Brasil está entre os países que fecharam as escolas por mais tempo na pandemia, aponta relatório

Os dados foram divulgados pela OCDE, que avaliou aspectos da educação em 46 países diferentes. O estudo também aponta algumas dificuldades presentes no caso brasileiro

Resumo da Notícia

  • Brasil está entre os países que mais ficaram com as escolas fechadas durante a pandemia
  • Os dados são da OCDE
  • A informação, no entanto, precisa ser analisada com cautela
  • Veja os dados

Um relatório divulgado nesta terça-feira, 8 de setembro, colocou o Brasil no grupo de países que ficou mais tempo com as escolas fechadas desde o início da pandemia de coronavírus. Os dados foram apresentados pela OCDE, no relatório anual Education At Glance , onde a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico avalia aspectos da educação de seus 38 países-membros e de países parceiros, que é o caso do Brasil.

-Publicidade-
Brasil está entre os países que fecharam as escolas por mais tempo na pandemia, aponta relatório (Foto: Getty Images)

De acordo com os dados divulgados pela UOL, até o fim de junho, dos 46 países avaliados no relatório, 52% haviam fechado as escolas por 12 a 16 semanas e 28% as mantiveram fechadas por 16 a 19 semanas. O Brasil, onde a maioria das escolas ainda permanecem fechadas, está com 16 semanas contabilizadas até 30 de junho.

Os dados, no entanto, devem ser vistos com cautela, como destacou a própria OCDE, uma vez que a situação da pandemia varia dentro de cada país, além de algumas redes incluírem férias e feriados durante os períodos de fechamento. Outro detalhe a ser levado em conta é o fato de que muitos países do hemisfério norte reiniciaram o ano letivo em setembro, ficando fora dos números apontados.

-Publicidade-

De acordo com o que foi apontado, um grande desafio para a retomada das atividades é o tamanho das turmas, uma vez que “países com turmas menores podem ter mais facilidade em cumprir com as novas exigências de distanciamento social“. Uma dificuldade bastante pontual no Brasil, onde a quantidade de alunos por sala supera a média de países da organização. No caso do ensino fundamental, a média brasileira é de 24 alunos por sala, enquanto a média da organização é de 21. Já no ensino médio o número nacional chega aos 28 alunos por turma, em comparação com 23 na OCDE.

O relatório destaca que “a necessidade de reduzir o tamanho das turmas pode depender de outros fatores, como espaço físico, disponibilidade de salas e de funcionários e decisões pessoais de estudantes e educadores sobre o retorno às aulas“.

-Publicidade-