Criança

Crianças que se isolam podem estar mandando uma mensagem aos pais

Às vezes não é só questão de personalidade, fique atento!

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: iStock)

A interação social se dá a partir dos dois anos, segundo estudo americano. (Foto: iStock)

Se o seu filho gosta de ficar sozinho, é bom prestar atenção no comportamento porque as vezes ele não é só personalidade! Normalmente as crianças se enturmam com mais facilidade que os adultos, e a partir dos dois anos de vida, elas costumam demonstrar prazer e vontade de se juntar as outras crianças.

A Academia de Pediatria (AAP), fez um estudo que mostrou dados interessantes. Entre um e três anos, as crianças entendem o mundo por meio da imaginação, imitam situações da rotina e dão significados aos objetos ao seu redor. Já dos três aos cinco anos, as brincadeiras são mais complexas e em grupo. É nessa fase que as amizades aparecem na vida dos pequenos.

O isolamento social pode acontecer em alguns momentos, mas quando ele é frequente é preciso ficar de olho. Para a psicóloga Sabrina Leva, do Departamento de Saúde Escolar do Colégio Bom Jesus, aversão ao grupo, tristeza frequente, mudança de comportamento e apatia são sinais de que o isolamento se tornou prejudicial. “Se associado com determinados comportamentos como, por exemplo, atraso na linguagem, movimentos repetitivos, pode ser indício de transtornos ou ainda reflexo de casos ligados a agressões como bullying ou exclusão no grupo”, alerta a psicóloga.

(Foto: iStock)

O apoio da família ajuda a criança a enfrentar o isolamento social. (Foto: iStock)

As crianças precisam ser estimuladas ao convívio social desde cedo, e os pais são grandes responsáveis por isso. Assim, elas começam a desenvolver emoções e sensações sobre o outro, o que ajuda nos sentimentos mas complexos, como a empatia. “À medida que a criança desenvolve essa habilidade emocional, ela passa também a ter compaixão e cuidado com os outros, o que é fundamental para o estabelecimento de parâmetros morais adequados, como as noções de certo ou errado, avalia Sabrina.

O que eu posso fazer se o meu filho tem dificuldade?

Quando você percebe que o comportamento do seu filho não é normal, é preciso encorajar ele a convidar os colegas para brincar na escola, a conversar e a buscar interesses em comum. Diante de situações de conflitos com os colegas, é importante que você procure os educadores para entender o que fato está acontecendo. Demonstrar tolerância, afeto e generosidade também é uma boa saída.

Meu filho é tímido!