, que causam mais de 9 mil mortes, sendo a maioria delas, de mulheres na faixa etária dos 50 anos, que desenvolvem a doença por não terem tido a oportunidade de receber a vacina. Dados do Ministério da Saúde indicam que, em 2020, a primeira dose da vacina HPV, foi aplicada em cerca de 70% das meninas de 9 a 14 anos e em pouco mais de 40% dos meninos de 11 a 14 anos. Na segunda dose, os índices foram de aproximadamente 40% e 30%, respectivamente.

O câncer de colo de útero é responsável pela morte de 9 mil brasileiras anualmente
O câncer de colo de útero é responsável pela morte de 9 mil brasileiras anualmente (Foto: Getty Images)

Em parceria a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), revista Pais & Filhos e Instituto Palavra Aberta, o LAL promoveu a campanha “Câncer por HPV: o Brasil pode ficar sem”, incentivando adolescentes e suas famílias a aderirem à imunização contra o HPV.

Evento online

Como parte desta nova campanha, o LAL realiza no dia 9 de dezembro, o “Simpósio Nacional Câncer por HPV: o Brasil pode ficar sem”, que será online, com a participação de especialistas do Brasil e do exterior. O evento será conduzido pela presidente da instituição, Marlene Oliveira, e terá mediação da jornalista especialista em temas de família, Andressa Simonini, editora-executiva da revista Pais & Filhos e filha de Branca Helena e Igor.

Entre eles estarão presentes o Juarez Cunha, presidente da SBIm; Renato Kfouri, presidente do Departamento de Imunizações da SBP e diretor da SBIm; Patricia Blanco, presidente do Instituto Palavra Aberta; e François Uwinkindi, médico epidemiologista, que atuou na coordenação do bem-sucedido programa de imunização de meninas em Ruanda, na África.

Cristo Redentor

No dia 10 de dezembro, o Instituto ainda promove, em parceria com o Santuário Cristo Redentor, a iluminação do monumento, no Rio de Janeiro, para marcar o início das ações e divulgar a proposta de criação do Dia Nacional de Luta Contra o HPV. “Com essa iniciativa, buscamos alertar os adolescentes e seus familiares sobre a necessidade da imunização, para que possamos reduzir drasticamente no Brasil a incidência dos cânceres causados por HPV, em especial o câncer de colo do útero. A ampla cobertura vacinal é fundamental para mudar o cenário da doença no país”, aponta Marlene. A campanha pretende engajar os pais e responsáveis, e esclarecer que a vacina deve ser aplicada o mais cedo possível, a partir dos 9 anos de idade.

“Países que conquistaram altas coberturas vacinais entre os adolescentes, registram queda na incidência de câncer de colo do útero. Na Inglaterra, já foi verificada uma redução de 87% dos casos, sobretudo em mulheres vacinadas na adolescência. A vacina HPV é comprovadamente segura e eficaz na prevenção das infecções pelo papilomavírus humano, das verrugas genitais às lesões precursoras dos cânceres associados a esse vírus”, afirma Juarez Cunha.

Renato Kfouri acrescenta que “a vacinação contra o HPV é a medida mais efetiva no combate ao câncer do colo do útero”. O médico também destaca que a SBP recomenda enfaticamente a vacinação de todos os adolescentes. “A probabilidade de infecção por HPV em algum momento da vida é de 91,3% para homens e 84,6% para mulheres. Mais de 80% das pessoas de ambos os sexos contraem o vírus, antes dos 45 anos de idade. Portanto, vacinar é de grande importância”, defende.