Médicos alertam sobre os perigos que o álcool em gel pode trazer aos olhos das crianças

As autoridades relataram um aumento número de casos de crianças diagnosticadas com distúrbios oculares provocados pelo contato de gel hidroalcoólico com os olhos

Resumo da Notícia

  • Médicos alertam pais sobre os riscos do álcool em gel
  • Caso o material entre em contato com os olhos das crianças, o dano pode ser grave
  • O número de casos de crianças diagnosticadas com distúrbios oculares provocados pelo contato de gel hidroalcoólico com os olhos aumentou
  • Veja o que fazer caso isso aconteça com seu filho

Durante a pandemia de coronavírus, um outro problema que vem crescendo ascendeu um alarme na comunidade médica. De acordo com um alerta emitido nesta segunda-feira, 31 de agosto, e divulgado pela G1, as autoridades da saúde francesas relataram um aumento no número de casos de crianças diagnosticadas com distúrbios oculares provocados pelo contato de gel hidroalcoólico com os olhos.

-Publicidade-
Especialistas alertam pais sobre o uso de àlcool em gel (Getty Images)

Por essa aumento, as autoridades pedem que os pais tenham muito cuidado ao dar o álcool na mão das crianças. “Entre 11 de maio e 24 de agosto de 2020, foram registrados nos Centros de Envenenamento 63 casos de crianças que respingaram gel hidroalcoólico nos olhos e apresentaram sintomas oculares”, alertou a nota emitida pelo o Ministério da Saúde francês.

A atenção deve ser ainda maior ao sair com as crianças para lojas, mercados e outros estabelecimentos, afinal, ainda segundo o relatório, três quartos dos casos aconteceram em lojas ou shopping center. Isso acontece porque boa parte dos distribuidores desses locais ficam no nível dos olhos das crianças. Além disso, as autoridades apontaram que eles podem ser percebidos como uma brincadeira, principalmente aqueles que podem ser operados por pedal ou automaticamente.

-Publicidade-

Na maioria dos casos, os sintomas apresentados foram: vermelhidão, dor ou inflamação do olho ou da pálpebra. Desses, dois casos resultaram em danos na córnea, reversíveis após tratamento dos sintomas. Algumas crianças, ainda, precisaram passar por cirurgias.

A orientação dos profissionais é que os pais sempre acompanhem as crianças quando elas forem passar o álcool. Além disso, as autoridades pediram para que os pais não deixem os filhos brincar com o distribuidor. Caso o material entre em contato com os olhos, o conselho é: “enxágue imediato do local por cerca de quinze minutos com um jato de água”, indicam as autoridades sanitárias, especificando que “a demora no enxágue é muito prejudicial e pode levar a lesões graves.”

-Publicidade-