9 maneiras simples de proteger a pele do seu filho

Dermatologistas pediátricos tratam de tudo, de eczema e assaduras até ao ‘o que é essa vermelhidão esquisita’? Aqui está o que eles gostariam que você soubesse e entendesse sobre a pele do seu filho e como mantê-la saudável

Resumo da Notícia

  • Desde os cuidados com a pele do bebê na troca de fralda, até ao aparecimento de espinhas no seu filho de 7 anos, existem coisas que os especialistas gostariam que você soubesse
  • Eles estão acostumados a tratar todo tipo de irritações na pele, por isso, já adiantam quando você deve se preocupar ou não

Com certeza a pele do seu filho é perfeita para receber carinho, afinal, ela é lisinha e muito macia – mas, o que torna a pele das crianças tão gostosas, também as faz mais sensíveis. A pele das delas é mais fina do que a dos adultos, e também mais frágil. Por causa disso, bactérias, alérgenos e coisas que podem irritar podem penetrar mais facilmente pela barreira protetora e causar erupções cutâneas ou infecções.

-Publicidade-

Elas também perdem a umidade mais rápido e são mais vulneráveis à exposição do sol. Isso tudo significa que manter a pele do seu filho sempre limpa, hidratada e sem problemas não é tão simples assim. Para proteger seu bebê ainda mais, dermatologistas pediátricos falaram o que eles gostariam que todos os pais soubessem sobre a pele de seus filhos, desde cuidados gerais aos problemas mais específicos, que precisam de diagnóstico.

1- Fique longe de produtos com fragrâncias, corantes e conservantes

A pele das crianças não suporta muitas agressões causadas por produtos químicos. Por ser mais fina, ela absorve mais do produto do que realmente deveria. Os dermatologistas recomendam aquela abordagem básica de que “menos é mais”. “Você deve escolher produtos com o menor número possível de ingredientes para manter a pele do seu filho feliz”, diz Nnenna Agim, médica dermatologista e diretora da área de dermatologia no Hospital Infantil e professora associada de dermatologia na Universidade de Southwestern, em Dallas, nos Estados Unidos.

A pele das crianças é mais fina do que a dos adultos, e também mais frágil (Foto: Getty Images)

Embora você deva optar por produtos que sejam livres de corantes, conservantes e fragrâncias, saiba disso: uma embalagem que diz ‘sem cheiro’ não necessariamente significa que seja livre de fragrância ou perfume. Alguns produtos ditos sem cheiro têm o que eles chamam de ‘mascarador de fragrâncias’, que tem como objetivo esconder o cheiro químico do produto, segundo Patrick McMahon, médico e dermatologista pediátrico, e diretor da teledermatologia no Hospital Infantil da Filadélfia.

“Esse ‘mascarador de fragrâncias’ ainda  pode irritar a pele de algumas crianças, então sempre procure por ‘livre de fragrâncias’ escrito na embalagem”, ele aconselha. Mesmo com produtos ditos ‘naturais’, procure opções o mais próximo de um ingrediente possível. Dr. McMahon geralmente recomenda óleo de coco 100% puro, manteiga de karité pura, ou a boa e velha vaselina como opções de hidratantes.

2- Manter as feridas úmidas pode minimizar as cicatrizes

Se seu filho sofrer um corte, arranhão ou qualquer outra lesão menor na pele, primeiro de tudo limpe a área do machucado com água e sabão para remover qualquer sujeira e prevenir qualquer chance de infecção. Depois, aplique algum produto para hidratar a pele, como vaselina por exemplo – opte pelos menos químicos possíveis, lembre-se do item anterior. O importante é não deixar o machucado secar.

“Se você não aplicar nenhuma pomada, uma crosta pode se formar, o que pode retardar o processo de cicatrização”, explica Derek Chu, médico e dermatologista pediátrico no Hospital Infantil de Stanford, na Califórnia. No entanto, deixe a opção de pomada com antibiótico de lado. Algumas crianças podem ser (ou podem se tornar) alérgicas a certos antibióticos, o que pode causar uma erupção na pele. Então, mantenha as coisas mais fáceis pra você mesmo e apenas use a pomada com antibiótico apenas se o machucado do seu filho parece infectado – com vermelhidão, pus ou erupções.

A cicatrização da pele tende a ser mais escura ou mais clara do que o tom normal, então “uma vez que o corte tenha sarado, proteja-o do sol com roupas ou protetor solar para evitar a mudança de pigmento a longo prazo”, diz Adnan Mir, médico, Ph.D., dermatologista pediátrico e presidente do comitê  The Society for Pediatric Dermatology.

3- Pode usar pomada antiassadura à vontade – mesmo!

