Como escolher a escola para 2021: saiba o que considerar na hora de fazer a matrícula do seu filho

Apesar da pandemia, educação é um assunto que não pode ser deixado de lado, além de ter todo o cuidado para fazer a melhor escolha. Entenda o que você precisa ficar de olho e a importância da instituição de ensino certa

Resumo da Notícia

  • Veja como escolher a escola para o seu filho em 2021
  • Confira dicas de ouro de Roberta e Thais Bento, especialistas em educação
  • Entenda a importância de fazer a escolha certa da instituição de ensino

2020 não foi um ano fácil e teve diversos desafios, principalmente na área da educação. Um dos maiores sonhos das famílias é poder proporcionar o melhor ensino possível para os filhos e para isso, é preciso ficar de olho no que considerar na hora de escolher a escola e fazer a matrícula.

-Publicidade-
Veja a importância de fazer a escolha certa para a educação do seu filho (Foto: iStock)

Com os mais diversos critérios a serem observados, além de todo o planejamento, o processo vai além da estrutura física da instituição. Em uma conversa com Roberta e Tais Bento, mãe e filha, colunistas da Pais&Filhos e fundadoras do SOS Educação, tiramos as principais dúvidas sobre o assunto e te contamos dicas de ouro para fazer a escolha certa em 2021.

Objetivos da família

A escolha da escola precisa ser feita pensando no processo de aprendizagem e desenvolvimento pleno da criança. As especialistas explicam que a pandemia é temporária, mas a relação entre família e escola, além do envolvimento dos alunos com os colegas e professores, é o que faz a diferença.

-Publicidade-

“Durante a pandemia, todos precisam se adaptar, fazendo o melhor que puderem. Esse deve ser o objetivo compartilhado entre família e escola: trazer o aluno de volta às aulas presenciais, quando houver segurança para isso. Enquanto não for possível retomar, manter as crianças aprendendo, em contato com seus professores e com atividades diversificadas, é o melhor que pais e professores podem fazer juntos”, comentam.

Para Cintia Sant’Anna, diretora acadêmica do Maple Bear Canadian School, é superimportante entender quais objetivos você deseja da instituição a partir de auto perguntas simples: “Quais as expectativas de aprendizagem você têm para o seu filho ou sua filha? Essas expectativas estão alinhadas com os valores, com a visão e missão da escola? A metodologia utilizada pela escola é coerente com os seus princípios?”.

Se familiarizando com o ambiente

Apesar da pandemia, é superimportante que os pais conheçam o ambiente em que os filhos irão estudar, principalmente áreas esquecidas, como banheiros, espaço de lazer, refeitório/cantina. “Mesmo que seu filho continue nas aulas remotas até que tenha sido vacinado, conhecer a escola é importante. Isso porque o foco deve ser no longo prazo e não no período da pandemia. Se a escola estiver recebendo visita e você sentir segurança, pode agendar um horário. Mas o ideal é que a escola ofereça a possibilidade da visita virtual. A família consegue fazer um tour pelos espaços sem sair de casa”, reforçam Roberta e Thais.

No caso de ainda surgirem dúvidas, as especialistas orientam marcar uma chamada de vídeo com a coordenação e pedir mais informações sobre aquele determinado espaço. “Se a escola estiver aberta a esse procedimento, é um sinal de que se adaptou bem aos tempos de escola remota“.

O ensino híbrido veio para ficar

Mesmo após a pandemia, a tendência é de que o ensino híbrido, também conhecido como blended learning, continue para ajudar nas aulas de reforço ou até mesmo auxiliar no aprofundamento dos mais diversos assuntos. Dessa forma, a mistura entre o ensino presencial e propostas de ensino online podem favorecer momentos de colaboração, maior interação e envolvimento com as tecnologias digitais. Roberta e Thais explicam que se a instituição tem um preparo e pode oferecer um suporte às famílias em relação à tecnologia, faz toda a diferença.

É superimportante focar nas relação escola/família/alunos/colegas/professores (Foto: Getty Images)

Trocas de experiência valem ouro!

Ouvir outros pais sobre as próprias experiências amplia a visão e o conhecimento que se tem da escola, permitindo um maior leque de informações a serem analisadas. “Se possível, as famílias podem também conversar com pais de alunos que já não estão mais na escola para ter pontos de vista diferentes. Porém, a decisão deve ser baseada nos valores e necessidades da sua família”.

Cintia dá como dica de que maneira a conversa pode ser realizada: “Converse sobre a rotina, atividades desenvolvidas e a percepção dos pais e alunos sobre suas experiências. Essa pesquisa também pode ser feita através de redes sociais e de grupos de pais de alunos matriculados, canais nos quais compartilham um pouco da rotina dos filhos na instituição”.

Optando por uma escola bilíngue

Ainda é comum que muitas famílias confundam a escola bilíngue com a instituição que oferece outra língua na grade curricular. A principal diferença entre as duas é que na primeira, os alunos têm as aulas oferecidas na própria língua estrangeira. “Se a escola oferece aulas de inglês com maior frequência ou em período inverso, não é bilíngue, embora muitas se apresentem assim. E tudo bem se for essa sua opção: dar ao seu filho a oportunidade de aprender o inglês, ou outra língua, desde a educação infantil. Esse processo é válido, desde que feito com seriedade. Uma boa proposta pedagógica, um processo de seleção e formação de professores continuado são essenciais”.

No caso das escolas bilíngues, as especialistas explicam que os benefícios são enormes quando as famílias e a instituição atuam de forma integrada e estimulam os alunos maneira adequada. Para que a educação da segunda língua ocorra no melhor contexto possível, é necessário ser natural no dia a dia.

“Ouvir e falar uma língua estrangeira no dia a dia, em situações corriqueiras, como nas brincadeiras com os colegas e no momento do lanche, além da sala de aula, ajuda que a criança aprenda a língua de forma natural. A fluência e a capacidade de compreender e falar são dominadas antes que a gramática se torne um conteúdo a ser aprendido”.

A diretora da Maple Bear Canadian School comenta ainda que a aprendizagens é importante para o desenvolvimento da criança: “Quando se pensa em escolas bilíngues e em suas características únicas, um aspecto a ser observado é a experiência de imersão na língua adicional, para que a criança desenvolva suas habilidades cognitivas, físicas, emocionais e sociais em ambiente de comunicação real e divertido”.

De olho nos protocolos sanitários

“A forma como a família é recebida durante o processo de matrícula é o melhor caminho para conhecer a aplicação dos protocolos de segurança que estão sendo aplicados pela escola e como estão sendo respeitados”, explicam Roberta e Thais.

Uma das principais dicas antes de fechar a matrícula é não focar apenas no período de pandemia (Foto: iStock)

Quando a escola oferece uma visita, a primeira pergunta que a família deve fazer é quais procedimentos precisam ser feitos para que ela aconteça. Com isso, vale ficar de olho em como os funcionários dos mais diversos setores estão trabalhando. “Quem não respeita os protocolos com seus colaboradores, colocando os funcionários em risco, não merece confiança para receber alunos“.

A dica de ouro para fechar a matrícula em tempos de pandemia

Apesar da situação global, é superimportante não focar apenas no período de pandemia, mas sim em como essa escola vai garantir que os alunos terão as necessidades e dificuldades supridas quando tudo passar. Roberta e Thais orientam também sobre a importância do suporte: “A principal dica é perguntar que tipo de suporte a escola oferece à família para que o aluno se adapte e supere dificuldades do ensino remoto“, conclui.

-Publicidade-