Família

Disney sem gastar muito: é possível? Veja as dicas!

Ir à Disney é uma farra nos brinquedos e, também, na 'gastação'. Vamos dar dicas de como aproveitar tudo e não voltar economicamente quebrada?

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Ir à Disney é o sonho de toda a criança (Foto: Copyright Disney)

 

Patrícia Broggi é mãe do Luca e do Tiago, jornalista e aprendeu economia no dia a dia. É dessa experiência que ela tira inspiração para a sua coluna “Falando de grana”. Dessa vez, ela veio provar que é possível, sim, viajar para a Disney sem gastar muito.

Meu bebê, Tiago, tem 20 anos e do alto dos seus quase 1m90 de altura me convidou para ir à Disney. Respondi sim na hora! Aproveito qualquer oportunidade para passar uns dias com ele, que mora na Califórnia (vivo com saudades!). O Antonio, meu marido, veio meio a contragosto. Odeia fila, montanha-russa e compras – tudo o que tem de sobra por lá. Para mim é sempre divertido. Mas tem uma coisa que me intriga: Orlando é o centro dos gastos do mundo. Você desembolsa nas entradas, comidas, lembrancinhas e ainda vai co shopping, ao outlet… Haja dinheiro! Por esse ângulo, é uma viagem dificílima. Por outro lado, a tentação de gastar é também a oportunidade de aprender a se controlar e ensinar o seu filho. E no final, gastar sim, mas com responsabilidade. Então separei algumas dicas para encarar uma maratona como essa:

 

Comida

Se estiver com bebê, lembre-se do Baby Care Center (todos os parques têm). O espaço oferece infraestrutura para aquecer mamadeira ou papinhas, amamentar e até uma sala de espera. Pena que não dá para aquecer a comida para a família inteira… Aí o jeito é levar sanduíches na mochila e comer num cantinho do parque, se não quiser gastar nos restaurantes. Outra atitude bastante sábia: levar garrafa de água. Você leva na mochila e vai recarregando nos bebedouros para não gastar à toa.

 

Compras

Determinar com antecedência com seus filhos como vai ser é imprescindível, mais importante ainda, ser firme e se ater ao combinado. Se as crianças forem pequenas é mais fácil definir uma quantidade de lembrancinhas. A cada compra você relembra se ele tem certeza, se não quer ver o que tem mais para frente, ensine-o a escolher. Se forem maiores e souberem fazer contas, vocês podem estipular um valor em dinheiro e aí eles decidem se querem algo caro ou preferem muitas coisas mais baratas, se vão gastar tudo no primeiro dia e ficar sem nada para depois… Ou se vão voltar com dinheiro no bolso para a próxima viagem.

 

Ingressos

Logo que souber a data da viagem, é importante pesquisar os ingressos, analisar as ofertas de compras casadas, planejar. Desta vez deixei um dos parques para a última hora e acabei pagando mais caro. Erro meu!

 

Hospedagem

Reserve alguns dias para aproveitar o hotel ou a casa que estiver hospedada (aliás, boa opção principalmente se estiver em grupo). Esses lugares têm área de recreação com piscinas, tobogãs, pedalinhos… Vocês descansam dos parques e aproveitam a diversão que já está paga.

 

Shoppings e Outlets

Tem gente que nem se aventura nesses programas, acredita? Compra com antecedência pela internet mesmo, evita expor os filhos ao consumismo e perder tempo em lojas. Eu, apesar de ser bem cuidadosa com gastos, gosto de uma loja, admito. O que sempre fiz foi ir às compras no final do dia, que a gente já está cansada, então não exagera. E ter uma lista do que você gostaria e um budget para isso. Aí se diverte vendo vitrines, mas só gasta no que realmente vale.

 

Leia também:

Educação financeira: a importância de ler sobre dinheiro e economia com o seu filho

10 coisas que você não sabia sobre o mundo de Harry Potter em Orlando

Viaje para Orlando de um jeito completamente diferente: conheça o Magic Village