Não é impressão! O verão pode afetar o seu humor e a explicação é científica

Na estação mais quente do ano, a exposição à luz solar pode provocar mudanças químicas que aumentam a felicidade e sensação de bem-estar em todo mundo

Resumo da Notícia

  • O verão realmente tem o poder de afetar o nosso humor
  • A explicação é científica: a presença do sol
  • Saiba como ele pode afetar o corpo e nossa percepção diária

Você é daqueles que espera o ano todo pelo verão? Que tem prazer em acordar de manhã, abrir a janela e ver o sol brilhando do lado de fora? Saiba que esse sentimento não é por acaso, e ele tem
explicação científica. De acordo com estudos realizados em diferentes países, a luz solar é capaz de estimular a produção de serotonina, um neurotransmissor responsável por regular o humor.

-Publicidade-
Verão, sol e… Felicidade. É isso mesmo, a ciência mostra que os raios solares afetam o nosso humor (Foto: iStock)

Gisela Soutto Mayor Pellegrini Wever, psicóloga e neuropsicóloga, colunista da Pais&Filhos, mãe de Giancarlo e Lorenzo, boadrasta do Mathias e do Alexandre, esclarece: “A exposição ao sol é a principal forma de produção de vitamina D pelo corpo, que é essencial de várias maneiras para o organismo, ela estimula a transformação da melatonina, hormônio produzido durante o sono, em serotonina, responsável pela sensação de felicidade e bem-estar, além de regular o sono; ele também aumenta a produção de endorfina pelo cérebro, substância antidepressiva natural, que promove a sensação de bem-estar e aumenta os níveis de alegria”.

Gisela explica que a serotonina também impacta em outros aspectos fisiológicos, como regulação da temperatura corporal, emoções, apetite e ritmo cardíaco. Assim, não é difícil entender que o verão pode, sim, trazer uma sensação de alegria maior quando comparado a outras estações do ano, mais frias e cinzas.

E os benefícios não são apenas sentidos no corpo, Dra. Gisela afirma: “Diversos estudos apontam que a saúde emocional está profundamente ligada com o bem-estar físico, ou seja, pessoas felizes ficam menos doentes e se sentem mais saudáveis do que aquelas que nutrem emoções negativas”.

Brasil 40 graus

Dessa forma, o que foi apontado em 2003 pela revista científica New Scientist pontuando que o sol é motivo de felicidade continua sendo objeto de estudo e reafirmado por especialistas. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues, neurocientista e mestre psicanalista, pai de Gabriela e Nicolau, justifica: “É importante observar que uma das razões de nos tornarmos mais felizes nessa época do ano é que somos inundados por mensageiros químicos que trazem sensação de bem-estar. A grande responsável por isso é a luz solar”.

Ele ainda comenta que os primeiros raios solares da manhã ativam a produção de cortisol, hormônio que desperta e traz energia. Já ao final do dia, o nível de cortisol cai, liberando a melatonina, capaz de criar as condições ideais para o sono. “Quando esse sistema funciona em harmonia, isso afeta a produção de outros hormônios, favorece o combate aos radicais livres e a regeneração dos tecidos, impactando o humor e a saúde”, garante.

O contato do corpo humano com o sol provoca diversas mudanças químicas. Os raios, por exemplo, são essenciais para a produção de vitamina D. Vanessa Abdo, doutora em psicologia e CEO do Mamis na Madrugada, mãe de Laura e Rafael, diz: “A gente tem diversos estudos que demonstram a associação da vitamina D aos níveis de depressão. Quanto mais baixa a vitamina D maior o índice de depressão”.

A carência deste hormônio pode gerar complicações de saúde, uma vez que ajuda no fortalecimento dos ossos. Porém, uma questão precisa ficar clara aqui: o meio ambiente pode colaborar com a felicidade, mas não é determinante. Em outras palavras, não podemos jogar essa carga para ele e nos ausentar de buscar essa felicidade. É fundamental que você e sua família façam algo por vocês, juntos ou separados, para terem momentos de prazer e alegria.

