Modelo grávida está há mais de 6 meses sem olfato após covid-19: entenda por que isso acontece

Ainda como consequência da doença é possível sentir a confusão olfativa, que acontece quando os nervos do nariz são prejudicados e interferem no cheiro. Veja as principais dúvidas sobre o assunto

Resumo da Notícia

  • A perda do olfato e paladar pode ser uma consequência do novo coronavírus
  • Saiba por que isso acontece
  • Veja como ocorre a confusão olfativa

Por causa do novo coronavírus, uma das principais consequências da doença é a perda do olfato e do paladar. No primeiro caso, o vírus pode danificar o tecido, além das terminações nervosas do nariz. Quando os nervos passam a crescer novamente, o cérebro fica incapaz de identificar os cheiros, causando confusão e estímulos que não são reais como, por exemplo, cheirar café e sentir o aroma de peixe. 

-Publicidade-
Atualmente, Julia Pereira está no sétimo mês de gestação (Foto: Arquivo pessoal)

Foi o caso da modelo internacional Julia Pereira, que atualmente está no sétimo mês de gestação da primeira filha. Quando foi contaminada pelo vírus, em fevereiro, pouco se sabia sobre a doença que já afetou mais de 4 milhões de pessoas no Brasil. “Quando eu estava com coronavírus, eu não sabia. Então, primeiro eu tive um rinite alérgica muito forte, depois eu fui descobrir que poderia ter sido uma rinite gestacional e após esses sintomas, perdi o olfato e o paladar.  Só que como foi muito no início ainda não tinham estudos que apontavam que isso poderia estar associado ao covid-19”, explicou em entrevista à Pais&Filhos.    

Ela, que sempre teve o sonho de ser mãe, ficou muito feliz com a descoberta da gravidez, que aconteceu em janeiro deste ano: “Eu me casei em setembro de 2019, então, tínhamos o plano de no fim do ano começar a tentar e no final de janeiro eu já estava grávida, foi bem rápido (risos). Foi uma sensação muito maravilhosa, de muita felicidade mesmo. Uma benção”. Em fevereiro, após uma viagem, Julia teve os primeiros sintomas, mas não imaginou que poderia ser um reflexo da doença.

-Publicidade-

“Tive uma semana extremamente cansada, muito mal-estar, me sentindo sem energia e eu sou uma pessoa super ativa, mas achei que fosse relacionado à gestação. Só depois de surgirem os estudos dizendo que a perda de olfato e paladar estaria relacionada a Covid-19 que eu passei a ficar alerta”, contou. “Fiz dois exames e deram negativos, continuei isolada mas achando que não era. Passaram dois meses e eu continuei sem olfato e paladar, e minhas dúvidas aumentaram. Fiz o IgG e deu positivo, tive medo pela neném, até porque eu não estava mais com o vírus”.

A modelo e apresentadora Júlia Pereira (Foto: Arquivo pessoal)

De acordo com a otorrinolaringologista Maura Neves, filha de Manoel e Maria Lucia, a restauração do olfato e paladar pode acontecer, mas não se sabe ao certo quanto tempo pode levar. “Depende da intensidade da perda, uso de medicações e se fatores individuais”, conta. Com tratamentos mais leves por causa da gravidez, o indicado foi que Julia realizasse a lavagem nasal com soro fisiológico, além do estímulo do nervo com essências. “Sinto esporadicamente, ainda não voltou, mas estou esperançosa”.

O dano pode ser irreversível?

Sim. Segundo a otorrino, pode acontecer de ocorrer lesão irreversível. “Em um estudo brasileiro publicado recentemente, temos cerca de 5% de pacientes que não recuperam nada do olfato e paladar após perda total”, explica a médica.

Por que as confusões olfativas acontecem?

Durante a recuperação, Julia contou que os cheiros ainda estão muito confusos e que para tentar sentir o aroma real, é necessário ficar bem de perto. Na lesão que ocorre no nervo, pode ocorrer o processo “cruzado”, causando estímulos equivocados. “Ou seja, o  paciente sente um aroma do alimento, mas a interpretação é de outro odor. Pode ser bom ou ruim, a depender da percepção individual”.

A otorrino alerta sobre os cuidados redobrados durante este período (Foto: iStock)

Perder o olfato pode ser perigoso?

A especialista explicou que a perda do olfato pode estar associada a ausência ou redução do paladar, pois as percepções de sabor também acontecem pelo nervo olfatório.Neste sentido, há grande perda de qualidade de vida: alimentos, aromas são perdidos. Isso dificulta o convívio social”. A otorrino também alerta sobre as questões de saúde e segurança, como o cheiro de gás ou fumaça, que podem não ser percebidos pelo paciente. Vale ficar de olho também em alimentos que podem estar possivelmente estragados.

Estou sem olfato ou paladar. O que fazer?

Em primeiro lugar, a especialista indica que um médico otorrino seja procurado e em seguida, a realização de exames e início do tratamento. “Apesar de ser algo recente, a medicina tem alternativas para ajudar nestes casos”, conclui Maura.

-Publicidade-