‘Sinal Vermelho’: campanha ajuda mulheres a denunciar violência doméstica com apenas um símbolo

Conheça mais sobre esse projeto tão importante! Para relatar, as vítimas não precisarão usar a internet ou o telefone, mas sim, apenas a palma da mão e um batom ou caneta

Resumo da Notícia

  • Conheça a campanha Sinal Vermelho
  • Ela foi criada para ajudar mulheres que sofrem com a violência doméstica
  • Essas vítimas poderão denunciar de forma fácil e rápida
  • Veja como e o que precisa ser feito

Você já ouviu falar da campanha ‘Sinal Vermelho’? Criada pelo Conselho Nacional (CNJ) em conjunto com Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), a campanha pretende ajudar mulheres que sofrem de violência doméstica a denunciar o agressor. Para fazer isso, os órgãos criaram uma forma simples e rápida para essas denúncias: um símbolo na palma da mão.

-Publicidade-

É isso mesmo! Para encorajar essas mulheres, a campanha desenvolveu uma forma quase imperceptível de realizar a denúncia. As vítimas não precisarão ligar, usar a internet ou fazer qualquer outra coisa que possa alarmar o agressor, mas sim, apenas ir à farmácia, desenhar um “X” na mão e mostrar ao farmacêutico ou ao atendente da farmácia. Após a denúncia, os profissionais das farmácias seguem um protocolo para comunicar a polícia e ao acolhimento à vítima. Balconistas e farmacêuticos não serão conduzidos à delegacia e nem chamados para testemunhar.

Campanha Sinal Vermelho (Foto: reprodução AMB)

A ação, que foi lançada no dia 10 de julho deste ano, já conta com a participação de mais de 10 mil farmácias em todo o país, e é uma resposta conjunta de membros do Judiciário ao recente aumento nos registros de violência em meio à pandemia. Como as pessoas estão passando mais tempo em casa, registros apontam que uma das consequências da quarentena é a exposição de mulheres e crianças a uma maior vulnerabilidade dentro do próprio lar. “A vítima, muitas vezes, não consegue denunciar as agressões,\ porque está sob constante vigilância. Por isso, é preciso agir com urgência”, explicou a presidente da AMB, Renata Gil, que é juíza criminal no Rio de Janeiro há 22 anos, em uma nota divulgada à imprensa.

-Publicidade-

Ainda de acordo com ela, campanhas que facilitem esse tipo de denúncia podem auxiliar pessoas que sofrem. “Várias situações impedem a notificação da forma como ela deveria ocorrer, porque as vítimas normalmente têm vergonha, têm receio do seu agressor, e medo de morrer. Assim, a campanha é direcionada para todas as mulheres que possuem essa dificuldade de prestar queixa”, afirmou.

-Publicidade-