Autismo: 10 coisas que todo mundo deveria saber sobre o transtorno

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é uma deficiência de desenvolvimento complexa que afeta a capacidade da criança de se comunicar, brincar, aprender e se relacionar com outras pessoas

Resumo da Notícia

  • Pesquisas mostram que uma em cada 68 crianças será diagnosticada com autismo
  • Embora os sintomas e a gravidade possam variar amplamente entre os indivíduos, o aumento da conscientização pode ajudar muito
  • Esses 10 fatos sobre o autismo devem estar no radar de todos os responsáveis

Pesquisas mostram que uma em cada 68 crianças será diagnosticada com Transtorno do Espectro Autista (TEA), uma deficiência de desenvolvimento complexa que afeta a capacidade da criança de se comunicar, brincar, aprender e se relacionar com outras pessoas.

-Publicidade-

Embora os sintomas e a gravidade desse transtorno possam variar amplamente entre os indivíduos, o aumento da conscientização ajuda os pais a buscarem orientação profissional no início da vida do filho – de modo que o diagnóstico e a intervenção possam ajudar a criança a atingir seu potencial. Por isso, a Parents, revista americana, separou 10 fatos sobre o autismo que todos deveriam saber.

Esses 10 fatos sobre o autismo devem estar no radar de todos os pais (Foto: iStock)

1. Os sinais de autismo não são claros ou específicos na infância

Em vez disso, eles surgem gradualmente e se tornam mais óbvios no segundo e terceiro ano de vida. Conscientizar-se dos sinais de alerta do autismo pode ajudar os pais a ficarem atentos ao desenvolvimento do filho para que, aos primeiros sinais, possam discutir as preocupações com um profissional.

-Publicidade-

2. Existem diferentes padrões de desenvolvimento em crianças com autismo

Algumas crianças exibem sinais de alerta logo no início e demoram a atingir certos marcos de desenvolvimento. Outros podem parecer estar se desenvolvendo normalmente e, então, mostrar sinais de desaceleração do desenvolvimento, juntamente com comportamentos atípicos associados ao autismo. Ainda assim, outras crianças podem “regredir”, perdendo palavras e habilidades que antes possuíam.

Existem padrões de desenvolvimento diferente para crianças com autismo (Foto: iStock)

3. A intervenção baseada em evidências ajuda

Quando essa intervenção começa o mais rápido possível, as crianças geralmente melhoram em todos os aspectos do desenvolvimento. A intervenção precoce mais eficaz é abrangente e visa melhorar as habilidades sociais, de comunicação, cognitiva, motora e comportamental em rotinas semiestruturadas previsíveis.

O uso de estratégias de intervenção comportamental de desenvolvimento naturalista é recomendado. Isso envolve o uso de estratégias de ensino que atendam aos interesses das crianças, juntamente com princípios comportamentais, como dar pistas claras e apropriadas para indicar os comportamentos desejados e, então, recompensar as tentativas da criança.

4. Crianças com autismo podem parecer socialmente distantes, mas elas amam as próprias famílias

A maioria das pessoas com autismo deseja sim ter amizades, mas precisa de ajuda para desenvolver as habilidades sociais e de comunicação para interagir com os colegas. Programas escolares e terapeutas com treinamento especial podem frequentemente auxiliar as crianças no desenvolvimento dessas habilidades.

As crianças autistas amam as próprias famílias (Foto: Getty Images)

5. Crianças no espectro do autismo que podem falar e têm QIs altos ainda enfrentam desafios “invisíveis”

Frequentemente essas crianças têm dificuldade com a linguagem abstrata, ou seja, como entender o humor e a linguagem figurativa, como metáforas e trocadilhos. Como resultado, o processamento da linguagem escrita, e mesmo da linguagem falada, pode ser lento. Muitas vezes interpretam mal os comentários das pessoas porque lutam para “ler nas entrelinhas” e entender o que as pessoas querem dizer com o que dizem. Essas crianças correm um risco especialmente alto de bullying e outras formas de exclusão social, pois podem não saber quando estão sendo provocadas.

6. Adultos com autismo podem ser capazes de desempenhar bem as funções de trabalho

Muitos adolescentes com autismo podem desenvolver habilidades de trabalho à medida que se aproximam da idade adulta, no entanto, o risco de demissão do emprego é alto porque as dificuldades sociais podem levar a comportamentos desagradáveis. As empresas podem aumentar a conscientização sobre o autismo entre os funcionários, ao mesmo tempo que fornecem rotinas de trabalho previsíveis e atividades claramente definidas, para se beneficiar dos talentos exclusivos dos indivíduos com TEA.

7. A tecnologia pode ajudar crianças não verbais com TEA

Para crianças com autismo que não desenvolvem a linguagem falada, o uso de recursos de comunicação visual de apoio é muito útil para desenvolver as habilidades de comunicação e linguagem. Esses Sistemas de Comunicação Aumentativa e Alternativa podem ser de baixa tecnologia, como o Picture Exchange Communication System, ou de alta tecnologia, como aplicativos especializados em um iPad.

A tecnologia pode ajudar as crianças autistas não verbais (Foto: Shutterstock)

8. Pessoas com autismo processam informações sensoriais de maneira diferente

Eles podem ser muito ou pouco sensíveis a sons, imagens, sabores e toque. Isso pode afetar a disposição deles de usar certas roupas, comer certos alimentos ou tolerar certos sons (como aspiradores de pó, alto-falantes ou até mesmo o som emitido por lâmpadas fluorescentes). Crianças com autismo podem “ouvir” ou sentir desconforto por sons ou frequências visuais que os colegas nem percebem.

9. Interesses específicos  são comuns para pessoas com autismo

Frequentemente, eles têm interesses muito fortes em um tópico específico, de ciência a transporte e super-heróis. Embora o tópico em si possa variar entre os indivíduos, eles geralmente têm amplo conhecimento e podem falar sobre o assunto de interesse com frequência.

10. Muitas pessoas com autismo sentem ansiedade

Se sua criança com autismo está mostrando sinais de preocupação, medo ou outras formas de ansiedade, converse com o médico do seu filho, pois há intervenções que podem ajudar.

Em muitos casos a ansiedade está presente (Foto: Shutterstock)

-Publicidade-