Nanda Costa relembra dia do nascimento das filhas gêmeas em relato emocionante

A mãe fez uma homenagem especial para Kim e Tiê em seu primeiro mêsversário. As meninas são fruto do relacionamento da atriz com Lan Lanh

Resumo da Notícia

  • Nanda Costa usou as redes sociais para contar como foi o nascimento das filhas Kim e Tiê
  • A mãe disse que teve pré eclampsia na reta final da gravidez
  • Nanda agradeceu a todas as mensagens de carinho e apoio nessa nova fase

Na tarde deste sábado, 20 de novembro, Nanda Costa usou as redes sociais para comemorar 1 mês do nascimento das filhas gêmeas Kim e Tiê, fruto do relacionamento com Lan Lanh. As meninas nasceram no dia 19 de outubro.

-Publicidade-

Em uma publicação feita no Instagram, ela começou dizendo: “Ontem fez um mês que nascemos! Sem dúvida é o momento mais desafiador e intenso da minha vida. Tive uma gravidez tranquila, nunca me senti tão bem em toda minha vida. Mas, de repente, minha pressão subiu, meus rins começaram a parar e, com 35 semanas e 3 dias de gestação, precisamos antecipar o parto. Pré eclampsia! Minha obstetra foi precisa, cirúrgica e, graças a Deus, salvou a minha vida! Minha mulher não saiu do meu lado um segundo sequer”.

Nanda Costa relembra dia do nascimento das filhas
Nanda Costa relembra dia do nascimento das filhas (Foto: Reprodução/ Instagram/ @nandacosta)

“kim- Foi a primeira a nascer e, para nossa surpresa, pesando menos do que imaginávamos: 1.815 Kg. Nasceu lindamente, respirando sozinha e com a mãozinha esquerda erguida… Ao vê-la, Lan bateu palma e gritou: ‘chora, Kim’ e nossa menina estreou com um choro forte e potente. Exatamente um minuto depois, veio Tiê, com os olhos bem abertos como quem diz: ‘chegamos, mamães, que que tá pegando?’ Tiê chegou pesando 2,220kg e foi para o quarto com a gente. Já Kim, precisava ganhar peso e foi para UTI. Quanto a mim, fiquei internada uma semana para controlar a pressão e me recuperar”.

Ela continuou: “Nasci mãe no susto e ‘padecer no paraíso’ nunca fez tanto sentido. Tive que me dividir entre quarto, UTI e passagens pelo Lactário para tirar leite e alimentar a pequena Kim, que chegou a 1,600kg. O hospital/maternidade está em obra e, dois dias depois do parto, entre essas idas e vindas, fiquei presa no elevador, o que aumentou ainda mais a minha pressão e potencializou meu puerpério”.

“Tiê e eu recebemos alta 5 dias após o parto. Kim só receberia alta quando alcançasse pelo menos 2kg. Um dia após receber alta, precisei reeinternar, desta vez, na UTI. Minha pressão chegou a 180X90, imagina isso para uma pessoa que sempre teve a pressão 90X60. Graças a Deus tenho uma rede de apoio maravilhosa, médicos incríveis, minha mãe (que hoje entendo, amo e admiro mais do que nunca), minha mulher que amo cada dia mais e mais, e, claro, as minhas filhas por terem nos escolhido, Lan e eu, por terem aguentado firme atravessares esse turbilhão nos trazendo doçura e leveza e muito trabalho (essa parte nós já sabíamos mas trabalho nunca foi problema pra gente, né Love?)”, se referindo a Lan Lanh.

“Tenho muita gente para agradecer, mas estou fazendo isso aos poucos. E quer saber? Mesmo sabendo que seria assim, faria tudo de novo para receber a benção que é ter Kim e Tiê nas nossas vidas”, disse a mãe.

Ela fnalizou agradecendo a todos pelo carinho e apoio e deixou o seu “melhor abraço”, para todas as mães e puerpéreas. “Estamos Juntas”., declarou.