Por que você não deve dizer ao seu filho para ‘agir como um homem’

Os meninos são frequentemente instruídos a “agir como um homem” enquanto crescem – e isso pode ser prejudicial, o Dr. Michael C. Reichert, autor de ‘Como criar um menino’, oferece cinco maneiras importantes de quebrar o molde

Resumo da Notícia

  • Saiba por que frases como 'agir como um homem' pode ser ruim para seu filho
  • A pressão da sociedade já pressiona bastante a criança
  • Os pais nesse momento precisam estar ao lado do filho

Mesmo com a melhor das intenções, quando os pais se preocupam em ensinar aos meninos lições sobre serem homens, isso pode reduzir seus filhos a projetos e negligenciar suas personalidades únicas para encaixá-los – muitas vezes à força – em padrões tradicionais.

-Publicidade-

A maioria dos meninos aprende a manter seus sentimentos privados, a suprimi-los e anulá-los. Com exceção da raiva, os meninos muitas vezes perdem o contato com o que sentem. Quando um menino atinge a idade adulta, estar emocionalmente presente provavelmente será um desafio. Uma série de resultados negativos está associada à supressão dos sentimentos dos meninos, desde o baixo desempenho acadêmico até comportamentos de risco à saúde, como uso de substâncias, brigas e imprudência.

Os pais precisam estar ao lado dos filhos e não pressioná-los
Os pais precisam estar ao lado dos filhos e não pressioná-los (Foto: Getty Images)

O que mais fundamenta os meninos, no entanto, são suas conexões com aqueles que os conhecem e os amam. Nenhum de nós pode tornar seus filhos invulneráveis, mas nunca devemos desconsiderar o poder de nossas conexões para fortalecê-los e mantê-los seguros.

Criando Filhos

Essas são estratégias baseadas em evidências que podem ajudar os pais de meninos a desenvolver uma metavisão do trabalho e responder a algumas de suas perguntas urgentes. O artigo é construído em torno de um conjunto de temas de desenvolvimento e oferece informações, habilidades relevantes e listas de prós e contras, organizadas em cinco lições.

Defenda seu filho

Advogar pelos meninos envolve, primeiro, entender a ameaça representada pelas pressões sociais que eles enfrentam. Para a maioria dos meninos, essas pressões começam praticamente desde o início, quando um bebê é silenciado por chorar e dito para ser um “agir como homem”. Mais tarde, se o menino brincar com bonecas ou outros brinquedos codificados como femininos, é provável que seja redirecionado ou até envergonhado. Convidar garotas para suas festas ou tê-las como amigas muitas vezes provoca o mesmo tipo de policiamento de gênero. Mais tarde ainda, em campos esportivos ou parquinhos escolares, aumentam as pressões para que os meninos se adequem às expectativas estereotipadas: amar a competição, jogar com dor, buscar o domínio e assim por diante.

Nesses momentos, os pais podem ajudar de muitas maneiras: interferindo, normalizando as lutas do menino, certificando-se de que seu relacionamento seja um refúgio. Por exemplo, quando as pressões para se conformar estão sobrecarregando um menino, o pai pode perguntar se ele gostaria de ajuda para lidar com a situação. Eles podem debater ideias sobre o que pode ser feito, em parceria com ele para refletir sobre a situação. À medida que o filho cresce, pode sentir-se envergonhado por precisar da ajuda dos pais; nesses momentos, contar histórias de suas próprias batalhas com as normas de gênero pode aliviar seus sentimentos de constrangimento e humilhação. Às vezes, os pais ficam confusos com prioridades concorrentes, como estabelecer limites e validar calorosamente o filho. Peço que pensem primeiro sobre a situação geral: que tipo de pressão o menino está sofrendo e como isso o afeta? Do que ele precisa mais: limites e palestras ou acolhimento e descanso?

