Relato de mãe: “Tive medo de matar meu filho por causa das vozes dentro da minha cabeça”

Christina Royapen fez um desabafo sobre ter psicose pós-parto e abriu o coração ao compartilhar a história para incentivar outras mães a procurarem ajuda

Resumo da Notícia

  • Uma mãe fez um relato após sentir que algo estava errado depois do nascimento do filho
  • Ela começou a ter alucinações e ouvir vozes
  • Após ir para um hospital, Christina descobriu sobre a psicose pós-parto
  • A mãe quer encorajar outras e identificar o problema e pedir ajuda
A mãe quer alertar outras com a própria história (Foto: reprodução / Facebook)

Christina Royapen, uma mãe de 28 anos, abriu o coração ao contar que desencadeou um quadro de psicose pós-parto, com o nascimento do filho. O problema, que pode afetar as mulheres, é uma doença mental considerada grave e que precisa de muito apoio durante este período.

-Publicidade-

Quando Keelan nasceu, no dia 14 de abril de 2019, a mãe contou que vivia atormentada por alucinações e que tinha medo de matar o próprio filho por ouvir vozes. Quando o bebê estava com quatro meses, ela foi internada para dar início ao tratamento. Christina ainda lembrou de ter dito a um amigo que: “Se isso é maternidade, eu não quero”, contou ao The Sun.

“Eu me senti tão culpada. Você deveria sentir todo esse amor e felicidade. Em vez disso, eu estava tendo pensamentos prejudiciais para mim e meu bebê”, desabafou. “Finalmente dizer em voz alta provocou um enorme ataque de pânico do qual eu simplesmente não conseguia me acalmar. Durou a noite toda e fiquei histérica, dizendo a Craig que estava aterrorizada por matar o bebê”.

-Publicidade-
Ela sentiu-se frustrada com a situação (Foto: reprodução / Facebook)

Christina disse ainda que era assim que se sentia com a psicose, mas que após a maternidade achou que teria apenas muito amor e felicidade. “Senti medo, como se eu quisesse voltar ao tempo. Isso colocou uma enorme nuvem de culpa sobre mim. Não saber o que é um sonho e o que é real é aterrorizante, mas estou me sentindo muito mais como eu novamente e agora quero ajudar outras pessoas que passam por isso e aumentar a conscientização sobre a psicose pós-parto”.

Os familiares incentivaram que ela procurasse ajuda voluntariamente, então no dia seguinte ela se internou e teve a suspeita da psicose pós-parto. Ao ser transferida para uma unidade especializada para mães e bebês, ela recebeu a certeza. Antes do tratamento funcionar, Christina teve uma piora: “Eu estava convencido de que estava na unidade de mães e bebês há anos e as pessoas estavam conspirando para me envenenar ou levar meu bebê”.

Quando os remédios começaram a fazer efeito, ela comemorou: “Ele estava na unidade comigo, mas dormiu em uma sala diferente. Ser capaz de segurá-lo ajudou a aliviar meus medos de que as pessoas estivessem tentando levá-lo. Felizmente, temos muitos familiares e amigos excelentes que me ajudaram a resolver tudo. Sem o apoio deles, sei que as coisas teriam sido muito mais difíceis”, concluiu.

-Publicidade-