Pesquisa mostra que casais que brigam durante gravidez podem gerar crianças com problemas de comportamento

O estudo foi feito pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido, em conjunto com as Universidades de Birmingham, Nova York e Leiden

Filhos tendem a ter mais problemas comportamentais quando presenciam brigas entre os pais (Reprodução)

A dinâmica no relacionamento dos pais durante a gestação é super importante para o crescimento e desenvolvimento das crianças, podendo afetar os campos pessoais e profissionais quando alcançarem sua fase adulta. Estudos realizados pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido, em conjunto com as Universidades de Birmingham, Nova York e Leiden, mostraram que o comportamento dos filhos é muito decorrente as maneiras da família enquanto a mãe está grávida.

-Publicidade-

Usando um questionário, a pesquisa apresentou que a maior parte das mulheres sofreram um período de ansiedade e depressão no terceiro trimestre de gravidez e os resultados foram surpreendentes. Todos os filhos dessas mães apresentam algum problema comportamental, como birra, inquietação e ansiedade.

Entretanto, o estudo também mostrou que a partir dos 6 meses, os bebês já estão dispostos a sofrer algum trauma devido as discussões dos pais.  É preciso destacar também que, na maioria das vezes, pequenas discussões cotidianas são parte da vida e têm um impacto nulo ou muito pequeno nos pequenos. O que realmente afeta as crianças são comportamentos como gritos e demonstrações de raiva diante dos filhos.

-Publicidade-

Essas crianças, portanto, tendem a ter batimentos cardíacos mais acelerados e níveis mais altos de estresse – o que, por sua vez, prejudica a formação de conexões neurais nos cérebros infantis. Conflitos entre os pais podem, portanto, provocar consequências no desenvolvimento cerebral, distúrbios do sono, ansiedade, depressão, indisciplina e outros problemas graves em bebês, crianças e adolescentes

Portanto, é totalmente normal que ocorra alguns desentendimentos e a falta de concordância entre o casal. O problema está na intensidade e na quantidade. Quando as brigas começam a ficar mais sérias e com maior frequência, é preciso tomar cuidado e tentar resolver a situação para que os filhos não sofram futuramente.

Leia também: 

Como lidar com brigas entre irmãos 

Noiva briga com madrinha grávida por ficar com a mão na barriga: “Pedi que ela agisse como uma pessoa normal”

Ombro amigo: crianças que têm irmãos sofrem menos com brigas dos pais