Defender seu filho fará com que você se aproxime dele
Defender seu filho fará com que você se aproxime dele (Foto: Getty Images)

Como pais, devemos fazer julgamentos estratégicos e ter em mente o objetivo maior: capacitar nossos filhos para enfrentar pressões, buscar ajuda sempre que seus recursos pessoais precisarem de um impulso. Ser um bom aliado de um menino significa acolher e validar suas lutas, não importa o que aconteça, ao mesmo tempo em que mantém altas expectativas de sua capacidade de descobrir sua própria vida.

Ofereça um senso de identidade

Como as pressões dos colegas da infância são tão intensas, é preciso um forte senso de identidade para evitar normas negativas. Como pais, precisamos lembrar que nossa conexão com nossos filhos é sua principal fortificação, evitando o comprometimento excessivo.

Como cultivar uma forte conexão com nossos filhos? Uma maneira é aprender a habilidade muito particular de espelhar. Os pais podem praticar isso com um parceiro próximo, se revezando para compartilhar tudo o que admiram e amam em seus filhos. Seja o mais específico possível e conte histórias sobre momentos reais em que seu filho revelou a pessoa especial que ele é. Esse tempo de prática não apenas prepara os pais para oportunidades da vida real com seu filho, mas também aprofunda sua habilidade de validação e de oferecer uma consideração genuinamente positiva, não mitigada por preocupações ou críticas. Como resultado, os padrões de encontrar falhas ou ser sequestrado por problemas pessoais tornam-se mais conscientes e controláveis.

Encontrar um interesse ou identidade comum, oferecer ajuda cuidadosamente ajustada à necessidade real do menino e ser paciente e acessível são outras estratégias relacionais úteis. Como o roteiro cultural dos meninos não é depender dos pais, é importante que os pais se coloquem à disposição dos filhos e mantenham um grande interesse em suas vidas.

Incentive a Expressão Emocional

A consciência emocional e a expressividade se desenvolvem nos relacionamentos. Espera-se que os meninos compartilhem seus sentimentos apenas quando estão protegidos de vergonha e julgamentos. Quando as barreiras e ameaças são removidas, os meninos não hesitam: eles anseiam por contar suas histórias. A princípio, seus sentimentos podem ser crus e desagradáveis, até mesmo raivosos, e podem ser direcionados aos pais. Mas é no relacionamento com um pai incondicionalmente amoroso que os meninos descobrem como fazer o trabalho duro de permanecer conectados, mesmo quando seus sentimentos querem afastar todos.

A habilidade de ouvir os sentimentos dos meninos é simples e desafiadora. O estresse que os pais suportam pode torná-los desatentos, irritáveis ​​e emocionalmente reativos quando seus filhos se comportam de forma irracional. Mas quando apenas reagimos a nossos filhos, perdemos oportunidades de superar seu comportamento para o transtorno que o está causando.

Para desenvolver a habilidade de ouvir, os pais devem primeiro aprender a silenciar nossos monólogos internos e irradiar atenção, carinho e interesse. Quando um pai consegue atrair atenção, tudo o que é necessário é encontrar o menino e simplesmente direcionar a atenção para o seu caminho – se ele estiver jogando ou assistindo a um programa, sentar-se ao lado dele e se interessar pelo que ele está fazendo sem alterar o fluxo. do jogo. Durante os passeios de carro, encontre uma pergunta para fazer que expresse uma curiosidade genuína e aberta sobre alguma parte de sua vida que ele gosta: “Que música é essa que você está ouvindo?” “O que aconteceu naquele programa que você assistiu?” “Como o time que você segue se saiu no último jogo?” A questão não é exigir que o menino explique alguma coisa ou mesmo ajude você a entender; cabe ao filho sentir a atenção de seus pais como agradável.

Não tem nada de errado em chorar e demonstrar sentimentos
Não tem nada de errado em chorar e demonstrar sentimentos (Foto: Getty Images)

À medida que os pais exercitam seus músculos de escuta, a qualidade de sua atenção se aprofundará e será menos vulnerável a distrações ou desvios. E como os meninos acham que ser ouvido é uma experiência positiva, eles se inclinam. Com esse estado conectado como base, a recompensa real vem quando o menino procura uma caixa de ressonância ou um ouvido reconfortante. Uma vez que a confiabilidade e o benefício de serem ouvidos são estabelecidos, os meninos ficam mais abertos e conectados emocionalmente. Eles são menos propensos a perder o contato com seus corações.

