Criança

Menina de 3 anos pode ser mais uma vítima de crime absurdo praticado por seita

O acusado foi preso na última sexta-feira (4)

Rhaisa Trombini

Rhaisa Trombini ,Edileyne e Geraldo

O lugar estava cheio de símbolos religiosos usados nos “rituais”(Foto: Reprodução/ G1 Polícia Civil)

Avó paterna de menina de 3 anos denunciou, na última segunda-feira (7), uma seita religiosa acusada de abusar de várias menina em Caiapônia, na região sudoeste de Goiás. De acordo com a polícia, a vítima entrou em pânico quando ouviu a voz do agressor dando entrevista na TV, levantando a suspeita na família.

Outras duas meninas, uma delas irmã da vítima de 3 anos, também sofreram com os abusos por 5 meses, todas levadas pelas avós. Segundo as investigações, as meninas eram um “sacrifício” para enriquecer.

Segundo divulgado pela assessoria de imprensa da corporação, a avó ouviu o relato da neta e e descobriu que o investigado tinha praticado masturbação na menina.

O caso aconteceu em Goiás (Foto: Reprodução/ G1 Polícia Civil)

O advogado do líder da seita, Leonardo Couto Vilela, negou ao G1 qualquer envolvimento do homem com o caso das meninas. Mesmo assim, o líder e a avó materna foram presos na última sexta-feira (4) em um acampamento. Lá, foram encontrados símbolos religiosos usados nos “rituais”. Documentos também foram apreendidos. Os dois responderão por estupro de vulnerável.

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil, a menina de 3 anos terá acompanhamento psicológico e será encaminhada para o Conselho Tutelar de Goiânia.

A avó da criança, de 49 anos, tinha relacionamentos extraconjugais com o líder da seita. Em um diário, o homem relatava todos os abusos. Segundo o G1, o caso foi deflagrado quando a mãe das meninas notaram uma mudança de comportamento e acharam estranho a insistência das avós em ficar em casa com as meninas.

Leia também:

Em vídeo, funcionário acaba com diversão de criança e é acusado de racismo

Em vídeo, funcionário acaba com diversão de criança e é acusado de racismo

Desabafo: menino conta o que sentiu ao ser agredido por família em condomínio