7 dicas sobre o Fortnite que você precisa saber

A febre do game chegou até a tua casa? Tudo bem, você não está só

A questão principal é que o jogo não foi feito para crianças (Foto: iStock)

Famílias no mundo todo têm ouvido os seus filhos implorarem para terem acesso ao Fortnite. Esse jogo atrai o interesse de crianças entre 8 e 12 anos como não se via desde a febre do Pókemon Go.

A questão é que esse jogo não foi desenvolvido para essa faixa etária. E pra poder decidir melhor e ter uma conversa bem franca com a sua criança sobre o que esse jogo representa, vou deixar 7 dicas importantes sobre o Fortnite que valem também como dicas de segurança e responsabilidade no uso de qualquer game.

1 – Classificação etária de game existe?

Sim. Todos os games são submetidos a uma classificação de indicação de faixa etária mais apropriada. A ESRB (Comitê de Classificação de Softwares para Entretenimento) é o órgão que realiza a classificação etária dos jogos e aplicativos digitais. Vários fatores são levados em consideração na hora de classificar um game. A ideia não é censurar mas garantir ao usuário de que ele esteja consumindo conteúdo apropriado para a suas capacidades cognitivas. Assim o entretenimento será seguro e divertido ao mesmo tempo.

2 – Existe idade mínima para o Fortnite?

Sim. A Epic Games, que é o desenvolvedor do jogo, classificou esse jogo como apropriado para acima de 13 anos (Teen) já que o jogo oferece a interação entre usuários e compras dentro do game. E essa classificação é uma regra a ser seguida entre desenvolvedor e usuário do game sempre. Caso algo ocorra com uma criança com idade abaixo da indicada na classificação em função do uso do game, o desenvolvedor fica isento de qualquer responsabilidade.

3 – Mas o que é o Fortnite?

Fortnite é um jogo multiplataforma, ou seja, ele pode ser jogado no smartphone, no computador ou nos consoles de games Xbox One e PlayStation4. Ele tem duas versões: a versão de jogador solo é a Save the World e a de solo, duplas ou times é a Battle Royale.

A versão mais curtida pela garotada é a multiplayers, em que os jogadores competem entre si com até 100 jogadores online. Enquanto a versão Save the World é um pouco mais assustadora e violenta, o Battle Royale permite compras dentro do jogo para caracterização dos jogadores.

A ideia do jogo é matar os opositores (Foto: Getty Images)

4 – O Fortnite é violento então?

Sim. Apesar das versões apresentarem um nível de violência diferente dos outros games, a ideia é matar os opositores. Como os elementos gráficos são no estilo “cartoon”, o jogo não apresenta tanto realismo nas cenas. Mas há violência e morte.

5 – O Fortnite é gratuito?

Não, este jogo é pago tanto para o acesso quanto para compra de acessórios do jogo (micro transações). O preço do jogo em dólares é de aproximadamente US$ 39,99. Apesar de o desenvolvedor do game liberar, de tempos em tempos, algumas formas de acesso gratuito ao jogo ele é originalmente um jogo pago.

6 – Qual o ponto mais inseguro do jogo?

Com certeza o fato de os jogadores poderem conversar em chats torna a interação muito insegura. Microfones ficam abertos durante o jogo, o que faz com que todo o som ambiente onde o jogador esteja possa ser ouvido pelos outros jogadores. Além do que nunca se sabe quem realmente está do outro lado do game.

Os jogadores podem conversar em chats (Foto: Getty Images)

7 – O Fortnite vicia?

Este é um ponto muito positivo neste jogo. Ele deve ser jogado em sessões que duram 20 minutos. Dessa forma não vai haver a velha desculpa de “não posso sair no meio do jogo”. Esse é um bom ponto de diálogo para que você eduque a sua criança sobre a hora de parar baseada no número de sessões a serem jogadas.

E pra finalizar ficam duas dicas que valem para a vida online sempre: não existe uma fórmula e sim formas que as famílias encontram de criar ambientes seguros e felizes no uso de aplicações digitais. E essas formas são construídas com muito diálogo, regras claras e que devem ser cumpridas pra que sua criança saiba a hora de “subir de nível” na autonomia online.

Leia também:

Crianças que abusam de celulares têm mais chance de desenvolver 8 tipos de câncer, diz pesquisa

Uso de tablets e smartphones pode prejudicar visão de crianças, alerta oftalmologista

Saiba como seu filho pode aprender por meio da tecnologia