Gravidez

Larissa e Lili, do vôlei de praia, anunciam gravidez depois de duas tentativas: “É alegria da alma”

As atletas postaram a notícia no Instagram

Ingrid Campiteli

Ingrid Campiteli ,filha de Sandra e Paulo

Lili e Larissa são casadas há três anos. (Foto: Reprodução / Instagram @lili_maestrini)

Na manhã desta sexta-feira, 28 de junho, as jogadoras de vôlei de praia Larissa França e Lili Maestrini anunciaram que estão esperando o primeiro filho. As atletas são casadas desde 2013 e Lili está na 24ª semana de gestação quando decidiu compartilhar a notícia aos fãs.

“Deus mais uma vez, na sua infinita bondade, nos encaminhou e permitiu que se realizasse o sonho mais lindo das nossas vidas. Sim, aqui está o nosso pacotinho de amor. E como ele está grandão! Já é tão amado por toda família. Eu e minha princesa estamos felizes e decidimos compartilhar essa felicidade com vocês também. É tudo tão intenso que sorrisos já não nos bastam mais. É alegria da alma. É uma alegria que vem do Papai do céu “, escreveu Lili.

Esta é a terceira vez que o casal tenta engravidar. A primeira aconteceu em 2013, quando Larissa passou por um tratamento de fertilização e ficou grávida, porém foi interrompida na oitava semana. No ano seguinte, a tentativa com a medalhista olímpica também não deu certo.

Depois de duas tentativas de fertilização não sucedidas, foi a vez de Lili passar pelo tratamento, deixando vivo o sonho das jogadoras de formarem uma família, e muito animadas para se tornarem mães.

 

“Aqui está o nosso pacotinho de amor”, escreveu Lili. (Foto: Reprodução / Instagram @lili_maestrini)

Inseminação artificial x Fertilização in vitro: qual a diferença?

A inseminação artificial consiste em encurtar o caminho percorrido pelos espermatozoides. Ou seja, o sêmen do parceiro ou de um banco de espermatozoides é coletado e introduzido diretamente no útero da mulher para então fecundar o óvulo e gerar o feto. “É um método de baixa complexidade, como se a gente desse uma ajudinha para a natureza”, explica a Dr. Melissa, especialista em reprodução assistida da Huntington Medicina Reprodutiva.

Conhecida também como FIV ou “bebê de proveta”, a fertilização in vitro é um procedimento mais complexo. Nela, a origem da vida acontece fora do corpo da futura mãe. De acordo com Melissa, esse método é indicado quando as tubas uterinas são obstruídas, impedindo a fertilização natural, ou pouco competentes, além de casos de endometriose profunda, ovário policístico, idade mais avançada da mulher, homens com alteração no sêmen — como baixa concentração ou mobilidade — e possíveis alterações genéticas que podem ser transmitidas ao bebê.