Acima de tudo, um pai nunca deve responder às vezes em que o filho compartilha seus sentimentos dando conselhos. Ser ensinado a pensar é um substituto ruim para se tornar melhor em pensar por si mesmo, e muitas vezes parece desrespeitoso. A maioria dos meninos, principalmente à medida que envelhecem, insiste na liberdade de tomar suas próprias decisões e está disposta a sacrificar totalmente a fala para evitar ser questionada ou ser repreendida.

Exercer Autoridade

Os grupos de meninos tendem a se separar dos adultos, testam ativamente os limites e o poder das regras adultas, exercem pressão sobre seus membros para não delatar, excluir e maltratar as meninas e encorajam os membros a recorrer a dispositivos e substâncias digitais para lidar com sentimentos reprimidos. Os pais dos meninos precisarão estabelecer limites e guiá-los para longe dos valores da cultura dos pares. A menos que o pai administre adequadamente os momentos em que o filho age, ele terá mais dificuldade em aprender a se conter.

Quando os pais estabelecem um limite, é uma forma de comunicar que veem o filho como uma pessoa capaz e moral, capaz de superar qualquer dor ou estresse que ele sinta para se comportar de maneira mais adequada. Sem uma percepção consciente real, os meninos esperam que os pais se mantenham firmes contra seus comportamentos agressivos ou de teste. Mas eles esperam que seus pais o façam de maneira que não comprometa ou enfraqueça sua conexão ou seu senso de aceitação, dificuldades e tudo mais. Para encontrar o equilíbrio certo, o exercício da autoridade dos pais deve ser estratégico e não reativo. Os limites devem sempre derivar de uma consideração cuidadosa da situação e da disposição de ouvir qualquer perturbação que possa estar causando o comportamento irracional. As reações que derivam do aborrecimento dos próprios pais tendem a ser inconsistentes, insustentáveis ​​e podem inadvertidamente reforçar o teste de limite e a resistência vigorosa.

Promover a Autonomia

O ideal de independência como um isolamento do tipo ‘machão’ continua a ser uma imagem cultural poderosa. Mas no desenvolvimento saudável, a independência é menos o objetivo do que a autonomia alcançada por meio de iniciativa, julgamento e confiança. Para favorecer este fim, os pais devem acompanhar o filho nos desafios sem assumir automaticamente o comando sempre que ele vacila ou comete um erro. Em vez disso, como um bom treinador, os pais transmitem confiança e servem como receptáculos seguros para sentimentos de frustração ou derrota à medida que surgem.

De uma maneira contra intuitiva, a autonomia realmente emerge naturalmente nos relacionamentos, em vez de se afastar ou se afastar. O quão habilmente os pais conseguem manter-se conectados com seus filhos e ser honestos com eles sobre valores importantes e necessidades familiares pode ser o teste final de sua capacidade de apoiar a independência de seus filhos.

Deixe seu filho ter autonomia
Deixe seu filho ter autonomia (Foto: Shutterstock)

Embora o compromisso e a negociação sejam sempre necessários em qualquer relacionamento, os conflitos aparentes geralmente desaparecem quando o respeito, a escuta e a liberação de sentimentos tensos são incentivados. É provável que sempre haja uma solução em todos os conflitos, uma vez que os sentimentos dolorosos são eliminados. Para encontrar um equilíbrio saudável entre manter a conexão e apoiar o desejo do filho de abrir as asas, os pais geralmente precisam rever como sua própria necessidade de autonomia foi tratada em suas famílias – e como essas experiências influenciam seu relacionamento com o filho.

Extraído da revista Parents, copyright ©️ 2019 Meredith Corporation. Todos os direitos reservados. Reimpresso com permissão. Sujeito às leis e tratados nacionais e internacionais de propriedade intelectual. Parents®️ é uma marca registrada nos EUA da Meredith Corporation.