Pai caminha 2km todos os dias para levar a filha com paralisia cerebral até o tratamento: “Minha vida é em função dela”

A filha é também é portadora de Síndrome de Down

“Graças a Deus as dores nunca me atrapalharam a cuidar da Manu”, contou Ronaldo (Foto: Reprodução/G1)

No momento que você se torna pai, sua rotina muda completamente. Nao poderia acontecer de maneira diferente com Ronaldo Simplicio de Andrade. Ele é pai de três meninas Amanda, Gabriela e Manuela que é portadora de Síndrome de Down e paralisia cerebral.

-Publicidade-

Ronaldo cuida em tempo integral da sua caçula, isso porque há cerca de 2 anos, ele foi afastado do cargo de funcionário público por conta de uma artrose. “Minha vida é em função da minha filha”, disse Ronaldo em entrevista para o G1.

Apesar das dores, ele caminha todos os dias 2km com a filha na cadeira de rodas para as aulas na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Mogi que começam às 7h30 e vão até as 11h30. Nesse momento, a menina participa de atividades que estimulam o seu desenvolvimento, tanto cognitivo quanto motor.

-Publicidade-

As sessões de fisioterapia ocupam o espaço na parte da tarde e, em alguns dias da semana, a hidroterapia se encaixa na rotina da família.

(Foto: Reprodução/G1)

O parto da Manu, como é chamada pela família, foi difícil. Foi após seu nascimento que os pais descobriram que a menina tinha a síndrome e um tempo depois foi diagnosticada com paralisia cerebral

“Eu não sei mais o que seria da minha vida sem a Manu. Eu amo as minhas outras filhas, mas elas já são independentes. A Manu me mostrou que eu sou capaz de cuidar de uma pessoa que é totalmente dependente de mim. Ela é muito amável, ela está sempre feliz e contagia todo mundo. A Manu despertou o melhor do ser humano que existe em mim e sou grato a Deus por ser pai dela”, contou o pai orgulho da filha.

Leia também:

Vamos bater sempre na mesma tecla: Síndrome de Down não é doença!

Tenho um filho com paralisia cerebral, e agora?

Muito amor: professora encontra jeito criativo de levar aluna com paralisia cerebral para acampamento

-Publicidade-