Criança doa medula óssea para salvar a irmã com leucemia

Alicia Carolinne Tabares, 7 anos, e Natanael Adalberto Tabares, 10 anos, se tornaram ainda mais próximos depois da cirurgia e hoje passam pelo isolamento brincando juntos, como todas as crianças

Resumo da Notícia

  • Menino doa medula óssea para salvar irmã
  • O transplante ocorreu como planejado
  • Hoje, 1 ano depois, a família está em casa e passa pelo isolamento juntos
  • Veja a história completa
Ela recebeu doação de medula do irmão (Foto: reprodução O Pioneiro)

Essa família é a prova de que nada supera o laço entre dois irmãos. Alicia Carolinne Tabares, 7 anos, e Natanael Adalberto Tabares, 10 anos, se tornaram ainda mais próximos depois de uma cirurgia na qual os dois se submeteram no ano passado. Alicia lutava contra uma leucemia linfóide aguda (LLA) desde 2015 e, para ajudá-la, o irmão se propôs a doar a medula óssea.

-Publicidade-

A doação aconteceu em julho de 2019 e, desde então, os dois, que já eram unidos, se tornaram inseparáveis. Atualmente, depois de 1 ano após o transplante, Alicia começou a retomar a rotina e uma das coisas que mais vem fazendo durante esse período de isolamento social é brincar com o irmão mais velho.  “Depois de todos estes anos, de tudo que ela passou, este período do transplante, com certeza, foi o mais difícil, mas também o mais vitorioso”, contou Patrícia Ribeiro Moura, mãe dos dois, ao jornal O Pioneiro.

O transplante de Alicia foi realizado no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre (RS). Após a cirurgia, a menina ainda precisou passar por algumas sessões de quimioterapia e radioterapia, o que fez com que ela ficasse internada por 40 dias. Depois de tanto tempo, a família pôde comemorar em setembro de 2019, quando a garota finalmente voltou para a casa.

-Publicidade-
Menina celebra recomeço (Foto: reprodução O Pioneiro)

A comemoração, no entanto, não durou muito. As complicações apareceram e Alicia acabou pegando uma bactéria e teve um problema de pele que ocasionou novas internações. Sendo assim, em outubro do mesmo ano, a menina precisou voltar ao hospital. “Ela ficou muito abatida, perdeu peso, chorava bastante e ficava até transtornada, não queria falar com ninguém. Agora, aos poucos, está melhorando”, relembrou a mãe.

Depois de voltar para a casa, Alicia precisou ficar em isolamento até abril. O isolamento, no entanto, precisou ser esticado devido à pandemia de coronavírus. Apesar de estar ansiosa para sair de casa, a garota entende a necessidade e a família está aproveitando para curtir o máximo juntos: agora comemorando a saúde da filha.

-Publicidade-