Meu filho fez xixi na cama, e agora? Te explicamos os motivos e como lidar com a situação

Você, como mãe ou pai, já deve ter ouvido muitas informações falsas sobre xixi na cama sem saber. Calma, podemos te dizer que a verdade é bem menos assustadora

 

(Foto: Getty Images)

Segundo David L. Hill, pediatra americano, sempre que os pais agendam uma consulta e não dizem o motivo, os médicos já esperam ouvir: “Meu filho está fazendo xixi na cama durante a noite”.  Isso porque eles acham vergonhoso falar sobre o problema, o que pode ser compreensível, mas não deixa de ser preocupante também. Essa tentativa de esconder a enurese noturna faz com que haja mais desinformação e algumas informações falsas, dificultando os tratamentos e, até mesmo, o diagnóstico. Por isso, chegou a hora de desvendar de vez cinco mitos sobre xixi na cama.

“As outras crianças não fazem isso”

É muito triste deixar que seu filho acredite que ele é a única criança que enfrenta a enurese noturna. Na verdade, 20% das crianças até cinco anos fazem xixi enquanto dormem, e, a cada ano, apenas 15% delas param, segundo o especialista. Outros dados apontam que 10% das crianças do Ensino Infantil fazem xixi na cama, assim como 3% dos estudantes do Ensino Fundamental. E para deixar de lado esse sentimento, basta lembrar da sua própria infância. Quase 50% das crianças que fazem xixi na cama têm pais ou mães que também passaram pelo mesmo problema quando crianças. Mas mesmo sabendo que poderiam ajudar e confortar o filho, muitos pais têm vergonha de confessar isso.

“As crianças que fazem xixi são preguiçosas e não conseguem se levantar à noite”

Muito pelo contrário! As crianças que molham a cama geralmente se sentem envergonhadas disso e fariam qualquer coisa para resolver o problema. Essa ideia é tida como verdade, mesmo quando o seu filho tem esses acidentes de vez em quando. “Muitas crianças não fazem xixi na cama todas as noites”, afirma Howard Bennett, autor do livro “Max Archer, Kid Detective: The Case of the Wet Bed”– em português, “Detetive mirim: o caso da cama molhada”. Se um dia você acordou, viu que teria que lavar e secar outro lençol, lembre-se de reconfortar seu filho, pois ele estará tão triste quanto você.

Nunca dê broncas ou tente disciplinar a criança por causa do problema. Evite também comprar um novo colchão ou um novo lençol para o irmão e não fazer o mesmo para a criança que molha a cama. Isso pode soar como um tipo de punição e será muito doloroso para o seu filho.

“Crianças que molham a cama têm a bexiga fraca”

Quem tem esse problema geralmente tem a bexiga menor, mas não mais fraca. A principal questão não é essa, e sim a capacidade das crianças de despertarem durante o sono. Isso significa que aquelas que têm sono mais leve e costumam acordar mais vezes durante a noite, dificilmente terão de enfrentar a enurese noturna. Por outro lado, meninos e meninas que acabam fazendo xixi na cama, geralmente têm sono mais pesado, ou seja, são mais difíceis de despertar conforme as horas de sono passam. Para ajudar, alguns especialistas sugerem que os pais acordem os filhos durante a noite para uma visita rápida ao banheiro. É válido testar a estratégia, mas é bom lembrar que ela não é garantia de uma noite sem ‘vazamentos’.

“Molhar a cama é um problema de comportamento e não é uma condição médica”

Fazer xixi na cama pode ser um sintoma de diversas condições médicas, incluindo infecções no trato urinário, doenças nos rins e no sistema endócrino (como a diabetes). Essas condições aumentam a produção de urina pelo organismo. Por isso, quando avisar o pediatra sobre o problema, ele provavelmente vai colher uma amostra
de urina para detectar uma dessas condições.

O problema pode estar também em aspectos físicos próximos à uretra, como a fusão dos pequenos lábios (uma pele que pode fechar parcialmente a abertura da vagina) e o refluxo vesicoureteral (fluxo anormal de urina, responsável por fazer a urina retornar dos ureteres para a bexiga). Em alguns casos mais raros, os ureteres se conectam à vagina, em vez da uretra, causando vazamentos mais constantes.

É possível que o problema não esteja relacionado ao sistema urinário. A apneia do sono, distúrbio que causa uma pausa na respiração ou torna a respiração mais superficial durante o sono, também deve ser considerada na avaliação médica. Ela acontece, geralmente, porque a criança tem as amígdalas ou as adenoides aumentadas.

A constipação também pode ser uma das causas. Se uma massa de fezes torna-se grande o suficiente, ela pode empurrar a parte de trás da bexiga, causando espasmos. Isso leva aos escapes durante o dia e durante a noite. Além disso, os nervos que controlam a uretra e o ânus estão conectados. Então, segurar uma massa de fezes pode afetar no funcionamento da uretra também. Mas ao identificar o problema, é fácil encontrar uma solução, seja com a mudança de hábitos alimentares (comer mais frutas, vegetais e grãos e menos carne, queijo e comidas industrializadas), fazer uso de laxantes ou mesmo fazendo fisioterapia.

“Preciso resolver o problema agora”

Até os seis anos de idade, o principal é assegurar ao seu filho que molhar a cama é completamente normal e que você não está brava ou chateada com ele. E, claro, dizer que ele vai conseguir resolver o problema também ajuda muito. Além disso, você pode conversar com o pediatra para resolver outras condições médicas que podem estar relacionadas ao problema. Vale considerar alguns ajustes na rotina, como cortar a cafeína depois das 16h, limitar  ingestão de líquidos depois das 19h, orientar o seu filho a ir ao banheiro antes de dormir e acordá-lo para fazer xixi durante a noite. Enquanto isso, não se preocupe. Ah, e vale comprar um colchão ou lençóis impermeáveis também!

5 RAZÕES PARA PROCURAR UM MÉDICO:
Marque uma consulta caso o seu filho apresente um desses sinais.

  • O ‘vazamento’ acontece durante o dia também
  • Dor ao fazer xixi
  • Gotejamentos depois de urinar
  • Dificuldade para começar o fluxo de urina
  • Depois de seis meses (ou mais) de noites secas, os vazamentos voltam a acontecer

Passo a passo:
Alicia Eaton, autora de “Pare de fazer xixi na cama durante 7 dias”, tem dicas que prometem resolver o caso. Veja algumas:

  • Mantenha um diário: Saber quantas vezes seu fi lho fez xixi num dia é importante para solucionar o problema.
  • Não dê recompensas: Punições não funcionam, e recompensas também não. Quando elas esperam ganhar alguma coisa em troca, podem se pressionar e ter um desempenho pior.
  • Como elogiar: Elogie o esforço com a intenção de que continue, isso irá motivá-lo e fará com que
    ele se sinta disposto a superar os desafios.
  • Proteção: Tenha sempre algumas roupas de cama extra, assim como uma capa protetora para colchão.
  • Mudança de hábitos alimentares:  Alguns alimentos como frutas à base de água, como morangos, melões
    e melancia, têm efeito diurético.

Leia também:

Vídeo de bebê no penico brigando com o pai vai te fazer morrer de rir: “Não! Eu não fiz cocô, fiz xixi!”

Atriz fala sobre os perrengues da gravidez: “Eu faço xixi em mim mesma”!

Estudo promete fazer crianças pararem de fazer xixi na cama em 7 dias