Pais

Roupas “tal mãe, tal filha” vira projeto de mãe após não achar o que queria no mercado

A ideia é algo simples e elegante

Yulia Serra

Yulia Serra ,filha de Suzimar e Leopoldo

Um projeto qualquer se tornou o projeto de vida dessa mãe (Foto: reprodução/Arquivo Pessoal)

Thaisi Baesso é mãe da Maria Clara e empreendedora. Aos 38 anos, é dona do próprio negócio e toca tudo sozinha. Ela decidiu seguir seu sonho após a chegada da filha:  

“Nasci em Florianópolis e meus pais são funcionários públicos. Cresci escutando que deveria ser funcionária pública ou advogada, mas decidi estudar Publicidade. Sou movida pelo coração e sempre amei a criatividade

Depois de perceber que não gostava de trabalhar em agência, me tornei coordenadora de Marketing e Eventos. Tenho 10 anos de experiência nesta área e assim que engravidei, sabia que não conseguiria voltar ao trabalho

Ser mãe sempre foi meu maior sonho. A minha gravidez foi muito planejada. Eu e o Alex, meu marido, já havíamos combinado que eu pararia de trabalhar por pelo menos 1 ano. Eu queria curtir minha bebê, queria qualidade de vida e conexão para nós duas.

A Maria Clara nasceu em março de 2017 e em maio de 2018 foi pra escolinha no período da tarde. A meta era voltar ao trabalho até agosto. Comecei a procurar emprego mas meu coração dizia que não me encaixaria mais. Queria dedicar minhas manhãs a minha filha e não encontraria nada na minha área com carga horária de 6h.

A maternidade me transformou. Eu não era mais a mesma. Comecei a ler muito sobre empreendedorismo e começou a crescer uma vontade muito grande de empreender com propósito, mas eu ainda não sabia com o quê.

Sentia muita falta de me sentir viva e interessante. Meu marido já estava me pressionando, enviava vagas de empregos por email, mas não era aquilo que eu queria. Não queria voltar a trabalhar com eventos, mas não sabia com o que. 

Foi quando, em 2018, chegou à época do Dia das Mães. Fui ao shopping procurar camisetas tal mãe tal filha e não encontrei nada do meu estilo, que fossem mais minimalistas, sem aquelas frases ‘mãe rainha’ ‘mãe de princesa’. Procurei na internet e nada!

Fiquei pensando naquilo, mas ainda não tinha vindo o insight. Na semana seguinte meu marido estava participando de um evento e pediu minha ajuda para pensar num produto que pudesse vender em 1 semana. 

Eu sugeri ‘camisetas para o Dia das mães’, já que a data seria no próximo domingo. Desenvolvemos juntos a estampa ‘mãe & musa & referência & leva o casaco.’ Foi um sucesso! Eles venderam 400 camisetas em 5 dias. 

Assim, tive o insight. Eu amo criar, amo me conectar com as pessoas, amo criar coisas que emocionam, que alimentam a alma. Amo compartilhar energia positiva. É isso! Vou lançar uma marca ‘tal mãe, tal filha(o)’ bem minimalista, elegante e que não exista nada igual no mercado.

Em 2 meses, lancei minha primeira coleção com a loja O Amor Inspira. Como o Dia das mães já tinha acontecido, lancei a coleção para o Dia dos Pais e foi um super sucesso. Vendi 380 camisetas em 1 mês e 15 dias. Me apaixonei, me encontrei e me senti realizada, conectada comigo mesma e amando as conexões que a minha marca proporcionava para famílias.

De lá pra cá, a vida é uma montanha-russa. Me apaixono cada dia mais pelo empreendedorismo materno e tenho novos projetos em mente. Trabalho sozinha na empresa, atendo as clientes, fornecedores, parceiros, embalo todos os pedidos, entrego para o motoboy e escrevo as cartinhas.

Sou uma mãe empreendedora, cheia de amor e energia e quero compartilhar, cada dia gerar mais conexões entre as famílias e espalhar mensagens positivas pelo mundo!”

Se a vinda do seu filho despertou a vontade de empreender, conte sua história para nós e participe do projeto Nascer de Novo, nossa parceria com a Brascol.

Leia também:

Paixão pela gastronomia e chegada do filho fazem mãe criar um negócio próprio

Sobrinha decide empreender para realizar sonho da tia e confeitaria ganha página online

Brincadeira vira coisa séria e mãe cria negócio próprio para incentivar a criatividade das crianças