A primeira coisa para prevenir assaduras é trocar a fralda do seu bebê com frequência, e assim que puder toda vez que ela estiver suja. Quando possível, e especialmente se o seu filho já tiver assaduras, limpe a área suavemente sem sabão ou esfregar excessivamente. “Você pode usar uma garrafa com sistema de squeeze com água morna para molhar a área e depois seque-a”, aconselha Susan Boiko, médica e dermatologista pediátrica no Hospital Infantil em San Diego, na Califórnia. Depois de limpar, aplique uma camada generosa de pomada antiassadura, assim o xixi ou cocô não entram em contato com a pele do bebê, mas sim com a pomada.

Você também pode evitar um bumbum vermelho permitindo que a pele seque totalmente entre as trocas de fralda, diz Brandi Kenner-Bell, médica  e professora assistente em dermatologia pediátrica no Hospital Infantil Ann & Robert H. Lurie, em Chicago. Sempre que possível, deixe seu filho ficar um tempo sem roupa, assim eles podem ficar um pouco arejados e secos. Às vezes, mesmo seguindo todas essas recomendações, pode ser que seu filho tenha assaduras. Se a irritação na pele piorar, como não sumir entre dois ou três dias, ou se espalhar para outras partes do corpo, ou se o seu bebê tiver febre, procure o pediatra dele imediatamente.

4- Água pura pode funcionar tanto quanto sabonete

“Bebês e crianças pequenas não têm hormônios, suor ou óleos em sua pele que podem causar odor, então não tem necessidade de usar sabonete por todo o corpo deles”, Dr. Kenner-Bell explica. Uma boa esfregada usando sabonete é necessário apenas se a pele da criança estiver visivelmente suja, se ela foi nadar, ou se você aplicou repelente ou protetor solar. “Caso contrário, use um sabonete neutro ou um limpador suave apenas nas áreas que podem ter mais cheiro – isso é, axilas, área da virilha e os pés – e água pura para todas as outras áreas do corpo”, diz A. Yasmine Kirkorian, médica e dermatologista pediátrica e chefe interina de dermatologia infantil no Hospital Nacional Infantil, em Washington, nos Estados Unidos. Um banho diário é o suficiente – não vai secar a pele do seu filho. Apenas lembre-se de pegar leve com a espuma do shampoo.

Evitar o uso do sabonete também se aplica ao rosto da criança. Normalmente, apenas água morna é o suficiente. Talvez você precise de lenços umedecidos de vez em quando para limpar restos de comida, por exemplo.

5- Se o seu filho tiver eczema, um banho rápido pode ajudar na imunidade

Eczema ou dermatite atópica é a razão mais comum de os pais procurarem um dermatologista. A condição causa manchas ressecadas, coceira, e durante décadas médicos recomendaram que as pessoas com a dermatite atópica tomassem banho com menos frequência para evitar a desidratação da pele. “Agora, nós sugerimos banhos curtos, mas diários, porque aprendemos que isso ajuda a manter a umidade da pele”, diz Dra. Kenner-Bell.

Bebês e crianças pequenas não têm hormônios, suor ou óleos em sua pele que podem causar odor, então não tem necessidade de usar sabonete por todo o corpo deles (Foto: iStock)

Um banho de cinco a dez minutos uma vez por dia é tudo o que seu filho precisa. Depois disso, apenas seque-o, aplique a medicação para eczema que o seu médico indicou, e imediatamente aplique e espalhe um hidratante para selar isso. “Isso fornece uma barreira adicional que ajuda não apenas a reter a umidade da pele, mas também para proteger de substâncias irritantes que podem entrar em contato direto com ela”, diz Dr. Chu, que recomenda o uso de cremes mais espessos ou pomadas em vez de loção hidratante pelo menos duas vezes ao dia para crianças com pele seca ou tendências a ter eczema. Se os banhos diários e hidratantes não melhorarem os sintomas do seu filho, verifique com seu pediatra ou dermatologista para tentar outros tratamentos.

6- Hidrate muito bem a pele do seu filho

Mesmo que seu filho não tenha eczema, a hidratação regular ajuda a melhorar e manter a saúde da pele dele. Mas mesmo que você já faça, provavelmente ainda está pegando leve mais. “Quando eu mostro para os pais a quantidade de hidratante eles deveriam usar na pele de seus filhos, geralmente é muito mais do que eles pensam”, Dr. Kirkorian diz. “A pele do seu filho deve estar brilhante e reluzente quando você terminar”.

Pode até parecer que você exagerou, mas calma – em cerca de cinco minutos o hidratante será absorvido pela pele. Uma massagem diária após o banho é tudo o que uma criança sem eczema precisa para manter a umidade e a pele saudável.

7- Uma pele queimada de sol hoje pode aumentar o risco de câncer de pele mais tarde

“Os danos causados pelo sol nos primeiros 18 anos da vida definem o cenário para o risco de câncer de pele do seu filho quando ele envelhece”, Dr. Mir explica. As queimaduras de sol, em particular, são perigosas a longo prazo. A melhor maneira de proteger seu filho é limitar a exposição ao sol, especialmente durante as horas de pico de intensidade, que é entre às 10h da manhã e às 16h da tarde. Quando vocês estiverem ao ar livre, não deixe de usar roupas com proteção UV ou com mangas compridas leves e calças compridas, cores escuras e tecidos leves, além de chapéu e óculos de sol.

