Descolamento prematuro de placenta: o que é, por que acontece, riscos e como identificar

Apesar da condição ser bastante rara na gravidez, é preciso ficar de olho quanto ao descolamento prematuro de placenta, que é uma das principais emergências obstétricas na reta final da gestação

Resumo da Notícia

  • O descolamento prematuro de placenta é bastante grave, mas é uma emergência rara na gravidez
  • A situação pode acontecer de maneira parcial, quando apenas uma parte fica solta, ou total
  • O problema acontece ao final da gravidez, e vem acompanhado por sangramento intenso e dor

O Descolamento Prematuro de Placenta (DPP) é uma situação bastante grave na gestação, apesar de ser rara. Mas, é importante reforçar ainda que ela é bem diferente dos sangramentos que podem ocorrer no início da gravidez, chamados de hemorragia do primeiro trimestre, ou descolamento ovular. A placenta termina, de fato, se desenvolver por volta das 16 semanas, ou seja, antes disso não existe uma formação completa.

-Publicidade-

De acordo com o ginecologista e obstetra, Dr Igor Padovesi, pai de Beatriz e Guilherme, e colunista da Pais&Filhos, o DPP acontece, mais ou menos, em uma a cada mil gestações. Por isso, esclarecemos as principais dúvidas sobre o assunto e o que precisa ser feito caso a condição aconteça.

O que é Descolamento Prematuro de Placenta?

O Descolamento Prematuro de Placenta é quando o órgão se descola da parede uterina, podendo trazer diversos riscos para o bebê. “A placenta fica grudada no útero da mulher e, nessa superfície em que está aderida, é onde acontecem as trocas de oxigênio e nutrientes”, explica o médico. Geralmente, quando uma parte da placenta se descola, pode haver um acúmulo de sangue entre ela e o útero. Vale lembrar ainda que o fator ocorre no terceiro trimestre da gravidez.

O descolamento prematuro de placenta é raro, mas pode trazer riscos para o bebê (Foto: Shutterstock)

Principais funções da placenta

  • Fornecer nutrientes e oxigênio para o bebê
  • Estimular a produção de hormônios essenciais para a gestação
  • Proteger o bebê contra impactos na barriga da mãe
  • Fornecer proteção imunológica ao bebê
  • Eliminar resíduos produzidos pelo bebê, como a urina

Como a placenta é formada?

É formada por células tanto do útero quanto do bebê. O crescimento da placenta é rápido e por volta das 16 semanas de gestação, tem o mesmo tamanho que o feto. No final da gravidez, o bebê já está cerca de 6 vezes mais pesado que a placenta. A placenta é eliminada no momento do parto, seja cesárea ou natural. Durante o parto normal, a placenta sai espontaneamente após 4 a 5 contrações uterinas, que são bem menos dolorosas que as contrações uterinas que acontecem durante a saída do bebê.

Como saber se a placenta descolou

O obstetra explica que quase sempre há um sangramento e ele se exterioriza em uma cor bastante viva. Além disso, é possível que a grávida sinta dor pélvica e uma sensação do útero contraído. “É uma das únicas emergências obstétricas que falamos para a mulher correr para o hospital mais perto e fazer o parto imediatamente”, alerta.

“Quando palpamos o útero da grávida, percebemos que ele está duro e ele não relaxa. Isso é bastante sugestivo do descolamento”, explica Igor Padovesi. Infelizmente, não é possível identificar o problema com antecedência, pois ele costuma ser uma ocorrência ocasional e que precisa de cuidados médicos imediatamente.

É possível prevenir o descolamento de placenta?

Não é possível prevenir o descolamento de placenta, mas se a grávida tiver algum tipo de predisposição para que o fator aconteça, deve-se observar de perto. “Doenças hipertensivas, a pré-eclâmpsia e a eclampsia, são mais associadas a isso. Alguns outros distúrbios relacionados a coagulação, por exemplo, trombofilias e síndromes antifosfolípide, também são fatores ligados ao descolamento de placenta”.

Por que o descolamento prematuro de placenta acontece?

Não se sabe ao certo o motivo da situação acontecer, mas os fatores de pré-eclâmpia, eclâmpsia, trombofilias, síndromes antifosfolípide, assim como doenças hipertensivas no geral e problemas de coagulação, podem contribuir. Mas, vale lembrar que nenhuma das situações são determinantes para o descolamento prematuro de placenta, pois é uma condição rara.

Diagnóstico de descolamento de placenta

É importante reforçar que o diagnóstico para detectar a condição não depende de exames de imagem, pois é uma situação emergencial em que é preciso agir imediatamente. Assim que a grávida chegar ao hospital com os sintomas de descolamento de placenta, independente da idade gestacional, é necessário fazer o parto naquele momento.

(Foto: Getty Images)

Na reta final da gravidez, é comum que a mulher tenha um sangramento leve e mais escuro, que não deve ser visto como um alerta. No caso do descolamento de placenta, há uma hemorragia intensa, na cor vermelho vivo, que vem acompanhada de dor pélvica e contração do útero.

Riscos do descolamento de placenta

Os riscos em situações como essa são bastante graves, principalmente para o bebê. Se houver descolamento de placenta, o bebê precisa nascer prematuro, pois há uma taxa enorme de óbito fetal intraútero “se não der para fazer o parto em tempo”, segundo o médico obstetra. Mas, apesar de ser um fator bastante considerável, Igor Padovesi tranquiliza e reforça que a situação é muito rara de acontecer.

Quais os possíveis destinos da placenta após o parto?

A placenta é tratada, em muitos lugares, como lixo hospitalar e descartada depois do nascimento do bebê, quando é expelida. Com tantos tabus em torno desse órgão que se desenvolve apenas durante a gravidez — a placenta possui início, meio e fim — é comum que as mulheres tenham dúvidas e até mesmo estranhamento ao ouvirem falar sobre placentofagia, o ato de comer a placenta após o nascimento, comum entre os demais mamíferos. E cada vez mais famílias decidem escolher outro fim ao órgão que nutriu o seu bebê durante a gravidez.

Fonte: Dr Igor Padovesi, Ginecologista e Obstetra da USP e do Hosp. Albert Einstein, colunista e embaixador da Pais&Filhos, e pai de Beatriz e Guilherme. www.igorpadovesi.com.br