Mãe assiste cirurgia intrauterina rara capaz de salvar a vida do filho por uma televisão

Emily Smith contou em entrevista que assistiu todo o procedimento sendo feito e que foi um milagre na vida do filho, que tinha pouca expectativa de vida

Resumo da Notícia

  • Emily Smith presenciou um verdadeiro milagre na vida do filho, Henry, antes mesmo dele nascer
  • Em Londres, no ano passado, o cirurgião Kypros Nicolaides submeteu a mãe grávida de 27 semanas a uma cirurgia no filho - que seria feita com o menino ainda no útero
  • Emily conta que foi introduzido na traqueia do filho um balão, que garantiria o desenvolvimento completo dos pulmões debilitados do feto
  • O procedimento foi um sucesso e foi contado na série do Netflix The Surgeon’s Cut

Um milagre da medicina! É assim que a britânica Emily Smith, de 32 anos, verá para sempre a vida do filho caçula Henry, agora com 1 ano e 3 meses. Isso porque, quando estava na vigésima sétima semana de gestação do menino, a mãe presenciou uma cirurgia realizada no filho – enquanto ele ainda estava em sua barriga.

-Publicidade-

Henry estava com a formação dos pulmões debilitadas – e, por causa disso, a família já havia sido avisada sobre a baixa expectativa de vida da criança. Contudo, o cirurgião e professor Kypros Nicolaides decidiu submetê-lo a um novo e raro processo cirúrgico: foi inserida na traqueia do feto um balão, que preenchia o buraco do diafragma do menino e garantia o desenvolvimento saudável de todos os órgãos de Henry ainda no útero.

A cirurgia foi realizada dentro da barriga da mãe (Foto: Reprodução/ Netflix)

Sobre a experiência, Emily contou em entrevista ao portal britânico Mirror que assistiu em detalhes a cirurgia do filho em uma televisão. “Foi como se eu estivesse assistindo a um filme que não tivesse nada a ver comigo. Até hoje choro quando penso que tudo poderia ter sido tão diferente. Até depois da cirurgia , ainda não tínhamos a certeza de que ele sobreviveria. A condição de Henry era muito severa – e chegamos até a pesquisar preços de funeral para crianças. Os médicos nos contaram que suas chances eram de 5%”.

O procedimento é raro e, até o momento, havia sido feito em apenas 130 bebês. Contudo, o sucesso da cirurgia foi tanto que ela foi contada em um premiado show da Netflix chamado The Surgeon’s Cut – em tradução livre, O Corte do Cirurgião. O seriado conta a história de quatro renomados médicos ao redor do globo.

O diagnóstico

Henry foi diagnosticado com um severo buraco no diafragma. A condição faz com que órgãos como pulmão, fígado, estômago e intestino sejam “empurrados” para a região do peito da criança – prejudicando assim funções respiratórias. Por causa disso, os médicos logo avisaram Emily sobre a dificuldade da criança sobreviver.

Contudo, foi por causa da rara cirurgia realizada no menino que suas chances de sobrevivência mais que dobraram – e as esperanças da família também. Pesquisador e médicos ainda esperam que o procedimento possa ser realizado no mundo todo, e seja capaz de salvar mais de 300 crianças diagnosticadas com condições semelhantes no Reino Unido. Apenas um terço dos doentes conseguem sobreviver.

Apenas um terço das crianças com essas condições consegue sobreviver (Foto: Getty Images)

O recomendado até então é a extração de líquido da traqueia – que fornece risco de aborto espontâneo às gestantes. Por isso, Emily e o marido estavam sem esperanças com relação ao futuro do filho caçula. “Eu estava com medo. Foi então que o doutor sugeriu um novo tipo de cirurgia que seria capaz de salvar o meu filho – e eu soube que era sério”, desabafou.

O balão inserido na traqueia do bebê é capaz de impedir o vazamento de fluídos e consequente deslocamento dos outros órgãos – no caso de Henry, para a região pulmonar. Por causa disso, foi tão importante para manter o desenvolvimento saudável do menino ainda dentro da barriga da mãe.

Finalmente em casa!

Emily Smith fez a cirurgia de emergência grávida de 27 semanas. Com 34 semanas de gestação, sua bolsa estourou – mas a mãe não entrou em trabalho de parto. “Eu estava apavorada dele não resistir”, relembrou. “Foi tudo rápido demais: em uma hora e meia de cirurgia, Henry nasceu”.

O menino veio ao mundo com a ajuda de 15 médicos no dia 14 de março de 2020. “Estávamos temendo pela vida de Henry desde que ele nasceu. Fomos dormir apavorados com a ideia de que acordaríamos no dia seguinte com a notícia de que nosso filho não tinha resistido”, declarou.

Henry nasceu dia 14 de março de 2020 34 semanas prematuro (Foto: Reprodução/ Netflix)

Depois do parto prematuro, Henry passou quatro semanas encubado e ainda passou por duas cirurgias de emergência. Contudo, teve alta e o balão retirado da traqueia no Hospital Evelina para Crianças, em Londres. Com 1 ano e 3 meses, o menino agora leva uma vida saudável ao lado dos outros quatro irmãos.

O cirurgião responsável pelo procedimento, Kypros Nicolaides, afirma que espera que mais mães possam se beneficiar desse avanço da medicina no futuro – especialmente após uma pesquisa de 10 anos realizada com 287 mulheres e filhos com a mesma condição de Henry.