Ameba “comedora de cérebro” reaparece e deixa autoridades em alerta

Apesar de ser considerada rara, ela passou a surgir nos Estados Unidos depois de um caso ser confirmado. Estima-se que 97% das pessoas contaminadas sejam levadas à óbito em apenas uma semana

Resumo da Notícia

  • Desde 1962, 37 casos foram registrados nos Estados Unidos
  • Um caso recente reapareceu no país
  • As autoridades de saúde deixaram um alerta
  • Em 97% dos casos, os pacientes podem chegar a óbito
Ela pode ser encontrada em água morna (Foto: reprodução / vídeo YouTube)

Após uma pessoa ser contaminada pela ameba “comedora de cérebro”, na Flórida, nos Estados Unidos, as autoridades de saúde locais ficaram em alerta com o caso raro. Segundo informações do G1, o Departamento de Saúde afirmou que a ameba foi contraída no condado de Hillsborough.

-Publicidade-

Chamada de Naegleria fowleri, ela é microscópica e unicelular, causando uma grave infecção no cérebro. Geralmente encontrada em água morna, a ameba entra no corpo pelo nariz e atinge o órgão. Ainda não se sabe o estado de saúde do paciente, mas em 97% dos casos pode levar à óbito. Vale lembrar ainda que ela não passa de uma pessoa para a outra.

Ela causa uma infecção chamada meningoencefalite amebiana primária (Foto: reprodução / vídeo YouTube)

A infecção, chamada de meningoencefalite amebiana primária, apesar de ser mais comum nos Estados Unidos é rara. Desde 1962 a Flórida registrou 37 casos. Com consequências consideradas fatais, no dia 3 de julho de 2020 foi emitido um alerta para os moradores de Hillsborough, que pedia para evitar o contato da água encanada e de outras fontes com o nariz. Isso pode incluir lagos, rios e canais, onde a contaminação é mais comum por causa da temperatura quente nos meses de julho, agosto e setembro.

-Publicidade-

Os contaminados com a doença apresentam sintomas como febre, náusea, vômito, rigidez na nuca e principalmente dores de cabeça. Infelizmente, a maioria das pessoas podem chegar à óbito em apenas uma semana. O órgão de saúde pediu ainda para que qualquer pessoa que apresente estes sintomas procure imediatamente um hospital.

“Lembre-se de que essa doença é rara e estratégias eficazes de prevenção podem permitir banhar-se de forma segura e relaxante durante o verão“. É recomendado ainda que ao nadar, manter-se a água distante do nariz e sempre o cobrir com as mãos.

-Publicidade-