;
Família

Estudo comprova que o sono dos pais só volta ao normal após 6 anos do nascimento do filho

A Pesquisa da Universidade de Warwick, do Reino Unido, também mostra que as mães perdem mais minutos de sono que os pais

Izabel Gimenez

Izabel Gimenez ,filha de Laura e Décio

O estudo foi feito no Reino Unido (Foto: Getty Images)

A gente sabe que os pais tendem a dormir (muito!) menos depois que os filhos nascem, principalmente nos três primeiros meses de vida. E prova disso é um estudo da Universidade de Warwick, no Reino Unido, sobre o sono dos pais nos primeiros seis anos das crianças. Entre 2008 e 2015, o doutor Sakari Lemola acompanhou 2.541 mulheres e 2.118 homens da Alemanha que estavam esperando seu primeiro, segundo ou terceiro filho.

O estudo quantificou o efeito de ser pai nos minutos de sono. Os participantes da pesquisa foram acompanhados por 6 anos e precisavam responder quantas horas dormiram anualmente e dar uma nota até 10 para a qualidade da noite dormida.

Pais x mães

A pesquisa comprovou que as mulheres são as mais afetadas. Elas dormem cerca de 40 minutos a menos a cada noite de sono no primeiro ano de vida da criança em relação ao período anterior à gravidez. Em relação ao primeiro trimestre do bebê, elas tiveram até uma hora de sono a menos. As mães de primeira viagem chegam ter uma queda de 1,7 pontos na qualidade do sono, quando a mãe já tem mais de um filho, essa nota fica perto de 1.

Os homens, segundo estudo, perdem em média, 13 minutos de sono. Esse número não varia em relação à uma idade específica ou ao longo da vida da criança. A pesquisa ainda mostra que o sono dos pais é realmente mais afetado no primeiro trimestre, mas só se normaliza após o sexto ano de vida dos filhos.

Sakari Lemola, co-autor da pesquisa disse ao jornal inglês The Guardian:

“Não esperávamos esse resultado, mas acreditamos que haja muitas mudanças nas responsabilidades dos pais (nesse período)”, disse Sakari, em entrevista ao jornal inglês The Guardian.Além disso, ele reforçouque por mais que as crianças parem de chorar, elas ainda podem acordar durante à noite por conta de possíveis pesadelos ou até mesmo por alguma doença ou mal-estar.

Os pais também podem perder o sono por conta do medo e das responsabilidades que a maternidade e paternidade que podem despertar nas pessoas. A amamentação também pode afetar a qualidade do sono, mas questões como idade ou renda pouco afetam a noite dormida.

Leia também: 

9 dicas que valem ouro para colocar o sono do bebê em dia

A importância de um ritual do sono para o bebê

Melatonina: boas horas de sono melhoram a fertilidade