Reino Unido aprova vacina de Oxford contra coronavírus: saiba o que isso significa

O decreto foi divulgado nesta quarta-feira e começará a ser aplicada na população a partir do dia 4 de janeiro

Resumo da Notícia

  • O Reino Unido aprovou a vacina de Oxford nesta quarta-feira
  • A imunização começará no dia 4 de janeiro na população
  • A vacina é aplicada em duas doses

A vacina contra a covid-19 feita por cientistas da Universidade de Oxford, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, foi aprovada pelo Reino Unido nesta quarta-feira (30). Dessa forma, entende que a campanha de imunização será ainda mais disseminada.

-Publicidade-
A primeira dose começará a ser aplicada em 4 de janeiro (Foto: Freepick)

“O governo aceitou hoje a recomendação da Agência Reguladora de Medicamentos e Produtos de Saúde (MHRA) para autorizar o uso da vacina da Universidade de Oxford com a AstraZeneca”, informou o Ministério da Saúde britânico.

Matt Hancock, secretário britânico da Saúde completou que a vacinação começará a ser aplicada em 4 de janeiro e o ritmo será acelerado nas semanas seguintes. A primeira dose da vacina, que possui duas doses, será primeiramente aplicada no máximo de pessoas possíveis para que depois se inicie a segunda.

-Publicidade-

De acordo com Munir Pirmohamed, presidente da Comissão do Grupo de Trabalho de Especialistas em Medicamentos Humanos, com a primeira dose o resultado de imunização já é 80% no intervalo de 3 meses. Foram encomendadas 100 milhões de doses ao todo pelo Reino Unido dessa vacina.

A aprovação traz esperança, já que representa que a vacina é considerada oficialmente eficaz e segura para o uso. No momento, os grupos prioritários já estão recebendo a vacina da Pfizer. A chegada das vacinas coincide com um momento de alta nos casos de coronavírus no Reino Unido, superando os números da primeira onda.

Na terça-feira (29), haviam 53.135 novos casos e 414 mortes na região. A vacina de Oxford também é uma das apostas do Brasil, tendo um acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) para a compra de 100,4 milhões de doses.