Criança

Em troca de fotos nuas, “feiticeiro” ameaça crianças por WhatsApp de ficarem paraplégicas

Os casos aconteceram no Mato Grosso e já estão sendo investigados pela polícia

Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

(Foto: Getty Images)

Os casos aconteceram no Mato Grosso (Foto: Getty Images)

Após mais de 10 boletins de ocorrência registrados em Cuiabá e em cidades do interior do Mato Grosso, a Polícia Judiciária Civil finalmente está investigando o caso do homem por trás das ameaças que crianças e adolescentes estavam sofrendo na internet.

O “feiticeiro”, como se apresentava para as vítimas, ligava e mandava mensagens no WhatsApp para meninas pedindo fotos nuas. Elas negavam, mas logo em seguida o homem dizia que, caso o pedido não fosse cumprido, elas seriam amaldiçoadas, ficando paraplégicas ou carecas.

“Como as vítimas têm pouca idade, poucas experiências, inclusive de vida, tendem, no pavor da ligação, a acreditarem no suspeito e a realizarem o que ele está pedindo, que é tirar foto em situação de nudez e encaminhar ao suspeito”, explicou Cláudio Alvares de Sant’anna, delegado do caso, em entrevista para O Livre.

O processo de investigação ainda está em andamento e as vítimas estão dando depoimentos para as autoridades, mas a Polícia Civil já revelou que o pedófilo também pedia para que as meninas fizessem videoconferências com ele.

Assim que for encontrado, o homem será preso e responderá por dois tipos de crime: constrangimento ilegal e recebimento e armazenamento de fotos e vídeos de crianças e adolescentes nuas. Ambos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Manual Pais & Filhos da segurança na internet

Pense na internet como se fosse o parquinho ou a praça do seu bairro. A sua atitude tem que ser parecida nas duas situações: não deixe o seu filho brincando sozinho e dê uma vistoriada básica para ver se não há algum perigo à vista. Veja os cuidados que as aventuras de seu filho na internet demandam de você:

1. O computador deve ser mantido de preferência em algum cômodo da casa em que as atividades das crianças na internet possam ser facilmente acompanhadas. A sala é o melhor lugar para você se manter atentos aos pequenos usuários.

2. Se a criança vai usar um computador de uso comum de todos, uma providência básica é criar uma conta de usuário para ela. Assim, fica simples de controlar as atividades do seu filho na rede.

3. É uma boa ideia manter uma pasta de favoritos para as crianças com sites já aprovados por você. Combine que são esses que seu filho pode visitar por conta própria.

4. Monitore o histórico de navegação – assim você pode saber direitinho os sites e páginas em que seu filho entrou. Se seu filho já for mais velho e saber apagar o histórico, essa é uma boa razão para você desconfiar que algo está sendo escondido…

5. Se uma rede social ou site pede cadastramento prevendo um limite mínimo de idade para a inscrição, isso é para ser respeitado. É sua responsabilidade manter as crianças fora do Facebook, Myspace, Twitter e outras redes sociais até terem idade para isso.

6. Combine um limite de tempo diário de permanência de seu filho no computador.

7. Ensine as crianças que na internet vale aquela regra de não conversar com estranhos. Insista com seu filho que a pessoa do outro lado pode não ser quem diz.

8. Fique atento a sinais de angústias ou de mudanças de comportamento que possam estar relacionados com a internet.

9. Preste atenção quando juntar uma garotada no computador do seu filho. É aquela coisa: em turma as crianças ficam tentadas a furar as regras colocadas pelos pais.

10. Para seu filho, use senhas simples e de seu conhecimento. Mas para você faça senhas seguras e difíceis para uma criança. Essa é uma boa prática e deixa seus dados a salvo de um uso desastroso que seu filho possa fazer.

Leia também:

Aqui não! Como proteger a privacidade dos seus filhos no mundo digital

80% dos pais não têm ideia do conteúdo que os filhos acessam na internet

Criança desabafa: “Odeio o celular da minha mãe porque ela nunca sai dele”