Criança

Pesquisador brasileiro desenvolve dispositivo que detecta autismo em crianças

O projeto auxiliará no diagnóstico medico

Letícia Vaneli

Letícia Vaneli ,filha de Alcides e Eugênia

O robô conversa com os pacientes e poderá detectar se eles possuem ou não o autismo (Foto: Reprodução/Rede RPA)

Anselmo Frizera Neto, membro do IEEE, Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos, está desenvolvendo um dispositivo que permite diagnosticar  crianças com transtorno do espectro de autismo, por meio da “aprendizagem de máquina”. Segundo os pesquisadores, o trabalho visa desenvolver uma ferramenta aberta baseada em tecnologia para auxiliar clínicos no diagnóstico e intervenções terapêuticas para crianças com autismo.

O sistema será alimentado com dados dos pacientes com suspeita da condição e, em seguida, ele avaliará se a pessoa possui ou não a condição. “Em um ambiente monitorado por câmeras e sensores, um robô interage com a criança. Cada reação é avaliada pelo sistema, que indica potenciais sintomas, possibilitando o diagnóstico precoce e o tratamento adequado”, contou o engenheiro. Ele garante que o dispositivo não substituirá o papel dos médicos, mas complementará o diagnóstico.

O dispositivo que auxiliará os médicos ainda está na fase de testes (Foto: Reprodução/Rede RPA)

O engenheiro e sua equipe trabalham com os dispositivos wearable, os quais permitem o indivíduo usar como uma peça de roupa ou acessório do dia a dia.Este tipo de tecnologia ajuda a aumentar a organização, inventiva a prática de exercícios, entre outras funcionalidades. Mas, no projeto de Frizera, o dispositivo poderá acompanhar a evolução clinica dos pacientes, principalmente em idosos, os quais, segundo ele, demandam um cuidado especial.

Graças ao projeto, a equipe conquistou o prêmio “Latin America Research Awards”, da empresa Google, que seleciona importantes pesquisas acadêmicas para investimento de R$ 2 milhões por um ano.

Leia também:

Homem doa esperma para banco de fertilização e 12 crianças nascem com autismo

Garoto com autismo está entre os 3% melhores escoteiros dos EUA:”Há muitas coisas que ele pode fazer”

Estudo revela ligação entre hormônio estrogênio e o autismo