Colunistas

Bebê e cachorro juntinhos… Finalmente!

É chegada a hora de levar o seu filho para casa. E agora?

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Nas colunas anteriores, eu ensinei todos os preparativos a serem feitos desde a descoberta da gravidez (clique aqui para ler), com o envolvimento do cachorro nas mudanças da casa, até o nascimento do bebê, com a indicação de troca de cheiros, entre outras dicas (leia nesse link). Ainda que dê um pouco de trabalho, esse tipo de preocupação vai deixar o animal muito mais tranquilo para finalmente receber o novo membro da família. Agora, é chegada a hora de levar o bebê para casa. Preparados?

A primeira providência a tomar é pedir para os familiares não acompanharem vocês até em casa. Quanto mais calmo for o momento da apresentação, melhor! Outra orientação é chegar com a criança no carrinho ou no colo do pai – afinal, a mãe esteve fora por um tempo e o cão certamente estará com saudades (ainda mais se for ciumento). Se o peludo souber, peça para ele sentar e abaixe para fazer carinho enquanto seu parceiro entra com o bebê sem alarde.

É importante que o neném seja associado com coisas positivas, por isso, petiscos (que podem ser oferecidos diretamente ou em brinquedos com compartimentos para isso), elogios e muito chamego devem ser oferecidos ao cão sempre que vocês estiverem reunidos – ao menos nas primeiras semanas. Uma dica é usar a própria alimentação do mascote para isso, ou seja, em vez de oferecê-la no cantinho dele, o faça na sala, enquanto amamenta, por exemplo.

Por outro lado, evite associar a criança com sentimentos negativos. Não repreenda o peludo nos primeiros dias se ele não estiver sabendo como se comportar nem o expulse do ambiente em que o bebê estiver. Brigar com o pet na volta da maternidade pode fazê-lo entender que a criança é que está causando essas punições. Se ele não estiver muito controlado, vale mais colocá-lo numa guia no mesmo ambiente do que preso em algum outro lugar. E não se esqueça de suas necessidades, como passeios e brincadeiras! Sabemos que recém-nascidos dão muito trabalho, mas com um pouco de planejamento (e ajuda da família), tudo se ajeita. E a saidinha com o pet pode ser o momento que você precisa para espairecer, não é mesmo?

Ah, e continue a troca de cheiros iniciada na maternidade. Paninhos com o cheiro do bebê podem ser colocados na caminha do cão e um cobertor do cachorro pode ficar no mesmo ambiente que a criança. Com o tempo, os cheiros irão se misturar e trazer conforto ao pet (e também ao seu filho!).

Por fim, não descuide da segurança e saúde de todos. Mantenha a carteira de vacinação e doses de vermífugo do peludo em dia, além de cuidar dos parasitas como pulgas e carrapatos. Além disso, não deixe o bebê e o pet no mesmo ambiente sem supervisão, mesmo que o cachorro seja treinado. Ainda que o cão seja controlado, não podemos esquecer que são animais com instintos e estão sendo apresentados a uma situação totalmente nova.

E não deixe de consultar um adestrador para essa transição ser mais tranquila e todo mundo poder ficar junto sem preocupações!

Leia também:

Hora de ir para a maternidade… E o cão, como fica?

Cachorro e gravidez: como adaptar?

Faz parte da família, sim!

Você gostou desse conteúdo?

Sim Não