“A felicidade é construída dia após dia nas pequenas coisas da vida, e pode ser aprendida desde cedo. A criança, ao observar a mãe saindo feliz e satisfeita de um bom banho, por exemplo, aprenderá que a felicidade está mais perto e fácil de ser alcançada. O sentimento de se ter perto alguém que se ama, a família, sentir-se bem, vai promover o bem-estar e consequentemente felicidade”, defende Gisela. Isso fica ainda mais evidente com o levantamento da ONU 2021, em que o Brasil aparece em 41o lugar entre os países mais felizes do mundo, uma queda de 12 posições do estudo anterior – resultado diretamente relacionado com o impacto da pandemia. Por isso, não basta contar que por ser um país tropical, estamos seguros.

Viver faz bem

Vanessa alerta: “Em geral, a felicidade está associada ao equilíbrio e harmonia. Só que nós estamos vivendo uma fase em que o prazer é muito instantâneo e imediato, e assim acaba se tornando efêmero. Não é a busca pela felicidade, mas pelo prazer. O tempo todo procuramos viver uma vida Instagramável, uma vida postável, quando na verdade nem é sobre isso. Muitas vezes a felicidade é a nossa capacidade de acomodar as nossas frustrações”.

Os dias de sol podem, sim, te deixar mais alegre por uma questão biológica
Os dias de sol podem, sim, te deixar mais alegre por uma questão biológica (Foto: iStock)

Fabiano completa: “Eu sempre digo que a felicidade são oscilações e que o melhor é o equilíbrio, a plenitude, pois mediante a homeostase, temos mais e maiores picos de felicidade”. Para ele, é fundamental que também façamos o nosso papel. “Há diversos estudos que apontam que o exercício físico pode aumentar a liberação de endorfina, serotonina e outros neurotransmissores em até dez vezes. Meditar é outra prática aliada da produção da substância, assim como passar um tempo de qualidade com as pessoas que ama e dar boas risadas com elas. A alimentação adequada também. Assim como a neuroplasticidade, através de leitura, mudança de hábitos, contato com a natureza. Tudo isso ajuda no equilíbrio para mais picos de felicidade”.

O neurocientista reforça que todo mundo, desde bebês, crianças, adultos, até os idosos, ganham com a exposição à luz solar. Gisela acrescenta: “Os mais novos são beneficiados de várias formas como auxílio no crescimento, fortalecendo os ossos e articulações com o aumento de vitamina D; a exposição ao sol moderada e nos horários corretos, ajuda a regular o sistema imune, dificultando o aparecimento de infecções, como também combatendo as doenças da pele relacionadas à imunidade”. E a época da infância, como a Pais&Filhos sempre destaca, tem impacto na vida toda do indivíduo.

Sem vergonha de ser feliz

A fama de povo feliz dos brasileiros, para Vanessa, tem, sim, relação com a posição geográfica do país e o litoral extenso que possui: “A gente tem muita brincadeira outdoor. A gente é feliz com uma bola, é feliz brincando de pega-pega, é feliz subindo numa árvore. Então é uma infância vivida muito externamente, a gente tem muita exposição ao sol”, e inclui: “Então mesmo quando estamos trabalhando em um dia de sol, isso ativa nossas memórias de infância de momentos felizes que a gente teve com o sol”.

Portanto, é verdade que tanto o nosso corpo quanto a mente são transformados no verão. Os raios são capazes de alterar a nossa disposição e energia, fornecendo também uma sensação de prazer. “Gosto de dizer que a gente [brasileiros] tem uma teimosia para ser feliz. E essa felicidade está relacionada à exposição solar e também à forma como a gente lida com essas atividades externas. A gente precisa criar memórias felizes com os nossos filhos e o ar livre é um facilitador de todo esse processo”, finaliza Vanessa.