Para bebês menores de 6 meses, a melhor proteção é mantê-los cobertos e fora do alcance do sol, mais se não tiver como, aplique uma pequena quantidade de protetor solar com fator de pelo menos FSP 30 nas áreas expostas da pele, como rosto, costas e mãos. Crianças com 6 meses ou mais, porém, devem usar o protetor solar sempre que forem ao ar livre – e isso porque mesmo em dias nublados os raios de sol ainda nos atingem.

E isso vale para todas as crianças, independentemente da cor de pele. “Algumas pessoas negras e pardas pensam que não precisam de protetor solar, mas isso está longe de ser verdade”, Dr. Kenner-Bell explica. “Sim, as taxas de câncer de pele são menores nessas pessoas, mas elas estão sujeitas aos danos do sol como qualquer outra”.

Os danos causados pelo sol nos primeiros 18 anos da vida definem o cenário para o risco de câncer de pele do seu filho quando ele envelhece (Foto: Getty Images)

Os filtros solares à base de minerais que contêm óxido de zinco ou dióxido de titânio são os mais seguros para crianças. Procure um de amplo espectro – isso significa que protege contra os raios UVA e UVB – e que tenham no mínimo fator de FSP 30. Aplique o protetor solar na pele de 15 a 30 minutos antes de sair e reaplique a cada duas horas e depois que seu filho tiver nadado ou estiver suado. Em seguida, certifique-se de checar e passar novamente sempre que necessário.

Muitas vezes deixamos passar áreas como a linha do cabelo, couro cabeludo, orelhas, a área atrás do joelho, o peito do pé e aquela pequena área das costas que fica exposta quando seu filho está brincando e a camiseta sobe um pouco, Dr. Boiko diz. Para crianças inquietas ou impacientes, torne a aplicação do protetor uma brincadeira, deixando-as escolher a área do corpo que será aplicada primeiro.

8- A maioria das erupções na pele não são perigosas

Embora uma área vermelha ou machucada na pele do seu filho possa assustar, existem muitas erupções cutâneas comuns que são causadas por irritação ou a um vírus. “A maioria das erupções não são uma emergência e provavelmente vão sumir por conta própria ou com algum produto como hidratante”, diz Dr. McMahon. “Para urticária, um anti-histamínico pode ser mais útil”, completa. No entanto, procure o seu médico caso a erupção na pele do seu filho venha acompanhada de febre, se tem bolhas ou se é sensível, se está perto dos olhos, boca ou genitais, se apareceu depois que seu filho consumiu um novo medicamento ou se mesmo depois de alguns dias ainda não melhorou.

9- Crianças com pintas devem consultar um dermatologista anualmente

Se seu filho tem uma pinta ou várias, ele deveria ir a um dermatologista ou ao pediatra pelo menos uma vez ao ano para uma avaliação, aconselha Ana M. Duarte, médica e diretora de dermatologia no Hospital Infantil Nicklaus e fundadora do Centro de Pele Infantil, em Miami. Entre as visitas, fique de olho nas pintas do seu filho. Se aparecer alguma nova ou se uma já existente mudar de tamanho, forma, cor ou apenas parece diferente das demais pintas, seu filho deve ver um dermatologista o mais rápido possível. Isso também vale para marcas de nascença. Existem muitos tipos diferentes, então qualquer mudança notável merece uma consulta imediata com um médico.

Espera, isso é uma espinha?

Se você encontrou uma delas no seu filho – e que ainda está longe de ser um adolescente – essas são algumas possíveis causas:

  • Acne em bebê

Essa erupção avermelhada pode aparecer no rosto ou no pescoço de um bebê entre a segunda ou quarta semana de vida. É inofensiva e deve desaparecer sozinha, sem tratamento

  • Sinais de puberdade precoce

Algumas crianças começam a ter acne vários anos antes da puberdade, tão cedo quanto idade como 7 e 9 anos, diz Dra. Anna Kirkorian. Desde que seja uma espinha aqui e outra ali, é provavelmente normal e pode ser tratada com um sabonete suave e com recomendação para isso. Se a acne for grave ou causar cicatrizes, consulte seu dermatologista pediátrico

  • Irritação causada pelo uso de máscara

Apelidada de ‘maskne’, ela é causada pelo crescimento bacteriano, inflamação e fricção, como resultado do uso de máscaras. Para prevenir ou reduzir, lave ou troque de máscaras frequentemente. Se a pele do seu filho é facilmente irritável, coloque um pouco de vaselina na área antes de dormir

  • Parece acne, mas não é

Às vezes as erupções no rosto não são realmente espinhas. Elas podem ser fruto de uma infecção bacteriana chamada dermatite perioral – que podem causar saliências em volta da boca – ou alguma outra irritação, segundo Dr. Kirkorian. Se você não tiver certeza do que pode ser, consulte seu médico