Família

Após acidente de carro, avó cria roupas para os netos e aumenta a autoestima

Vestir os netos deu um novo significado para a vida de Dona Zoraide

Yulia Serra

Yulia Serra ,filha de Suzimar e Leopoldo

Dona Zoraide com a filha, Priscilla, e os netos, João Gabriel e Maria Beatriz (Foto: Arquivo pessoal)

Empreender vai além do ganho financeiro. É uma chance de recomeçar. E foi exatamente essa a motivação de dona Zoraide Martins Ferraz. Aos 56 anos de idade, a mãe de Priscilla se reencontrou na costura.

Trabalhando desde muito nova como doméstica, faxineira e porteira, ela desafiou todos os obstáculos que surgiram. Mãe de quatro, fez o que pôde para oferecer tudo de melhor a eles e os filhos reconhecem esse esforço. “Tenho muito orgulho dela. Foi a primeira porteira da empresa”, comenta Priscilla, sua segunda filha.

Quando surgiu a possibilidade de crescer na carreira, com o convite de se tornar supervisora, dona Zoraide não pensou duas vezes antes de entrar para a autoescola e tirar a carta de moto: ela não sabia dirigir, mas não julgou tarde para aprender.

Buscando um novo patamar na carreira, a vida de Zoraide foi colocada em xeque. Durante uma das aulas, em 2002, o instrutor entrou na contramão e bateu o carro. Ela fraturou a perna direita. Por causa do acidente, ela foi obrigada a ficar muito tempo na cama, sendo submetida a seis cirurgias.

Sempre ativa, foi aposentada por invalidez. Com sequelas na perna direita e dores absurdas, desanimou. O tempo passou, os filhos casaram e os netos vieram. Esse era o gás que dona Zoraide precisava.

Nesse tempo em casa, começou a costurar algumas peças de roupa para os netos. Eram roupas temáticas, vestidos, saias, tutus, macacões… A felicidade dos netos contagiou a avó, que aumentou a sua produção. 

Maria Beatriz usando o tutu feito por dona Zoraide (Foto: Arquivo pessoal)

Mas o incentivo não veio apenas dos netos: a família toda apoiou o trabalho. Seja na divulgação, compra dos materiais, sugestão de ideias ou na função de modelo, todos participaram dessa conquista.

E Priscilla garante: “Esse negócio tem aproximado toda a família”. Por essa razão, a filha visa montar uma loja, com peças exclusivas, feitas por Zoraide e outras confeccionistas. Ela quer ampliar as vendas e ser sócia da mãe.

A funcionária pública contou que está pronta para trocar a estabilidade pela incerteza do empreendimento: “É um trabalho de resgate das raízes. Minha mãe aprendeu a costurar vendo a mãe e avó. É algo bem família”.

O empreendedorismo também atrai Priscilla pela possibilidade de passar mais tempo com os filhos. Costurar fez Zoraide ser mais ativa, ajudou a ter contato com outras pessoas e a se reinventar. “Ela ficou mais confiante e orgulhosa, vendo o que é capaz de criar”, comenta a filha.

Aos 61 anos de idade, a vontade de avó, mãe e filha se resume no lançamento do Ateliê da Zô. Há gerações, esta é uma família que se une pela costura e, agora, quer espalhar esse amor em uma loja própria.

João Gabriel usando a fantasia feita pela avó (Foto: Arquivo pessoal)

Leia também:

Quer ser a dona do seu próprio negócio? Conheça o projeto Nascer de Novo

Boa notícia! Pacientes com Alzheimer apresentam melhoras após terapia com bonecas

Quer ter seu próprio negócio? Saiba como dar o primeiro passo e se organizar