Notícias

Quer ter seu próprio negócio? Saiba como dar o primeiro passo e se organizar

Como empreendedora, o trabalha acaba aumentando, mas te damos dicas para conseguir conciliar tudo

Yulia Serra

Yulia Serra ,filha de Suzimar e Leopoldo

(Foto: reprodução/Getty Images)

O empreendedorismo é o sonho de muitas mulheres atualmente. Com a chegada da maternidade, você pode se ver injustiçada no mercado de trabalho tradicional ou perceber que ele não se encaixa mais com a rotina que leva. Parece o plano B perfeito para solucionar este problema, mas não se engane: empreender não é sinônimo de menor carga de trabalho, mas sim o contrário.

De acordo com o Sebrae, em 2014, 67% dos empreendedores trabalharam mais de 40 horas por semana. É isso mesmo: começar um novo negócio exige esforço, compromisso e, principalmente, planejamento. O trabalho começa antes de a sua empresa estar pronta e vai além da sua atividade de formação. Você precisa fazer uma pesquisa profunda sobre o mercado, o produto, a concorrência, os clientes e a projeção financeira para conseguir desenvolver um plano de negócios.  

Faça isso no seu tempo. Não se cobre. O fundamental ali é a qualidade, porque esse passo determina se um empreendimento vai conseguir se sustentar a curto, médio e longo prazo. Aproveite esse tempo para conversar com pessoas que se relacionam com aquele mercado, entender o potencial do seu negócio na atualidade e como é possível fazê-lo crescer. O importante é se sentir segura para primeiro, para depois entrar de cabeça no mundo do empreendedorismo.

Continue com esse controle para que o seu trabalho tenha bons frutos. A criadora do canal Finanças Femininas e mãe de Beatriz, de 5 anos, Carol Sandler explica: “Esse monitoramento ajuda muito a entender o que você precisa fazer para continuar sendo o mais dona possível do seu tempo”. Mas calma. Isso não significa que você precisa fazer tudo sozinha. Não tem problema assumir que precisa de mais pessoas para ajudar.

Gerenciar o tempo entre família e trabalho pode trazer certas dificuldades

Como empreendedora, o volume de trabalho é muito grande, a responsabilidade é maior, os riscos são maiores. Você precisa gerenciar o marketing, a parte administrativa, financeira, produtiva… Mas sem pânico. O retorno, não apenas econômico, compensa! A sua agenda e horários ficam mais flexíveis, o prazer em trabalhar com algo que você acredita e ama não tem preço. O seu negócio acaba sendo como um filho.  

Mas equilibrar esse novo “filho” com a vida pessoal não é tão simples. Você não se desliga completamente do trabalho quando chega em casa. Se o celular bipa, você olha. Qualquer problema precisa ser resolvido o quanto antes e você acaba juntando os dois mundos. Faz parte. O tempo gasto com as duas atividades não deve ser medido em quantidade, mas sim qualidade. “Se hoje só deu para brincar meia hora com as crianças, não tem problema. Mas passe aquela meia hora ali. Sem celular”, explica Carol.

O tempo precisa ser tratado como algo sagrado. Sempre. Mas sem piração. A Carol dá uma dica: “Busque o equilíbrio ao longo do tempo. Não pense nas 24 horas do dia. Pense nas 168 horas da semana”. Nós somos muito imediatistas, mas a vida não funciona na mesma velocidade.  

Pesquise no seu tempo. Monte o planejamento no seu tempo. Ponha em prática o negócio no seu tempo. Administre no seu tempo. Enquanto isso, monitore os três principais indicadores de um bom empreendimento: faturamento, lucro e custos. Sempre tendo em mente: é preciso dar tempo ao tempo e o principal: se dar um tempo.

Leia também:

Quer ser a dona do seu próprio negócio? Conheça o projeto Nascer de Novo

10 principais questões para pensar antes de empreender

Essa mulher largou tudo para embarcar na aventura de empreender com a própria mãe