Estudo mostra que mulheres dedicam quase o dobro do tempo dos homens nas tarefas de casa

21,3 horas para elas e apenas 10,9 para eles

O estudo foi divulgado pelo IBGE (Foto: Shutterstock)

Um estudo do IBGE provou que divisão das tarefas domésticas é bastante desigual entre homens e mulheres. De acordo com a pesquisa, elas trabalham quase o dobro de horas dos homens nos serviços de casa e cuidado com parentes.

Em números, as mulheres trabalham cerca de 21,3 horas por semana nessa função enquanto os homens apenas 10,9. O resultado foi divulgado nesta sexta-feira (26) e surpreendeu pela diferença.

A situação continua desigual quando a pesquisa compara a soma de tempo dedicado as tarefas domésticas, cuidado de pessoas e jornada de trabalho. Enquanto as mulheres trabalham 53,3 horas por semana, os homens chegam em 50,2 horas por semana, ou seja, elas trabalham 3,1 horas a mais que eles.

“Há um fenômeno estrutural, que é as mulheres fazerem mais afazeres domésticos que os homens. A taxa de participação dos homens até vem caminhando um pouco no sentido de melhorar, mas ainda é um problema estrutural”, comentou a analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE, Mariana Aguas ao Estadão.

Os dados mostram essa melhora da participação masculina. De 2016 para cá, mais de 11,1 milhões de homens começaram a se dedicar aos serviços domésticos. Mas a pesquisa indica que ainda há muito a ser feito.

A participação feminina quanto a preparo de alimentos, limpeza de roupas e calçados e limpeza da casa foi superior a dos homens. O único item que eles apresentaram maior influência foi nos pequenos reparou ou manutenção da casa, automóvel e eletrodomésticos.

No quesito cuidado de pessoas, as mulheres também superaram os homens, sendo as principais tarefas atividades educacionais, ler ou brincar, transportar ou acompanhar a médico e escola e monitorar ou fazer companhia. No total 145,1 milhões de brasileiros com mais de 14 anos fizeram atividades domésticas, sendo 82,1 milhões mulheres e 68 milhões homens.

Leia também:

Estudo mostra que crianças que ficam mais de duas horas com celulares podem desenvolver TDAH

IBGE chama atenção para o aumento no número de mães com mais de 30 anos

Como ajudar seu filho a fazer lição de casa (sem fazer pra ele)