5 termos desatualizados sobre gravidez e parto que precisam ser alterados

O vocabulário médico costuma ser usado durante a gestação até o momento de dar à luz, mas pode fazer a grávida se sentir mal. Veja por que precisamos atualizar ele

Resumo da Notícia

  • Termos médicos podem influenciar negativamente no período de gravidez
  • Algumas palavras podem dar a entender que casais não estão preparados para a parentalidade
  • Veja 5 vocabulários que podem ser substituídos ao falarmos sobre gravidez e parto

As coisas que corpos de grávidas podem fazer é quase um milagre. Nós criamos seres humanos dentro de nós e os parimos como pequenos seres humanos que crescem, se tornam adultos e fazem grandes coisas. Isso é incrível!

-Publicidade-

No entanto, hoje ainda existem termos usados ​​com frequência que inspiram falta de confiança em um corpo que se prepara para o parto, sugerindo que há algo inerentemente errado; que, à medida que envelhecemos perdemos nosso valor; ou que estamos fazendo um “trabalho ruim” ao trazer vida ao mundo.

Como terapeuta especializada no tratamento de humor perinatais e transtornos de ansiedade, não posso dizer quantas mulheres que tratei me dizem: “Lembro-me do momento exato em que comecei a ter ansiedade ou depressão perinatal. Foi quando um médico ou enfermeira disse para preencher a lacuna sobre mim ou sobre o meu corpo”.

A forma como apresentamos o termo pode gerar culpa nas mulheres (Foto: reprodução / Getty Images)

As palavras carregam um poder significativo. O léxico médico e os rótulos que usamos durante o período mais vulnerável que uma pessoa grávida pode experimentar têm um peso inquestionável e podem levar a um sentimento de vergonha, fracasso e incompetência. Não precisamos de termos negativos para contribuir para que pais novos e esperançosos se sintam assim. Temos toda uma cultura que encanta a maternidade e a faz parecer feliz, fácil e maravilhosa, de modo que quando se está longe dessa experiência (o que geralmente acontece) as mulheres sentem que estão cometendo muitos erros e que não estão se saindo bem na parentalidade. Aqui estão cinco termos que devemos descartar para sempre.

Gravidez Geriátrica

Esse termo foi escolhido anos atrás para descrever a gravidez com mais de 35 anos. O objetivo era levar em consideração o “alto risco” de aborto espontâneo ou complicações devido à idade. No entanto, esse termo foi derivado em uma época em que as mulheres tinham bebês muito cedo- ao contrário de agora, onde esperar mais tempo na vida para ter filhos é comum. Na verdade, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças, o número de mulheres que se tornaram mães pela primeira vez entre as idades de 40-44 dobrou entre 1990 e 2012.

Existem certas complicações relacionadas à gravidez que são mais comuns aos 35 anos e acima, incluindo diabetes gestacional e baixo peso ao nascer, mas não são uma garantia. Alto risco significa simplesmente maior risco do que aqueles que dão à luz na casa dos 20 ou 30 anos. A maioria das gestações no final dos 30 e início dos 40 acaba totalmente bem, principalmente se a pessoa consulta o médico regularmente e permanece preocupada com a saúde.

Um termo substituto que vem ganhando impulso há algum tempo é “idade materna avançada”. Embora longe de ser perfeito, pelo menos não sugere que as mulheres tenham bebês na casa dos 80 anos.

Aborto espontâneo

Aborto espontâneo significa a morte natural de um embrião ou feto antes que ele possa sobreviver por conta própria. Ter um aborto espontâneo não significa que o corpo da mulher cometeu um erro ou uma ação inadequada. A maioria dos abortos espontâneos é o resultado de anomalias cromossômicas espontâneas que tornam o desenvolvimento humano impossível. É um corpo saudável que reconhece uma gravidez incompatível com a vida.

“Perda da gravidez” é um termo melhor e não carrega a mesma conotação negativa. Em vez disso, reflete uma compreensão básica do que a experiência realmente representa.

Incompetência do colo uterino

O termo, também chamado de insuficiência cervical, certamente não evoca confiança no corpo. Isso acontece quando o colo do útero (a estrutura na parte inferior do útero) está fraco e, portanto, pode aumentar durante a gravidez. Se não diagnosticada e tratada, esta condição pode resultar na perda da gravidez ou parto prematuro. Os médicos diagnosticam a maioria dos casos após uma perda no segundo trimestre da gravidez.

O Dicionário Webster define incompetente como “carente das qualidades necessárias para uma ação eficaz; incapaz de funcionar adequadamente; não qualificado legalmente; inadequado ou inadequado para um propósito específico”. Associar essa experiência trágica que afeta cerca de 1 em cada 100 mulheres a um termo que começa com “incompetente” apenas perpetua um sentimento de vergonha e desprezo por si mesma e pelo corpo.

Falha de Progresso

Também conhecido como “baixo esforço materno”, isso acontece quando o trabalho de parto diminui e o parto atrasa. Basicamente, o bebê não está descendo pelo canal do parto no ritmo esperado. Existem vários motivos pelos quais isso pode ocorrer – nenhum deles tem a ver com o “fracasso” do pai que deu à luz. As razões incluem um bebê de tamanho grande, ou uma cabeça grande, ou o bebê está em uma posição difícil.

Frequentemente, a falha no progresso leva a uma cesariana ou outros procedimentos para tirar o bebê. Isso quase nunca faz parte do plano de nascimento de uma pessoa grávida e pode fazer com que ela sinta que o corpo não fez o que deveria. Um termo substituto usado é “progresso lento no trabalho de parto”. Pelo menos isso não significa que o futuro pai fez algo errado.

Muco Cervical Hostil

Como, você pode perguntar, o muco cervical pode agir maliciosamente? Bem, quando os problemas de muco cervical impedem a gravidez, isso é medicamente conhecido como muco cervical hostil. Muco cervical hostil pode significar secura vaginal, secreções vaginais que são muito ácidas ou referir-se a problemas imunológicos. Há casos em que o muco cervical de uma mulher ataca e mata o esperma antes de chegar ao óvulo. Isso é chamado de – prepare-se – hostilidade cervical. Talvez o muco saiba o que está acontecendo e esteja protegendo o óvulo de um espermatozoide hostil?

O resultado final

Esses termos e muitos outros carregam uma conotação negativa em relação ao corpo da mulher e ao esforço para conceber ou dar à luz. Quando penso em termos usados ​​para descrever um desafio que um homem enfrenta em relação à procriação – o termo “baixa contagem de espermatozoides” vem à mente – você pode imaginar se essa condição fosse chamada de “falha na produção de esperma” ou “testículos hostis”?

Gravidez e nascimento merecem termos que captem beleza, força e surpresa. Usar palavras mais positivas pode fazer toda a diferença, especialmente para aquelas que tiveram dificuldade para engravidar, perderam um bebê ou tiveram complicações durante o parto. As palavras podem fazer toda a diferença.

 

Texto traduzido por Sandra Lacerda, filha de Sandra e José Leonardo, estagiária na Pais&Filhos