Família compra mais de 2.000 rolos de papel higiênico por acidente e resultado é hilário

Enquanto o mundo se preocupa com o número crescente de casos de coronavírus, um casal na Austrália encontrou, no meio da pandemia, um motivo para rir: um trono de papelão

Resumo da Notícia

  • Devido ao aumento dos casos de coronavírus, diversas pessoas começaram a estocar, em suas casas, suprimentos básicos
  • Um casal acabou errando nas contas e comprou 2.304 rolos de papel higiênico
  • O resultado desse erro é um hilário trono de caixas de papelão
  • O erro pode servir de inspiração para milhares de pessoas que entram em pânico por conta de pandemias
  • Psicologa explica a importância de manter a calma em momentos como esse

Família compra mais de 2mil papeis higiênicos por engano (Foto: reprodução Tissue Online)

Enquanto o mundo se preocupa com o número crescente de casos de coronavírus, um casal na Austrália encontrou, no meio da pandemia, um motivo para rir: uma montanha de papel higiênico que Haidee Janetzki comprou acidentalmente.

-Publicidade-

Haidee pretendia comprar 48 rolos de papel higiênico, mas, em vez disso, encomendou 48 caixas. Somente quando 2.304 rolos apareceram na casa dos Janetzkis que ela percebeu o erro. Seu marido, Chris, postou um vídeo sobre o incidente no Facebook, observando que, enquanto as pessoas ao redor do mundo estão discutindo sobre itens essenciais em grandes lojas, sua família está “sentada confortavelmente” em um trono literal feito de caixas de papel higiênico.

-Publicidade-

Posted by Chris Janetzki on Wednesday, March 4, 2020

Em entrevista ao site americano Parents, Chris contou: “Nós dois estávamos incrédulos com o tamanho do erro que havíamos cometido. Verificamos rapidamente o cartão de crédito para ver quanto foi cobrado e ficamos surpresos com o fato de Haidee ter cometido um erro tão grande”. 

O que aconteceu com os Janetzkis serve como um alerta para o mundo inteiro, pois os medos relacionados a doenças inspiram as pessoas a entrar em pânico ao em vez de se prepararem para medidas extremas de distanciamento social ou uma possível quarentena.

É verdade que o Departamento de Segurança Interna dos EUA aconselhou os americanos a manter pelo menos duas semanas de alimentos, produtos de higiene pessoal e suprimentos médicos em mãos em caso de pandemia. Mas, em muitos casos, a preparação pragmática se transformou em pânico em grande escala. Vídeos nas mídias sociais mostram pessoas fazendo fila para limpar as prateleiras em mercados locais.

O pânico nesses cenários é realmente contagioso. O psicólogo Steven Taylor, autor de The Psychology of Pandemics (A Psicologia das Pandemias, em tradução literal) e professor da Universidade da Colúmbia Britânica, disse à CNN: “Quando as pessoas dizem que algo perigoso está por vir, mas tudo que você precisa fazer é lavar as mãos, a ação não parece proporcional à ameaça. (…) Nessas situações, se as pessoas acreditam que um item é ou se tornará escasso, elas naturalmente começam a entrar em pânico, e as fotos nas mídias sociais pode alimentar esse pânico ainda mais”, observa ele.

Em outras palavras, o pânico gera pânico. E estar completamente apavorado não está fazendo nenhum favor a ninguém quando se trata de manter o vírus sob controle. O estresse faz com que os estoques do hormônio cortisol aumentem, aumentando a inflamação no corpo e afetando negativamente a produção de glóbulos brancos que combatem a infecção.

Dito isto, é melhor canalizar a ansiedade para a preparação versus o pânico. Em um comunicado à imprensa, a psicóloga da UC San Francisco Elissa Epel, Ph.D., que estuda o estresse, explicou: “Enquanto alguma ansiedade nos ajuda a lidar com o caso, a ansiedade extrema pode se transformar em pânico por coronavírus. Quando estamos em pânico, sofremos, estressamos nossos filhos e é mais provável que cometamos erros e nos envolvamos em decisões e comportamentos irracionais “. Epel disse que as pessoas não devem se sentir tolas ou envergonhadas por tomar precauções razoáveis, como seguir os conselhos de segurança dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, que incluem lavar as mãos com frequência, ficar em casa se você não se sentir bem, dormir o suficiente e cuidar bem do seu sistema imunológico. “Preparar um plano para o futuro, como minimizar a exposição a grandes multidões, faz sentido e pode ajudar a reduzir a ansiedade”, diz Epel. “Durante esse período de incerteza, é importante manter sua rotina de autocuidado, ou até acrescentar algo a ela, para reduzir sua ansiedade somática, a ansiedade que armazenamos em nossos corpos”.

 Certamente, ter certos itens essenciais à mão pode oferecer uma sensação de segurança. Mas é confortante saber que existem maneiras de lidar com os medos do coronavírus que não exigem uma montanha de papel higiênico.

Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!

-Publicidade-